Invest

O que são dividendos e como lucrar com eles

Uma das principais estratégias de investimento é investir em ações e FIIs que pagam dividendos. Entenda o que são dividendos e como funcionam

 (	Virojt Changyencham/Getty Images)

( Virojt Changyencham/Getty Images)

EXAME Solutions
EXAME Solutions

EXAME Solutions

Publicado em 8 de outubro de 2023 às 10h11.

Última atualização em 8 de dezembro de 2023 às 13h38.

Com a inflação em níveis altos, o preço de quase tudo também sobe. Assim, embora a maioria dos brasileiros tenha cortado custos, vale considerar também a geração de renda passiva por meio de empresas que pagam dividendos.

Com a renda adicional das empresas que pagam dividendos mensais, os indivíduos podem investir em projetos pessoais e criar ou expandir as bases para sua acumulação de riqueza e independência financeira.

O que são dividendos?

Os dividendos são uma parcela do lucro das empresas que é distribuída aos seus acionistas, proporcionando a eles um rendimento extra

Então, quando uma empresa tem bons resultados ela distribui bons dividendos. Isso é um indicativo de que a companhia é bem administrada e pode ser uma opção de investimento interessante.

Qualquer investidor que compra uma ação ou um conjunto de ações está, na prática, se tornando sócio de uma empresa. Por ter aplicado parte de seu patrimônio na estrutura daquele negócio, o investidor passa a ter direito a receber parte dos lucros gerados em determinado período.

O cálculo do valor a ser distribuído é baseado no lucro líquido ajustado - ou seja, todo o ganho da empresa já subtraídos os impostos, despesas e eventuais provisões e vendas de ativos.

Essa é uma forma das empresas atraírem investidores, pois os dividendos permitem o recebimento de uma renda passiva - similar ao que acontece com quem é dono de um imóvel alugado, por exemplo.

Além disso, cabe lembrar que nem todas as empresas listadas na Bolsa de Valores conseguem pagar os dividendos. Mesmo para aquelas com bons históricos, não há garantia específica de pagamento. 

Isso porque a empresa que distribui os lucros pode aumentar o valor da distribuição, mas também reduzir ou até mesmo suspender o pagamento em caso de alteração em seus negócios.

Como funcionam os dividendos?

O pagamento de dividendos está sujeito à aprovação do conselho de administração de cada empresa, responsável por avaliar o crescimento, lucro, fluxo de caixa, força da indústria e formular a política de dividendos, determinar o valor, se houver, a ser distribuído aos acionistas.

Portanto, uma vez anunciada a distribuição de dividendos, o valor é determinado por ação e deve ser pago igualmente a todos os acionistas de uma mesma classe (ordinárias, preferenciais, etc.), detentores do ativo até determinada data, conhecida como Data-Com. 

É importante ressaltar que os investidores que adquirirem ações que pagam dividendos mensais após a Data-Com não terão direito aos proventos. Esta data após Data-Com é conhecida como Data-Ex.

Desse modo, podemos analisar o funcionamento dos dividendos da seguinte forma:

  • A empresa gera lucros;
  • O Conselho de Administração decide que uma parcela do excedente deve ser paga aos acionistas;
  • O Conselho de Administração aprova o pagamento de dividendos;
  • A empresa declara o pagamento de proventos, destacando o valor pago por ação, Data-Com, Data-Ex, e a data em que o dividendo será pago, observando a agenda de dividendos.
  • Os dividendos são recolhidos pelos acionistas.

O que é agenda dividendos?

Como mencionamos, as empresas podem pagar os dividendos em prazos diferentes. A periodicidade do pagamento será determinada, primeiro, pela aferição de lucro e, segundo, pelo que está descrito do estatuto da empresa.

Existem poucas empresas que distribuem dividendos mensalmente. A maioria o faz trimestralmente ou semestralmente. A data exata de crédito dos dividendos é determinada em assembleia.

A agenda de dividendos traz, além da data de pagamento do percentual de lucros, a data-limite para compra das ações para os investidores que quiserem receber dividendos ainda daquele exercício (a chamada data-ex).

O que é data-com e data-ex?

No contexto de investimentos e dividendos, "data-com" e "data-ex" são termos importantes que se referem às datas importantes relacionadas ao pagamento de dividendos por ações de uma empresa.

A data-com é a data em que um investidor precisa comprar ações de uma empresa para ser elegível para receber os dividendos declarados por essa empresa. Isso significa que, se você comprar ações antes da data-com, terá direito aos dividendos anunciados, mesmo que venda as ações após essa data.

A data-ex, por outro lado, é a data a partir da qual as ações compradas não conferem mais o direito aos dividendos declarados. Isso significa que, se você comprar ações na ou após a data-ex, não receberá os dividendos anunciados para esse período.

Essas datas são importantes para os investidores, pois determinam quando eles podem comprar ou vender ações e ainda assim ter direito aos dividendos.

Geralmente, a data-com é definida pela empresa, enquanto a data-ex é determinada pelas regras de negociação da bolsa de valores em que as ações são negociadas.

Quais ativos pagam dividendos?

Os ativos que pagam dividendos são geralmente ações de empresas de capital aberto que optam por distribuir parte de seus lucros aos acionistas.

Ações

Ações que pagam dividendos são, via de regra, aquelas de empresas maduras e estáveis, que geram lucros consistentes e têm uma política de dividendos estabelecida.

As empresas que pagam dividendos tendem a ser de setores como serviços públicos, telecomunicações, energia, finanças e consumo não cíclico (como alimentos e bebidas).

Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs)

Os Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs) podem pagar dividendos aos investidores com base nos rendimentos gerados pelos ativos imobiliários em seu portfólio.

Esses rendimentos geralmente vêm de aluguéis de imóveis ou ganhos de venda de propriedades. Os FIIs são obrigados a distribuir pelo menos 95% dos rendimentos aos cotistas regularmente, geralmente mensalmente ou trimestralmente.

Esses dividendos são uma das principais atrações dos FIIs, proporcionando aos investidores uma fonte de renda passiva. 

Exchange-Traded Funds (ETFs)

Os Exchange-Traded Funds (ETFs) brasileiros, que replicam índices de mercado, como o Ibovespa, não pagam dividendos diretamente aos investidores. Em vez disso, os dividendos recebidos pelas ações que compõem o índice são reinvestidos no ETF.

Os investidores podem, no entanto, receber rendimentos indiretos na forma de valorização do preço das cotas do ETF, refletindo o desempenho do mercado de ações brasileiro.

Como investir em empresas que pagam dividendos?

O investimento em dividendos é popular entre muitos tipos de investidores, especialmente aqueles que procuram um fluxo de renda confiável e constante, que possa crescer ao longo do tempo.

De forma simples, para receber dividendos, os investidores precisam deter ações da empresa por meio de uma corretora. No entanto, identificar os melhores ativos e sair de armadilhas é uma das maiores dificuldades que os investidores enfrentam.

Então, abaixo é possível encontrar algumas dicas de como investir em empresas que pagam dividendos de forma segura, inteligente e lucrativa.

Taxas para investir em dividendos?

Investir em dividendos no Brasil é uma estratégia atraente, pois os dividendos são isentos de tributação para pessoas físicas.

Isso significa que os investidores não precisam pagar imposto de renda sobre os valores recebidos como dividendos, o que aumenta o potencial de retorno dos investimentos em ações que distribuem lucros aos acionistas.

Em relação às taxas, o principal custo que os investidores podem enfrentar ao investir em ações que pagam dividendos é a taxa de corretagem.

As corretoras costumavam cobrar uma comissão por cada ordem de compra e venda de ações, mas nos últimos anos, muitas delas têm eliminado essa taxa, tornando mais acessível e econômico investir em ações.

Além disso, os investidores podem se deparar com custos de custódia mensais, que algumas corretoras cobram para manter os ativos sob sua guarda.

No entanto, muitas corretoras também isentam os investidores dessa taxa, especialmente para aqueles com um volume mínimo de investimento. Por isso, é importante buscar uma boa corretora para investir.

Ou seja: no geral, investir em ações que pagam dividendos no Brasil é uma estratégia vantajosa devido à isenção de impostos sobre os dividendos e à tendência das corretoras de reduzir ou eliminar as taxas de corretagem e custódia.

Como calcular os dividendos de uma ação?

O valor a ser recebido por cada investidor vai depender do número de ações que ele possui da empresa que distribui os dividendos. Quanto mais ações detiver, mais o investidor receberá.

Para calcular o valor exato a ser creditado, o investidor deverá acompanhar o que foi determinado pela assembleia da empresa. Caso a empresa tenha decidido pagar dividendos de 1 real por cada ação, um investidor que possui 20 ações receberá, portanto, 20 reais.

O pagamento do dividendo pode ser, ainda, definido por um percentual sobre o preço da ação. Supondo que uma empresa aprove o pagamento de dividendos no valor de 2% da ação e que cada papel custe 10 reais, o investidor que detém 10 ações receberá 20 reais.

Análise do Dividend yield

O Dividend yield é uma medida de quanto dinheiro uma empresa paga aos seus acionistas na forma de dividendos ao longo de um ano. Onde  a seguinte fórmula é utilizada: Dividend Yield = (Dividendo anual/Preço da ação) x 100, expressa em termos percentuais.

