Negócios
Acompanhe:

No Twitter, Elon Musk continua citando o próprio Elon Musk como exemplo. Entenda o motivo

Como muitos usuários do Twitter, no site o modo preferido de Musk é o de responder. Nesse caso, Musk estava, na verdade, respondendo a si mesmo

Elon Musk concordou consigo mesmo mais de dez vezes nos últimos meses no Twitter, reafirmando seus pensamentos sobre pontos tão diversos quanto a grandiosidade da produção e a filosofia de gestão dele mesmo (Bloomberg Businessweek/BLOOMBERG BUSINESSWEEK)

Elon Musk concordou consigo mesmo mais de dez vezes nos últimos meses no Twitter, reafirmando seus pensamentos sobre pontos tão diversos quanto a grandiosidade da produção e a filosofia de gestão dele mesmo (Bloomberg Businessweek/BLOOMBERG BUSINESSWEEK)

M
Max Chafkin, para a Bloomberg Businessweek

29 de novembro de 2022, 09h37

Enquanto o Grupo FTX desmoronava em meados de novembro, Elon Musk se deparou com uma postagem sobre criptomoedas. “Como eu disse antes, não aposte sua propriedade em criptomoedas!” dizia o tweet, sugerindo ao invés que empreendedores criem “valor verdadeiro” concentrando-se em seus “semelhantes”. Musk concordou. “Exatamente”, ele tuitou em resposta.

Como muitos usuários do Twitter, no site o modo preferido de Musk é o de responder. Suas respostas aos aleatórios fãs da Tesla e teóricos da conspiração atraem um substancial engajamento, dado o volume de seus seguidores (118 milhões e o número continua a crescer). Nesse caso, Musk estava, na verdade, respondendo a si mesmo.

A fonte da criptográfica sabedoria foi uma conta chamada Universidade Musk, que promete “expandir e proteger a luz da consciência” postando coisas que Musk disse.

LEIA TAMBÉM: Elon Musk manda ultimato a funcionários do Twitter e exige cultura “extremamente hardcore” em email

O que Musk responde a si mesmo

Musk é fã, tuitando regularmente sua concordância com a conta e outras semelhantes, como Sabedoria de Elon e Citações de Elon Musk. Ele concordou consigo mesmo mais de dez vezes nos últimos meses, reafirmando seus pensamentos sobre pontos tão diversos quanto a grandiosidade da produção e a filosofia de gerenciamento de Musk, o que equivale a induzir Musk a fazer o trabalho pesado porque não há ninguém disponível que seja tão bom como o próprio Musk. Ele também frequentemente demonstra gostar de postagens de fãs com suas citações como se fossem versículos bíblicos.

A tendência de Musk de falar com essas citações algorítmicas no Twitter — tão absurdo que ele pareceu reconhecer em um tweet subsequente — que seria apenas divertida se sua criação dessa câmara de eco não tivesse empurrado o Twitter para rotas tão autodestrutivas. Desde sua aquisição em 27 de outubro, Musk parece mais interessado em brincar com seus seguidores, especialmente influenciadores de direita, do que realmente administrar o Twitter de maneira responsável.

Mais recentemente, isso implicou em deixar a decisão de reativar ou não a conta do ex-presidente Donald Trump para uma votação no Twitter, uma estranha escolha, visto que o próprio Musk repetidamente insistiu na ideia de que a base de usuários do Twitter era (disse ele, sem oferecer evidências) composta em grande parte por robôs. Musk também havia dito anteriormente que deixaria as decisões sobre suspensões de contas para um “conselho de moderação de conteúdo”.

Quando Trump não twittou imediatamente, Musk postou avidamente um meme que parecia comparar sua plataforma de mídia social a uma droga viciante. Percebendo que era de mau gosto, talvez, ou sentindo-se triste por Trump estar resistindo à tentação, Musk o excluiu, substituindo-o por um que era simplesmente misógino.

LEIA TAMBÉM: Musk alerta para possível falência do Twitter em fala à equipe

Como reagiram os anunciantes

Os anunciantes — ou seja, aqueles que ainda não desistiram — provavelmente se retraíram, mas depois das piadas de Musk sobre masturbação e das teorias da conspiração nas últimas semanas, eles dificilmente se surpreenderiam mais.

