Com iPhone 12, Apple posiciona smartphone como seu videogame portátil

Os novos iPhones contam com os processadores gráficos mais poderosos do mercado de smartphones

O iPhone 12, anunciado hoje pela americana Apple, não é mais somente um smartphone, mas um videogame portátil que funciona, também, como um celular topo de linha. O aparelho tem um novo chip de processamento gráfico (GPU, na sigla em inglês) que a fabricante promete oferecer desempenho 50% superior ao de qualquer outro smartphone do mercado.

Ou seja, ele seria melhor do que o Adreno 650 GPU, da Qualcomm, que funciona em aparelhos como o rival Galaxy Note 20 Ultra (em alguns mercados, mas não no Brasil).

Reforçando a vocação do iPhone 12 para games, até o final do ano, o jogo League of Legends estará disponível no aparelho.

No mundo dos consoles, a Sony vendeu 112,9 milhões de unidades do PlayStation 4, a Nintendo vendeu 63,4 milhões de unidades do Switch, e a Microsoft vendeu 48,2 milhões de unidades do Xbox One, segundo dados até agosto de 2020. Só no segundo trimestre de 2020, a Apple vendeu 38 milhões de iPhones, segundo a consultoria chinesa Counterpoint Research.

O número de jogadores e a receita dos jogos para celular não para de crescer. Em 2020, o faturamento do setor atingirá 55,3 bilhões de dólares, um salto de 12,8%, se comparado aos 49 bilhões de dólares de 2019.

O número de jogadores em 2020 irá totalizar 1,57 bilhão, 14,9% a mais do que no ano passado, segundo a consultoria alemã Statista. Cada jogador gasta, em média, 35,17 dólares por ano em jogos para celular. A maior parte dos jogadores (36%) tem idades entre 25 e 34 anos. Não à toa, a startup brasileira Wildlife, dedicada exclusivamente a jogos para smartphones, já vale mais de 3 bilhões de dólares mesmo apenas 9 anos após sua fundação.

A Apple está no centro de um debate global sobre a restrição de rentabilização de jogos para celulares. A empresa está em uma batalha judicial contra o jogo Fortnite, da Epic Games, que tentou introduzir um sistema de pagamentos que infringia a regra de pagamento de 30% por vendas viabilizadas pela App Store do iPhone.

A Tencent, empresa chinesa responsável pelo aplicativo, detém 40% da Epic Games e a disputa é mais um capítulo da guerra comercial entre Estados Unidos e China, assim como as contantes ameaças de banimento do aplicativo de vídeos curtos TikTok, da Bytedance.

Como um todo, o mercado de games global já fatura mais anualmente do que o cinema – especialmente em 2020, quando o setor teve uma grande queda devido à quarentena do novo coronavírus. Com a Apple se voltando mais ao setor de serviços e assinaturas, como a do streaming de games Apple Arcade, os jogos estão no centro da estratégia da empresa mais valiosa do mundo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.