Inteligência Artificial

O que o acordo OpenAI-Apple significa para Google e Microsoft

Corrida da inteligência artificial vai se intensificar após big techs firmarem parcerias; entenda

Tim Cook em evento que anunciou como a Apple terá ferramentas integradas ao ChatGPT

Tim Cook em evento que anunciou como a Apple terá ferramentas integradas ao ChatGPT

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 12 de junho de 2024 às 07h47.

Última atualização em 20 de junho de 2024 às 13h54.

O acordo da OpenAI com Apple está abalando o equilíbrio competitivo na corrida da inteligência artificial. A parceria, anunciada na segunda-feira, dá à startup um papel importante no esforço da Apple para levar a IA aos seus usuários. Ao mesmo tempo, a Apple rivaliza com a Microsoft, que também está tentando avançar na IA do consumidor.

Quem também ficou apreensivo com o acordo foi o Google, que há muito tempo paga à Apple bilhões de dólares por ano para ser sua ferramenta padrão para pesquisas na Internet.

O The Wall Street Journal mostrou como a parceria pode mudar alguns negócios de duas das mais poderosas big techs do mundo.

O que o acordo significa para a Microsoft

A Microsoft investiu mais de US$ 13 bilhões na OpenAI, o que representa essencialmente uma participação de 49% nos lucros de seu braço com fins lucrativos. Os recursos permitiram que a OpenAI desenvolvesse algumas das ferramentas de IA mais poderosas do mundo. A tecnologia da OpenAI ajudou a Microsoft a ultrapassar os rivais na corrida da IA.

Os termos da parceria, porém, permitem que ambas as partes façam acordos com outras empresas.

O acordo Apple levanta questões sobre em qual estado está a parceria OpenAI-Microsoft, que tipo de acesso exclusivo a Microsoft tem à tecnologia OpenAI e como o novo acordo moldará a ambição de longa data da Microsoft de desenvolver produtos de IA para o consumidor, segundo o WSJ.

A união da OpenAI e da Microsoft ajudou ambas as empresas a compensar o poder do Google, cuja força nas pesquisas e na IA ameaçava ambas. No ano passado, o CEO da Microsoft, Satya Nadella, disse a um jornalista que esperava que a pesquisa do Bing com tecnologia de IA finalmente fizesse o Google “dançar”.

A Microsoft tem trabalhado com novos parceiros de IA, não apenas com a OpenAI. No ano passado, fechou acordos com a Meta e a Mistral AI, ambas construindo sistemas de IA de código aberto. No início deste ano, Nadella contratou Mustafa Suleyman, um ex-executivo da DeepMind que dirigiu outra startup de IA, a Inflection, para liderar os esforços de IA do consumidor da Microsoft.

O que isso significa para o Google

O acordo poderia beneficiar a Microsoft ao criar uma barreira entre Apple e Google, o rival mais direto da Microsoft em IA. Desde 2003, a Apple tornou o Google o mecanismo de busca padrão em seu navegador Safari. A capacidade da Siri de redirecionar usuários para o ChatGPT para algumas pesquisas coloca o tráfego do Google em risco.

A versão do ChatGPT disponível para todos os usuários da Apple será a gratuita. No entanto, os usuários da Apple podem conectá-lo à sua assinatura premium do ChatGPT, que enviará dados para o OpenAI.

Enquanto isso, o Google está travando uma batalha com a OpenAI para desenvolver e vender sistemas de IA de última geração. O Google, no passado, irritou-se com os esforços da Apple para desviar os usuários de seu mecanismo de busca.

Acompanhe tudo sobre:AppleOpenAIGoogleMicrosoftInteligência artificial

Mais de Inteligência Artificial

General Motors reinicia operações de táxis autônomos da Cruise em três cidades dos EUA

Cohere, rival canadense da OpenAI, levanta US$ 500 milhões e atinge valorização de US$ 5,5 bilhões

Nvidia desenvolve chip antiembargo para China e em conformidade com controles de exportação dos EUA

5 teorias malucas para explicar o "Grande Apagão Cibernético"

Mais na Exame