Acompanhe:

Tratamento precoce é "discussão delirante e esdrúxula", diz Luana Araújo

Ex-secretária do Ministério da Saúde criticou defesa da cloroquina para covid-19 e disse que pessoas "que têm vontade de mudar o país" não querem trabalhar no ministério

Modo escuro

Continua após a publicidade
Luana Araújo, ex-secretária do Ministério da Saúde, na CPI da Covid (Jefferson Rudy/Agência Senado)

Luana Araújo, ex-secretária do Ministério da Saúde, na CPI da Covid (Jefferson Rudy/Agência Senado)

A
Alessandra Azevedo, de Brasília

Publicado em 2 de junho de 2021 às, 11h35.

Última atualização em 2 de junho de 2021 às, 12h11.

Em depoimento à CPI da Covid, nesta quarta-feira, 2, a médica infectologista Luana Araújo, ex-secretária extraordinária de enfrentamento à covid-19 do Ministério da Saúde, classificou a discussão sobre tratamento precoce como “delirante, esdrúxula, anacrônica e contraproducente”.

Para Luana, "é como se a gente estivesse escolhendo de que borda da terra plana a gente vai pular”. Esse tipo de discussão, na opinião dela, "não tem lógica" e mostra que o país está "na vanguarda da estupidez mundial", por discutir "uma coisa que não tem cabimento".

"A gente precisa desenvolver soluções, estratégias claras, adaptadas ao nosso povo", continuou a ex-secretária. "Em vez de fazer isso, estamos aqui discutindo algo que é um ponto pacificado no mundo inteiro. Esse que é o perigo da nossa fragilidade e da nossa arrogância", acrescentou.

Luana disse que tratamento precoce não foi sequer um assunto discutido com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, nos 10 dias em que ela esteve na secretaria. O chefe da pasta, segundo ela, a recebeu bem e tinha uma postura técnica e proativa, assim como os poucos técnicos com quem teve contato.

Perguntada pelo relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), se Queiroga concorda com a visão dela sobre o tratamento precoce, Luana disse que "isso não foi nem uma discussão" durante o tempo em que esteve na pasta. "Nunca parei para sentar e discutir isso com o ministro. Nossa discussão é em outro nível", respondeu. 

Luana negou ter sofrido qualquer tipo de resistência no ministério. "Tive contato direto apenas com o ministro e poucos secretários, e todos foram muito solícitos", disse. Perguntada se trouxe alguém de fora para trabalhar na secretaria, ela apontou dificuldades pela falta de vontade de bons especialistas.

A médica ressaltou que "temos cérebros incríveis no país", mas que não se interessam em ingressar no ministério. "Vocês acham que as pessoas que, de fato, têm vontade de mudar o país se sentem compelidas a aceitar o desafio? Não se sentem. Infelizmente, a gente está perdendo", disse.

"Infelizmente, por essa polarização esdrúxula, essa politização incabível, os maiores talentos que a gente tem para trabalhar nessas áreas não estavam à disposição. Não queriam trabalhar"

Luana Araújo

Demissão

Indicada por Queiroga em 12 de maio, Luana teve a nomeação cancelada 10 dias depois. Ao ser questionada sobre o motivo, ela disse que não teve nenhuma informação. "Eu também gostaria de saber. Honestamente, não me foi comunicada qual foi a razão pela qual minha nomeação não foi aprovada", afirmou.

Segundo Luana, Queiroga entrou em contato com ela e informou que o nome não teria sido aprovado. Nos dias anteriores, saíram na imprensa matérias que mostravam que ela tem posicionamentos diferentes dos que defende o presidente Jair Bolsonaro sobre assuntos como uso de cloroquina para covid-19.

Entre outros problemas, divergências com o presidente sobre esse assunto levaram à demissão dos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. No caso de Luana, não ficou clara a relação. "O que eu sei é que houve essa confusão toda de  imprensa, eu estava trabalhando e minha nomeação não saiu", disse Luana.

"Se o veto a meu nome foi por conta da minha posição científica, técnica, necessária para exercer esse cargo, a mim só resta lamentar. Não sei se foi isso, mas, se foi, considero extremamente trágico"

Luana Araújo

"Agora, quem pode esclarecer isso melhor não sou eu", disse a ex-secretária. "Simplesmente fui comunicada de que, infelizmente, essa nomeação não sairia. Agradeci, peguei minhas coisas e voltei pra Belo Horizonte", contou.

Ameaças

Luana afirmou que sofre ameaças pelo posicionamento científico desde o começo da pandemia, assim como outros infectologistas. "De 'não saiam de casa' a 'tomara que você e sua mãe morram'", contou. Para ela, essas manifestações são "extremamente lamentáveis", principalmente pela "perda da oportunidade de educação".

Luana contou que desenvolveu um site para explicar à população, de forma clara, questões científicas sobre a pandemia. "Explicar qual é a diferença de um vírus e uma bactéria, por exemplo. Elas [as pessoas] começam a entender por que não existe papel de uso de antibiótico para tratamento de infecção viral", disse.

 

Acompanhe ao vivo:

 

 

 

Últimas Notícias

Ver mais
Zema, Leite e Ratinho Jr. apoiam proposta pelo fim da reeleição discutida no Senado
Brasil

Zema, Leite e Ratinho Jr. apoiam proposta pelo fim da reeleição discutida no Senado

Há 10 horas

Ministério da Saúde revoga nota sobre aborto legal
Brasil

Ministério da Saúde revoga nota sobre aborto legal

Há 2 dias

Jaques Wagner: desoneração de municípios não é um assunto tão maduro quanto dos setores
Economia

Jaques Wagner: desoneração de municípios não é um assunto tão maduro quanto dos setores

Há 2 dias

Gripe: Ministério da Saúde antecipa vacinação para final de março; saiba quem pode se vacinar
Brasil

Gripe: Ministério da Saúde antecipa vacinação para final de março; saiba quem pode se vacinar

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais