O que é e-commerce e para que serve?

Entender mais sobre o e-commerce é fundamental para quem quer começar a investir em empresas que fazem negócios online
 (Getty/Getty Images)
(Getty/Getty Images)
D
Da Redação

Publicado em 27/07/2022 às 18:00.

Última atualização em 27/07/2022 às 19:36.

E-commerce é o nome dado a um tipo de negócio que consiste na compra e venda de produtos totalmente através da internet.

Sendo assim, entender mais sobre o e-commerce é fundamental para aqueles que querem começar a investir em empresas que fazem negócios online.

O que é e-commerce?

Também chamado de comércio eletrônico ou comércio online, o e-commerce é um tipo de negócio em que há a compra e venda de produtos totalmente através da internet. Sendo assim, todas as partes da compra do produto são online: a seleção do produto, escolha de endereço para a entrega, forma de pagamento e compra.

Vê-se, portanto, que entender o que é e-commerce é muito necessário, uma vez que essa modalidade cresce cada vez mais no Brasil e no mundo.

Independente do tipo de e-commerce, a única etapa que envolve a utilização de espaço físico é na entrega de um produto físico ao usuário. No entanto, existem serviços e infoprodutos cuja utilização se dá totalmente pela internet.

Tem-se, ainda, a importância da divulgação dos produtos e serviços através de canais digitais como sites, redes sociais e outras formas. Muitas empresas possuem estratégias de marketing digital para auxiliar nessa divulgação.

Além disso, entender sobre essa modalidade de negócios é fundamental para quem quer investir em ações (mesmo que tenha pouco dinheiro para investir), uma vez que cada vez mais elas realizam negociações online.

Como funciona o e-commerce?

De fato: é preciso saber que existem diversas etapas para que ocorra uma negociação em uma loja online. Sendo assim, para entender como funciona o e-commerce, é preciso entender todas as etapas.

Primeiramente, o cliente chega à uma loja virtual através de uma indicação, de conteúdo na internet (tráfego orgânico) ou através de anúncios (tráfego pago).

Assim, ele entra no site e avalia os produtos disponíveis, escolhendo os que mais lhe agradarem. Uma vez que ele tenha sido selecionado, ele segue para a página de pagamento. 

Nesse momento, ele deve preencher a página de checkout com seus dados de pagamento (seja boleto, cartão, Pix ou outros) e de entrega, como o CEP, número da casa e outros detalhes (caso trate-se de um produto físico). 

Uma vez que o pagamento ocorra, a empresa envia o produto através dos Correios ou de uma transportadora privada. Se for um produto digital, a entrega costuma acontecer através do e-mail cadastrado na compra. 

É preciso estar atento a pontos importantes, como os fornecedores e como a entrega do produto é feita, além de fazer descrições atraentes para captar mais clientes. 

Assim, é possível aumentar a rentabilidade do negócio, permitindo que este cresça e alcance cada vez mais pessoas. 

Quais são os tipos de e-commerce?

Existem diversos tipos de e-commerce, cada um com suas particularidades e modelo de negócio diferente. Veja quais os principais tipos abaixo:

  • Redes sociais

Em primeiro lugar, é possível vender seus produtos e serviços através das redes sociais. Pode-se fazer isso através de conteúdos de valor (inbound marketing) ou de campanhas promocionais (outbound marketing).

As redes sociais têm a vantagem de já possuírem uma estrutura e o público necessário para vender. Elas são tão úteis que até mesmo muitas empresas presentes no Ibovespa já têm presença nas redes.

Além disso, diversas lojas fazem parcerias com influencers para divulgarem suas marcas, o que gera mais reconhecimento e autenticidade para a marca.

Entretanto, cada rede social tem suas particularidades e exige estratégias diferentes. Portanto, é preciso saber em qual é melhor restringir seu foco e como produzir bons conteúdos para a rede escolhida.

  • Marketplaces

Os marketplaces consistem em grandes sites nos quais é possível cadastrar-se e oferecer os seus produtos. Neles, os preços costumam ser competitivos e há muita variedade.

Uma vantagem desse modelo de negócios é o fato desses sites possuírem muitos acessos. Ou seja: quando alguém quer comprar um item, geralmente esses sites são as primeiras opções.

Portanto, disponibilizar seus produtos nesses ambientes virtuais é algo que muitas marcas buscam, especialmente as que estão começando.

Além disso, vale dizer que diversas empresas de marketplace ganharam destaque no mercado internacional, gerando grandes rentabilidades através da distribuição de dividendos e da valorização das ações.

É o caso da Amazon, um dos maiores marketplaces do mundo. Outros muito famosos são Mercado Livre, Magazine Luiza e mais.

  • Loja online

Entretanto, alguns donos de negócios podem preferir ter suas próprias lojas online para vender seus itens com mais autonomia. 

A vantagem dessa estratégia de negócios é poder personalizar a sua plataforma de vendas de forma quase ilimitada. Muitas companhias preferem ter essa autonomia para vender, como muitas empresas da bolsa de valores.

Para essa modalidade, é preciso ter formas de fazer as pessoas chegarem ao site. É possível fazer isso com blogs, conteúdos nas redes sociais, tráfego pago e até mesmo anúncios em meios tradicionais, como rádio e TV.

Antigamente, era muito difícil criar seu próprio site. Hoje, existem várias ferramentas que ajudam a montar uma loja virtual sozinho, como WordPress, Wix e outros.

Vale notar, no entanto, que não é preciso escolher apenas uma modalidade de negócios: é possível ter um conjunto de estratégias que atuem de forma integrada. 

Você ainda tem questionamentos sobre o funcionamento do e-commerce? Confira outros conteúdos como esse em nosso Guia de Investimentos, como:

Estratégia de crescimento: o que as empresas fazem para crescer?
Companhias abertas: saiba as características desse tipo de empresa
O que é CEO?