Portanto, os investidores que procuram gerar renda passiva regular de seus ativos tendem a analisar o Dividend yield para avaliar as oportunidades de investimento. 

É importante que os investidores busquem empresas bem estabelecidas no mercado e com pouco espaço para expansão. Essas empresas não precisam de capital adicional, então possuem um bom dividend yield, resultando em maiores lucros aos investidores

Como montar uma carteira de dividendos? Passo a passo

A primeira coisa a ser feita antes de montar uma carteira de dividendos é olhar para o dividend yield das empresas de interesse. Por mais que o dividend yield seja calculado com base na distribuição de lucros passada, ele pode ser um bom indicador de quais empresas são melhores pagadoras de dividendos.

Além disso, é importante que o próprio preço da ação seja considerado. Papeis caros demais podem ter valorização limitada ou podem levar mais tempo para prover o retorno necessário para cobrir o investimento inicial.

Montar uma carteira de dividendos é uma tarefa complexa, e por isso as corretoras e empresas de research (que analisam os ativos financeiros) costumam sugerir ao investidor uma seleção de empresas para essa carteira.

A carteira de dividendos é uma das principais formas de destinar parte do patrimônio para a renda passiva - ou seja, um valor que o investidor recebe de forma recorrente sem que tenha que necessariamente movimentar seu patrimônio.

Atenção às “armadilha de valor”

Rendimentos altos de dividendos nem sempre significam que essas empresas são atraentes. Para isso, é importante observar se elas não estão subavaliadas ou enfrentando desafios de negócios, onde a queda no preço de suas ações não seja acompanhada por um aumento em seus dividendos, criando uma “armadilha de valor”.

O perigo de uma “armadilha de valor” surge quando um investimento decide alocar seu capital em ativos que rendem muito dinheiro na perspectiva do pagamento de dividendos, mas o valor da ação continua caindo a um valor menor do que o investidor pagou por ele, resultando na perda de todo o capital, não recompensado pelo pagamento de dividendos.

No âmbito do pagamento de dividendos, os investidores devem evitar a todo o custo empresas com histórico de cortes de dividendos e tentar identificar empresas com consistência de distribuição.

Em suma, os investidores devem ser cautelosos com ações com rendimentos de dividendos mais altos e prestar mais atenção ao equilíbrio entre o rendimento de dividendos atual e o crescimento potencial.

Busque por diversificação

Tal como acontece com a maioria dos investimentos, as opiniões sobre como construir uma carteira de dividendos são conflitantes. Uma das principais razões tem a ver com a quantidade de ações que um investidor deve possuir e quais setores e tipos de empresa devem ser direcionados.

Embora não haja uma resposta perfeita, abaixo estão algumas diretrizes gerais que podem lhe ajudar a construir um portfólio de dividendos:

  • Inclua entre 10 e 20 ações de modo a reduzir o risco específico de cada empresa;
  • Mantenha uma proporcionalidade de posição;
  • Invista no máximo 25% do seu portfólio em um setor específico;
  • Tenho como alvo empresas maduras e com bom histórico de distribuição de dividendos.

Reinvista os dividendos

O poder dos dividendos reinvestidos é muitas vezes difícil de colocar em palavras, mas fácil de observar nos resultados de longo prazo. À medida que seus dividendos são reinvestidos, eles também compram ações adicionais, resultando em dividendos adicionais que também podem ser reinvestidos, ou seja, formando uma “bola de neve” de renda passiva. 

Em suma, o reinvestimento de dividendos acelera o processo de composição e ajuda a proteger os investidores da tentação de tentar cronometrar o mercado.

Busque por dividendos no exterior

Embora o mercado de capitais brasileiro tenha crescido no último ano, ele possui apenas uma pequena parcela do espaço de investimento global, deixando espaço para muitas oportunidades de investimento no exterior. 

Dessa forma, com um pouco de diligência, paciência e prática, os investidores podem alocar seus fundos em ações estrangeiras que pagam dividendos, como forma de aumentar os retornos.

No entanto, vale ressaltar que, diferentemente do Brasil, alguns países tributam a distribuição de dividendos, o que, na prática, pode afetar a remuneração dos  acionistas.

Contudo, é importante destacar que, diferentemente do Brasil, alguns países cobram impostos sobre empresas que pagam dividendos, o que, na prática, pode acabar por afetar a remuneração do acionista, sendo algo relevante a ser considerado pelo investidor.

Como viver de renda com dividendos?

Os dividendos podem ser uma estratégia interessante para a multiplicação do patrimônio. Por terem certa previsibilidade, eles são alvo de investidores que pretendem viver dos ganhos de suas aplicações financeiras.

Mas, afinal, é possível viver de dividendos? A resposta para essa pergunta depende muito do patrimônio aplicado em empresas que pagam dividendos e do grau de diversificação da carteira. No entanto, não é recomendável que o investidor construa sua estratégia de rendimentos recorrentes somente em dividendos.

Apesar de serem obrigadas a distribuir um valor mínimo de lucros, as empresas podem simplesmente não lucrar por questões diversas, como uma crise setorial ou econômica, ou até por decisões equivocadas dos administradores. São comuns casos de empresas que não registram lucro por meses seguidos.

Sendo assim, o investidor que contar mensalmente com os dividendos pode, eventualmente, ficar sem receber nada, caso as empresas da sua carteira não registrem lucro.

Top 10 ações que mais pagam dividendos no Brasil

As 10 ações abaixo são as que mais distribuem dividendos, de acordo com o seu dividend yield. 

No entanto, vale notar que o dividend yield é uma métrica que não deve ser usada individualmente, uma vez que pode distorcer resultados.

Para ter mais clareza sobre a distribuição de proventos, vale a pena usar uma calculadora de dividendos e entender, em termos práticos, quanto é possível lucrar com cada ação.

1. Petrobras (PETR4)

A Petrobras é uma das maiores empresas de petróleo e gás do Brasil. Ela tem uma longa história de pagamento de dividendos, embora o valor possa variar com base nas condições do mercado de petróleo e na política interna da empresa.

A porcentagem de dividend yield de 48% parece elevada e pode ser o resultado de um rendimento de dividendos temporariamente mais alto em relação ao preço das ações.

2. GPA (GPAR3)

O Grupo Pão de Açúcar (GPA) é uma das principais redes de varejo do Brasil, operando supermercados e lojas de eletrodomésticos.

O dividend yield de 36% é notável, mas é importante investigar a estabilidade da empresa e a sustentabilidade desse rendimento.

3. Sondotécnica Engenharia (SOND6)

A Sondotécnica Engenharia de Solos S.A. é uma empresa brasileira que atua no setor da engenharia, especializada em serviços relacionados ao estudo e análise de solos.

Seu dividend yield de 23% é notável e sugere uma política de distribuição de lucros generosa. Isso pode ser atraente para investidores em busca de renda passiva.

4. Marfrig Global Foods (MRFG4)

A Marfrig é uma empresa brasileira do setor de alimentos e carne. Seu dividend yield de 23% é notável e sugere uma política de distribuição de lucros relativamente generosa.

5. Companhia Siderúrgica Nacional (CSNA3)

A CSN é uma das principais empresas siderúrgicas do Brasil. Seu dividend yield de 22% pode refletir o desempenho recente do setor siderúrgico e a política de distribuição de lucros da empresa. 

6. CSN Mineração (CMIN3)

A CSN Mineração ocupa o posto de segunda maior exportadora de minério de ferro do Brasil, com um volume de reservas totalizando 3 bilhões de toneladas. Seu elevado dividendo de 21% atrai a atenção de muitos investidores.

7. Grendene (GRND3)

A Grendene é uma empresa brasileira do setor de calçados e é conhecida por suas marcas populares, como Melissa e Rider. Com um dividend yield de 19%, a empresa demonstra uma política de pagamento de dividendos relativamente sólida.

8. Unipar (UNIP6)

A Unipar é uma empresa do setor químico que atua em segmentos como cloro, soda cáustica e PVC. Seu dividend yield de 17% é atraente, sendo importante avaliar a demanda por produtos químicos no mercado.

9. Gerdau (GGBR4)

A Gerdau é uma das maiores empresas de siderurgia do Brasil. Com um dividend yield de 15%, a empresa está associada ao desempenho do setor siderúrgico e às flutuações nos preços das commodities.

10. Bicicletas Monark (BKMS3)

A empresa brasileira Bicicletas Monark S/A concentra-se principalmente na fabricação e venda de bicicletas. Ela disponibiliza seus produtos no mercado com a marca Monark. Seu dividend yield possui o elevado valor de 15%.

Acompanhe tudo sobre:DividendosAçõesGuia de InvestimentosMP_ML

Mais de Invest

Pressa e erros de digitação: equívocos ao comprar ações movimentam US$ 3,5 bi por dia nos EUA

Receita paga maior lote de restituição do Imposto de Renda 2024 esta semana; veja quem recebe

Ninguém acerta as seis dezenas do concuso 2729 da Mega-Sena e prêmio vai a R$ 75 milhões

Investidores da Tesla são aconselhados a votar contra bonificação de US$ 56 bi para Musk

Mais na Exame