Negócios
Acompanhe:

Quem é o millennial mais rico da Europa

Com 30 anos, executivo também ocupa a quarta colocação entre os millennials globais, segundo a Bloomberg

Mark Mateschitz é filho de Dietrich Mateschitz, cofundador da Red Bull que morreu em outubro de 2022 (ATPImages/Getty Images)

Mark Mateschitz é filho de Dietrich Mateschitz, cofundador da Red Bull que morreu em outubro de 2022 (ATPImages/Getty Images)

M
Marcos Bonfim

4 de janeiro de 2023, 20h10

Com uma fortuna estimada em US$ 16,2 bilhões e ocupando a 94ª posição no ranking de bilionários da Bloomberg, Mark Mateschitz é considerado o millennial mais rico da Europa.

Ele também ocupa a quarta colocação entre os millennials globais. Fica atrás apenas de Zhang Yiming, fundador da ByteDance, dono do TikTok, com US$ 54,9 bilhões, Mark Zuckerberg, fundador de Meta, US$ 47,2 bilhões, e Lukas Walton, herdeiro do Walmart, US$ 22,4 bilhões.

Ele assumiu essa posição a partir de um evento trágico na família. Mateschitz, de 30 anos, é filho de Dietrich Mateschitz, cofundador da Red Bull que morreu em outubro de 2022 aos 78 anos.

Mateschitz pai descobriu as bebidas energéticas nos anos 1980, em viagens para a Ásia como executivo da empresa alemã de higiene Blendax.

Em 1987, ele fundou uma empresa em sociedade com o empresário tailandês Chaleo Yoovidhya, inovando ao carbonatar as bebidas energéticas e vendê-las em latas. Até hoje, o filho do empresário tailandês é dono de metade da Red Bull — Chaleo faleceu em 2012.

Quem é Mark Mateschitz

Dietrich Mateschitz, considerado um gênio do marketing pelo que fez com a marca Red Bull, era conhecido por ser discreto e avesso a entrevistas, características que Mark parece ter herdado do pai.

Pouco se sabe sobre o jovem ou seus gostos, que por um bom tempo usou o sobrenome da mãe. Só após se formar em administração de empresas, Mark adotou o Mateschitz.

Antes de herdar 49% das ações da Red Bull, o jovem executivo comandou a operação por cerca de quatro anos da Thalheimer Heilwasser, empresa de refrigerantes, água e cerveja do grupo Red Bull, e em 2021 passou a liderar a gestora Mark Mateschitz Beteiligungs. Entre os ativos, a empresa detém 34% da Taurea, negócio que controla diversas propriedades do conglomerado.

Em uma de suas principais atitudes após a morte do pai, que ocupava a posição de CEO da Red Bull, Mark definiu como seria a nova estrutura da empresa e comunicou, em carta, aos funcionários. A ação foi tomada em acordo com os parceiros tailandeses, donos de 51% da companhia.

Os negócios serão comandados por três executivos:

  • Franz Watzlawick (CEO da área de bebidas)
  • Alexander Kirchmayr (CFO)
  • Oliver Mintzlaff (CEO de projetos corporativos e investimentos)

“Franz, Alexander e Oliver são nossa equipe dos sonhos. Fico muito feliz em ver que eles irão assumir essa responsabilidade", escreveu. Segundo o executivo, esse era o desejo do pai.

Em 2021, a Red Bull faturou € 7,8 bilhões, com 9,8 bilhões de latinhas vendidas.

Ao longo do tempo, a marca criou uma associação muito forte com esportes, desde os de aventura até os mais tradicionais. Entre os destaques está a participação na F1, competição em que conquistou quatro títulos com a Red Bull Racing — a empresa ainda é dona da Toro Rosso.

Leia também: