Controle de estoque: o que é, para que serve e como funciona?

Saber como lidar com o estoque é fundamental para qualquer empresa, seja um pequeno negócio, seja uma grande companhia da bolsa de valores
 (Getty/Getty Images)
(Getty/Getty Images)
D
Da Redação

Publicado em 29/07/2022 às 18:00.

Última atualização em 29/07/2022 às 18:04.

Estoque é um fator essencial para qualquer empresa que lide com produtos físicos, uma vez que é o seu bom gerenciamento que garante o atendimento aos clientes.

Portanto, saber como lidar com o estoque é fundamental para qualquer empresa, seja um pequeno negócio ou uma grande companhia da bolsa de valores.

O que é estoque?

O conceito de estoque consiste nos produtos que estão sob a gestão de uma empresa. Esses produtos podem ser produtos já acabados ou inacabados (como insumos e peças que serão usados para fabricar produtos), podendo servir para a venda aos clientes ou para os processos internos da companhia.

Sendo assim, para buscar uma maior rentabilidade nas empresas, uma das formas mais eficazes é o bom controle do próprio estoque. Por isso, é fundamental entender o que é estoque e como organizá-lo.

No cenário atual, diversas empresas buscam estocar o mínimo de produtos possível (seja para vender aos seus clientes ou como insumos para suas próprias operações).

Isso ocorre pois existem muitos custos associados a manter produtos estocados na empresa, de forma que empreendedores preferem lidar com estoques pequenos.

Entretanto, independente do seu tamanho, o controle do estoque é uma atividade muito importante para empresas que lidam com produtos físicos, sendo um grande diferencial para sobreviver em um mercado competitivo.

Por fim, o estoque consta nas demonstrações financeiras da empresa na parte dos ativos circulantes de um balanço patrimonial.

Esse demonstrativo pode ser encontrado em qualquer empresa negociada no mercado de renda variável sob a forma de ações.

Como funciona o estoque?

O planejamento de estoque consiste em uma grande estratégia para empresas que querem melhorar seu desempenho e se diferenciar de seus competidores no longo prazo.

Sendo assim, existem profissionais especializados em logística que entendem qual é a melhor forma de organizar os estoques.

Além disso, existem empresas dedicadas à organização do estoque que podem prestar consultoria ou até mesmo cuidar dessa parte operacional para a empresa que contratar seus serviços.

Entretanto, é comum que diversos setores entrem em conflito a respeito do estoque: a parte de vendas irá preferir um estoque grande para garantir que atenderá todos os seus clientes.

Por outro lado, o setor financeiro pode preferir manter estoques baixos por causa dos custos para mantê-lo. Com um estoque baixo, o fluxo de caixa da empresa é beneficiado.

Por isso, muitas empresas falham na sua gestão de estoques e, com isso, perdem vantagens competitivas importantes que fariam diferença no longo prazo.

Inclusive, grandes empresas do Ibovespa já se prejudicaram por não conseguir lidar com seus próprios estoques.

Para que serve o estoque?

A gestão de estoque tem diversas funcionalidades, e algumas empresas preferem possuir estoque demais do que lidar com a sua falta. 

Existem, de fato, diversas justificativas para isso: primeiramente, um estoque protege a companhia dos efeitos da inflação (ou seja, o aumento dos preços do mercado).

Além disso, evita que haja algum tipo de imprevisibilidade com os fornecedores, que podem acabar atrasando entregas ou até mesmo cancelá-las.

Há, também, o benefício financeiro de comprar diversos produtos de uma vez só: geralmente, o preço por cada peça sairá mais barato do que se comprado em pequenos volumes.

Por fim, os custos com transporte, o tempo perdido e a gestão operacional tornam-se mais eficientes caso haja menos compras em maior volume. Isso é o que se chama de ganho de escala.

Isso permite que empresas gerenciem bem seus estoques, mantenham uma boa saúde financeira, cresçam e, com isso, distribuam muitos dividendos aos seus acionistas.

Quais as vantagens do estoque de segurança?

Há, ainda, um conceito importantíssimo em empresas que lidam com produtos físicos: o de estoque de segurança, fundamental para a saúde financeira da empresa.

Não é possível que os administradores de uma companhia consigam prever exatamente a demanda de seus produtos. Por isso, muitos preferem trabalhar com uma quantidade a mais de seus produtos, permitindo assim que todos os seus clientes sejam atendidos.

É possível fazer esse controle para diminuir as chances de que a empresa não possa vender seus produtos aos clientes.

Isso pode ocorrer por diversos fatores. Por exemplo: quando há uma demanda maior do que a esperada ou quando o fornecedor atrasa suas entregas por alguma imprevisibilidade.

Assim, será possível evitar que falte os produtos na prateleira da empresa. Ainda que haja custos maiores pela estocagem dos materiais, o lucro maior proveniente desse planejamento de estoque costuma compensar os custos.

Vale a pena fazer estoque?

Muitos donos de negócios podem se perguntar se, diante dos prós e contras, vale a pena fazer estoque para seus empreendimentos.

Entretanto, existem vários fatores a considerar: qual é o tamanho do espaço disponível para estocar materiais? Qual o custo de ampliar esse espaço para caber mais estoque? A demanda dos produtos é imprevisível?

Há a possibilidade de fazer estoque de segurança e, com isso, garantir que os clientes serão atendidos com o que precisarem.

Por outro lado, esse estoque não deve ser tão volumoso ao ponto de gerar muitos custos para a empresa e inviabilizar o negócio no longo prazo.

Essa não é uma tarefa fácil, tanto que diversos fundos de ações avaliam bem as empresas de varejo para verificar se elas lidam bem com a estocagem de seus materiais e, portanto, se vale a pena investir em suas ações.

Portanto, manter um estoque apropriado é uma medida que muitas empresas tomam, garantindo assim que conseguirão manter suas operações mesmo que haja problemas ao longo da cadeia produtiva.

Você ainda tem alguma dúvida sobre estoque e como ocorre seu funcionamento? Confira outros conteúdos como esse em nosso Guia de Investimentos, como:

Companhias abertas: saiba as características desse tipo de empresa
O que é Juros Sobre Capital Próprio?
O que é ROIC?