Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Funcionários do Itaú ficarão em home office até janeiro de 2021

O banco se junta a outras empresas, como o Facebook e Google, que preferiram manter os funcionários em casa até o próximo ano

O Itaú Unibanco prorrogou sua política de home office até janeiro de 2021, segundo anúncio interno do presidente Candido Bracher por vídeo.

O novo prazo para retorno ao escritório acontece em meio a cenário ainda crescente de propagação do novo coronavírus no Brasil. Até esta quinta-feira, 13, o país teve um total de 104.263 óbitos e 3.170.474 casos confirmados da doença.

Segundo posicionamento enviado à EXAME, o Itaú esclarece que o prazo não significa que os funcionários retornam ao escritório no dia 1º de fevereiro. "Esse é o prazo para reavaliarmos e definirmos como atuaremos a partir de fevereiro", diz a nota.

Desde março, o banco adotou medidas de segurança e colocou mais de 50 mil funcionários para trabalhar em casa. Agora, quem está em home office permanece assim. A empresa também mantém cuidados adicionais de segurança para funcionários de agências e os que precisarem ir ao escritório.

De acordo com o Sindicado dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região, o Itaú deve reabrir 108 agências pelo país e fechar permanentemente 23 agências.

Mais um ano em casa

No Facebook, os funcionários não devem retornar aos escritórios até julho de 2021. O trabalho remoto foi implementado na empresa globalmente em março, quando a pandemia se intensificou nas Américas. Antes da ampliação, a medida permitia o home office até dezembro de 2020. A companhia também afirmou que deve pagar mil dólares adicionais aos funcionários para que possam suprir seus gastos com o home office.

No Google, o trabalho remoto também acontecerá até julho do próximo ano. Em outras companhias, o novo modo de trabalhar pode se tornar permanente. A Accenture e a Via Varejo já abriram mais de 800 vagas para funcionários que trabalharão sempre de casa.

Pelo mundo, a Suécia recomendou à população que faça home office até 2021. E alguns países, como as Ilhas Bermudas, começaram a oferecer visto para trabalhadores remotos.

Problemas no home office?

A maioria das empresas -- e dos funcionários -- aprovou a experiência do trabalho remoto. No entanto, segundo pesquisa da Cia de Talentos, 75% da empresas não pretendem manter esta prática após este período, ou a limitarão a até 25% do seu quadro.

Um dos motivos é que 9 a cada 10 empresas se preocupam com a segurança das informações sigilosas da organização. Outro desafio exposto foi a falta de educação comportamental dos profissionais para lidarem com os compromissos profissionais sem uma gestão próxima.

Trabalhar em casa pode ser bom por diversas razões, mas nem sempre é fácil. Algumas dificuldades do home office foram abordadas no primeiro episódio do Entre Trampos e Barrancos, nosso recém-lançado podcast. Ouça:

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também