Sou ministro da Saúde, não sou censor do presidente, diz Queiroga à CPI

Ministro da Saúde é questionado sobre a autonomia à frente da pasta e sobre o "gabinete paralelo" que assessoraria Bolsonaro em assuntos relacionados à pandemia

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

Ouvido pela primeira vez há mais de um mês, em 6 de maio, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, depõe neste momento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid nesta terça-feira, 8. Os senadores devem questioná-lo sobre inconsistências nas declarações e sobre novas informações obtidas pelo colegiado.

Acompanhe ao vivo

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, repete a fórmula usada na primeira oitiva à comissão e se esquiva de avaliar as atitudes do presidente Jair Bolsonaro que contrariam medidas de enfrentamento à covid-19, como uso de máscara e distanciamento social. Em resposta ao relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), Queiroga afirmou não ser "censor" do presidente da República. Renan havia mostrado anteriormente um vídeo com episódios de aglomerações provocadas por Bolsonaro, chamando Queiroga de "omisso" pelo fato de o presidente continuar promovendo essas situações.

O ministro da Saúde disse já ter falado com o presidente sobre o assunto. Quando questionado o que o mandatário teria falado nesses encontros, Queiroga disse apenas que, em sua presença, Bolsonaro usa máscara "na grande maioria das vezes". O titular da Saúde afirmou também que orienta o presidente sobre essas questões. "Evidente que sim. Já informei que conversei com o presidente sobre esse assunto", disse ele.

"É um ato individual. As imagens falam por si só, estou aqui como ministro para ajudar o País, e não vou fazer juízo de valor a respeito da conduta do presidente da República", afirmou Queiroga, que disse ainda que as recomendações sanitárias "estão postas" e que cabe "a todos" aderir a essas medidas.

Expectativa do depoimento

Os senadores Humberto Costa (PT-PE) e Tasso Jereissati (PSDB-CE) apresentaram requerimentos para chamar Queiroga novamente. O primeiro argumenta que o depoimento anterior “foi lacônico em muitos aspectos, inclusive e sobretudo porque alegou estar há poucos dias na condição de ministro da Saúde”. 

O ministro, segundo Costa, “foi contraditório em diversos aspectos”. Um deles teria sido quando Queiroga disse que não houve indicação do uso da cloroquina para tratamento da covid-19 durante a gestão dele. O ministério, entretanto, ainda não revogou uma portaria que orienta o uso da medicação, “mesmo sabendo-se que ela não possui eficácia”.

No primeiro depoimento, Queiroga garantiu ter autonomia para gerir a pasta, o que vai de encontro com outros depoimentos, como dos ex-ministros Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, que estiveram à frente do ministério antes dele. A pressão do presidente Jair Bolsonaro pelo uso da cloroquina influenciou a saída dos dois.

Para senadores, uma situação que evidenciou a falta de autonomia do ministro foi a saída da infectologista Luana Araújo do governo, em maio, 10 dias depois de ela ter sido indicada para o cargo de secretária extraordinária de enfrentamento à covid-19 pelo próprio Queiroga.

Em depoimento à CPI, a médica disse que Queiroga entrou em contato com ela e informou que o nome não teria sido aprovado. Nos dias anteriores, saíram na imprensa matérias que mostravam que ela tem posicionamentos diferentes dos de Jair Bolsonaro sobre assuntos relacionados à pandemia.

A médica, por exemplo, critica fortemente o uso de medicamentos sem eficácia comprovada para o tratamento de covid-19, afirma que imunidade de rebanho sem vacina é “impossível” e defende o uso de máscaras e o distanciamento social para evitar a propagação da doença.

Já Tasso Jereissati aponta, no requerimento em que pede a reconvocação de Queiroga, que, embora o ministro tenha dito à CPI que recomenda distanciamento social e uso de máscara para evitar a disseminação do vírus, o presidente Jair Bolsonaro continua se posicionando em sentido contrário. 

Por isso, Queiroga deve ser chamado a “esclarecer que procedimentos legais ou administrativos sob seu alcance deveriam ser tomados a fim de fazer valer suas determinações”, afirma Jereissati. 

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importante em tempo real.

Com informações do Estadão Conteúdo

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.