Musk, por sua vez, parecia estar gostando do espetáculo de gastar US$ 44 bilhões em uma empresa e depois incendiá-la. “ O Twitter está VIVO”, recentemente se vangloriou.

Em meio a tudo isso, é fácil esquecer que a aquisição do Twitter por Musk foi originalmente enquadrada como um antídoto para o que Musk caracterizou como de caprichosas e tendenciosas decisões dos moderadores de conteúdo. (Musk ficou particularmente chateado com o fato de o site satírico Babylon Bee ter sido suspenso.)

Estranhamente, devido à sua declarada predileção por paródias cômicas, ele às vezes parecia sem humor e sem sentido. Um dos momentos mais divertidos de seu breve mandato até agora ocorreu quando seu plano de cobrar dos usuários US$ 8 por mês para “verificação” levou a uma proliferação de contas “verificadas” que se faziam passar por ele para zombar dele.

Os imitadores incluíam a comediante Kathy Griffin e o ex-apostador da NFL Chris Kluwe, que, como Musk, tuitou sobre o prazer de “saborear de um copo fresco e fumegante da minha própria urina”.

Musk ficou rabugento. Criou algumas novas regras e depois baniu Kluwe, Griffin e outros, e deixou claro que qualquer que fosse a política, seus sentimentos sobre o assunto eram pessoais. Ele descobriu que Griffin, a quem ele mais tarde readmitiu, havia sido banida por “se passar por comediante”.

Musk também começou a demitir qualquer um de sua já reduzida equipe que o criticasse publicamente. De acordo com o boletim do site Platformer e do New York Times, ele pediu aos assessores que vasculhassem as mensagens antigas do Slack para encontrar qualquer um que não tivesse sido suficientemente leal a ele em particular.

Esses funcionários também foram demitidos. Os que permaneceram foram submetidos a um estranho teste de lealdade, durante o qual foram forçados a escolher entre perder o emprego (e receber uma indenização de três meses) ou clicar em um botão que confirmava que estavam comprometidos em ser “extremamente empenhados”.

Uma grande porcentagem dos cerca de 4.000 funcionários restantes — muitos dos quais são engenheiros altamente qualificados que não terão problemas para encontrar novos empregos e que não exijam constantes rituais de humilhação e que envolvam objetivos organizacionais mais satisfatórios do que ajudar o homem mais rico do mundo a pagar o empréstimo de US$ 13 bilhões — decidiram que não estavam, de fato, extremamente empenhados.

Até quando Musk ficará à frente do Twitter?

O resultado foi o caos absoluto. Os crachás não funcionaram. Algumas equipes perderam todos os seus funcionários. Musk lidou com isso da mesma forma que fez ao longo de seu destrutivo mandato: como uma piada hilária, tuitando memes fúnebres e contando as piadas ainda mais grosseiras.

Musk sinalizou que pode eventualmente contratar um diretor executivo para o Twitter. Essa mudança pareceu como um ajuste crucial para salvar o que resta de seu investimento. Isso poderá ajudar a trazer de volta os anunciantes e provavelmente acalmar as preocupações dos acionistas da Tesla também.

As ações da montadora caíram cerca de 25% desde que o acordo com o Twitter foi fechado.

Outra coisa que Musk poderia fazer seria pelo menos uma breve tentativa de ouvir opiniões de fora, mas isso parece mais uma ideia teórica do que uma real possibilidade.

Mesmo quando o Twitter parece estar em perigo de entrar em colapso em uma crise mais profunda, Musk tem brincado com os mesmos criadores de memes e influenciadores extremamente online que o colocaram nessa confusão em primeiro lugar.

Nos últimos dias, ele brigou com o Nine Inch Nails (e crítico do Twitter) Trent Reznor, juntou-se a uma conta de memes de direita chamada “Catturd”, deu as boas-vindas a uma estrela pop antissemita e gostou de uma citação potencialmente profética de uma pessoa que deve ser seu líder empresarial favorito de todos os tempos.

A suposta citação, de Elon Musk, naturalmente: “Oh, esqueça isso, quem se importa.”

Isso resume bem o Twitter sob o comando de Musk.

Tradução de Anna Maria Dalle Luche.

LEIA TAMBÉM: Elon Musk: no Twitter, ele demitiu pessoa enquanto ela dormia e por e-mail. Há razão nisso?