Pop
Acompanhe:

Hotel Twitter: na sede, Elon Musk transforma salas de reunião em quartos para dormir

Sob "cultura hardcore" pregada pelo CEO, funcionários aparentam estar dormindo no escritório para cumprir longas horas

Elon Musk: novo CEO do Twitter teria transformado escritórios em quartos para dormir (Exame/Exame)

Elon Musk: novo CEO do Twitter teria transformado escritórios em quartos para dormir (Exame/Exame)

L
Laura Pancini

6 de dezembro de 2022, 11h55

Segundo a americana Forbes, o bilionário Elon Musk transformou parte da sede do Twitter em quartos para funcionários dormirem. Fontes revelaram ao site que escritórios e salas de reunião foram encontradas por funcionários com colchões, cortinas e, em um deles, até uma planta.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Fotos de um dos quartos foram apresentadas como prova por uma das fontes, mas não divulgadas. As imagens mostram uma cama queen size, uma mesa de cabeceira com luminária e um "carpete laranja brilhante", descreve o site.

"As pessoas já estão trabalhando até tarde, então faz sentido até certo ponto", disse a fonte à Forbes. Os funcionários da empresa agora trabalham sob a gestão "hardcore" do bilionário, que pediu por longas horas de trabalho "em alta intensidade".

A sede do Twitter em São Francisco pode ter "entre quatro e oito quartos por andar", ainda segundo a fonte. Alguns estão localizados em um andar que não é utilizado por ninguém. A biblioteca também foi transformada em uma área de dormir e descrita como "aconchegante".

O Twitter ainda não se pronunciou sobre o tema.

LEIA TAMBÉM: O que é o 'casaco invisível' que confunde câmeras do governo chinês

"Gestão hardcore"

Semanas após Elon Musk assumir o Twitter e demitir grande parte da força de trabalho, funcionários da empresa receberam um e-mail com um ultimato do CEO.

Musk descreveu sua visão para o Twitter 2.0 e disse que funcionários precisariam ser "hardcore" e trabalhar "longas hora em alta intensidade" para continuar na empresa.

A equipe do Twitter precisava responder ao e-mail até às 17 horas do dia seguinte, ou então seriam demitidos e receberiam três meses de indenização. 

“Apenas um desempenho excepcional constituirá uma nota de aprovação”, escreveu o bilionário. 

A empresa tinha 7,9 mil funcionários antes de Musk assumir e hoje tem por volta de 4 mil.

LEIA TAMBÉM: