Estudo mostra as doenças pré-existentes com maior risco para o coronavírus

A análise mostra que as doenças cardíacas estão ligadas à maior taxa de letalidade após o contágio

O Centro de Prevenção e Controle de Doenças da China elenca em um estudo as doenças pré-existentes, também chamadas de comorbidades, com maior risco de morte para pessoas que contraírem a covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

O grupo de maior risco é o das pessoas com problemas cardíacos, seguido pelos diabéticos. As pessoas que têm problemas no sistema respiratório aparecem em terceiro lugar.

Até 50% das pessoas diagnosticadas com a covid-19 na China tinham comorbidades, o que eleva o risco da doença e, em alguns casos, torna necessária a internação. Os idosos são o principal grupo de risco, com taxa de letalidade após o contágio de até 14%, em comparação com os 3% da média geral.

No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, o perfil das vítimas inclui pessoas com idades entre 30 e 90 anos e com doenças como, em ordem decrescente, cardiopatia, diabetes, pneumopatia, doença renal crônica e imunodepressão.

As mulheres não só morrem menos no Brasil por causa do novo coronavírus, o que confirma uma tendência global, como também contraem menos a covid-19. Entre os infectados, 42% são mulheres e 58% são homens.

Veja, abaixo, as taxas de letalidade para pacientes com comorbidades em face da infecção pelo novo coronavírus.

– Câncer: 5,6%
– Hipertensão: 6%
– Doença respiratória crônica: 6,3%
– Diabetes: 7,3%
– Doença cardiovascular: 10,5%

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.