PRIO (PRIO3) aprova recompra de até 5,43% de ações

O Conselho de Administração da companhia petrolífera aprovou a aquisição de até 46 milhões de papéis em um prazo de 18 meses, contados até 30 de março de 2024.
PRIO, antiga PetroRio (PRIO3) (PetroRio (PRIO3)/Divulgação)
PRIO, antiga PetroRio (PRIO3) (PetroRio (PRIO3)/Divulgação)
Carlo Cauti
Carlo CautiPublicado em 03/10/2022 às 11:00.

A PRIO (PRIO3), antiga PetroRio, informou nesta segunda-feira, 3, que vai realizar um programa de recompra de ações de até 5,43% do capital total.

Segundo o fato relevante divulgado pela PRIO, o Conselho de Administração aprovou a aquisição de até 46 milhões de papéis em um prazo de 18 meses, contados até 30 de março de 2024.

Atualmente, encontram-se em circulação 847,6 milhões de ações ordinárias da antiga PetroRio, enquanto outras 38,7 milhões estão em tesouraria. Segundo o documento divulgado pela petrolífera, "caso o programa seja executado em sua totalidade, a PRIO passará a deter 10% do capital social em tesouraria".

Desde o começo do ano, as ações da PRIO subiram 44,41%, chegando a R$ 29,27.

Em julho, a PRIO comunicou ao mercado que a gestora Squadra Investimentos alcançou 5,18% de sua participação acionária.

No total, a Squadra Investimentos detêm 45.725.103 ações ordinárias do capital social da Prio.

Resultados operacionais da PRIO (PRIO3)

Em agosto, a produção média dos campos da PRIO totalizou 40,8 mil barris de óleo por dia. De acordo com os dados operacionais da antiga PetroRio, o volume de produção caiu 12,8% em relação ao mês imediatamente anterior, quando teve produção diária de 46,8 mil barris.

Mesmo assim, a produção da PRIO superou o acumulado do segundo trimestre, quando tinha alcançado uma produção diária de 33,3 mil barris.

Resultados antiga PetroRio o segundo trimestre de 2022

No segundo trimestre do ano, a PRIO registrou um lucro líquido de US$ 141,3 milhões, alta de 78% em relação ao mesmo período de 2021. A receita líquida foi recorde, atingindo US$ 377 milhões, alta de 95% na comparação anual.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado foi de US$ 257 milhões, alta de 105% na comparação anual.

Os resultados positivos foram impulsionados pela alta das cotações do petróleo nos mercados internacionais, além do crescimento de 18% das vendas de petróleo da PRIO no segundo trimestre, que alcançou 3,3 milhões de barris.

O custo de extração (lifting cost) da PRIO no segundo trimestre foi de US$ 11,1/bbl, em queda de cerca de 22% na comparação anual, e o menor valor já registrado.

O caixa líquido da PRIO no final do segundo trimestre foi de US$ 190 milhões, em queda de US$ 158 milhões na comparação anual.