Tratamento precoce é "discussão delirante e esdrúxula", diz Luana Araújo

Ex-secretária do Ministério da Saúde criticou defesa da cloroquina para covid-19 e disse que pessoas "que têm vontade de mudar o país" não querem trabalhar no ministério

Em depoimento à CPI da Covid, nesta quarta-feira, 2, a médica infectologista Luana Araújo, ex-secretária extraordinária de enfrentamento à covid-19 do Ministério da Saúde, classificou a discussão sobre tratamento precoce como “delirante, esdrúxula, anacrônica e contraproducente”.

Para Luana, "é como se a gente estivesse escolhendo de que borda da terra plana a gente vai pular”. Esse tipo de discussão, na opinião dela, "não tem lógica" e mostra que o país está "na vanguarda da estupidez mundial", por discutir "uma coisa que não tem cabimento".

"A gente precisa desenvolver soluções, estratégias claras, adaptadas ao nosso povo", continuou a ex-secretária. "Em vez de fazer isso, estamos aqui discutindo algo que é um ponto pacificado no mundo inteiro. Esse que é o perigo da nossa fragilidade e da nossa arrogância", acrescentou.

Luana disse que tratamento precoce não foi sequer um assunto discutido com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, nos 10 dias em que ela esteve na secretaria. O chefe da pasta, segundo ela, a recebeu bem e tinha uma postura técnica e proativa, assim como os poucos técnicos com quem teve contato.

Perguntada pelo relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), se Queiroga concorda com a visão dela sobre o tratamento precoce, Luana disse que "isso não foi nem uma discussão" durante o tempo em que esteve na pasta. "Nunca parei para sentar e discutir isso com o ministro. Nossa discussão é em outro nível", respondeu. 

Luana negou ter sofrido qualquer tipo de resistência no ministério. "Tive contato direto apenas com o ministro e poucos secretários, e todos foram muito solícitos", disse. Perguntada se trouxe alguém de fora para trabalhar na secretaria, ela apontou dificuldades pela falta de vontade de bons especialistas.

A médica ressaltou que "temos cérebros incríveis no país", mas que não se interessam em ingressar no ministério. "Vocês acham que as pessoas que, de fato, têm vontade de mudar o país se sentem compelidas a aceitar o desafio? Não se sentem. Infelizmente, a gente está perdendo", disse.

"Infelizmente, por essa polarização esdrúxula, essa politização incabível, os maiores talentos que a gente tem para trabalhar nessas áreas não estavam à disposição. Não queriam trabalhar"

Luana Araújo

Demissão

Indicada por Queiroga em 12 de maio, Luana teve a nomeação cancelada 10 dias depois. Ao ser questionada sobre o motivo, ela disse que não teve nenhuma informação. "Eu também gostaria de saber. Honestamente, não me foi comunicada qual foi a razão pela qual minha nomeação não foi aprovada", afirmou.

Segundo Luana, Queiroga entrou em contato com ela e informou que o nome não teria sido aprovado. Nos dias anteriores, saíram na imprensa matérias que mostravam que ela tem posicionamentos diferentes dos que defende o presidente Jair Bolsonaro sobre assuntos como uso de cloroquina para covid-19.

Entre outros problemas, divergências com o presidente sobre esse assunto levaram à demissão dos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. No caso de Luana, não ficou clara a relação. "O que eu sei é que houve essa confusão toda de  imprensa, eu estava trabalhando e minha nomeação não saiu", disse Luana.

"Se o veto a meu nome foi por conta da minha posição científica, técnica, necessária para exercer esse cargo, a mim só resta lamentar. Não sei se foi isso, mas, se foi, considero extremamente trágico"

Luana Araújo

"Agora, quem pode esclarecer isso melhor não sou eu", disse a ex-secretária. "Simplesmente fui comunicada de que, infelizmente, essa nomeação não sairia. Agradeci, peguei minhas coisas e voltei pra Belo Horizonte", contou.

Ameaças

Luana afirmou que sofre ameaças pelo posicionamento científico desde o começo da pandemia, assim como outros infectologistas. "De 'não saiam de casa' a 'tomara que você e sua mãe morram'", contou. Para ela, essas manifestações são "extremamente lamentáveis", principalmente pela "perda da oportunidade de educação".

Luana contou que desenvolveu um site para explicar à população, de forma clara, questões científicas sobre a pandemia. "Explicar qual é a diferença de um vírus e uma bactéria, por exemplo. Elas [as pessoas] começam a entender por que não existe papel de uso de antibiótico para tratamento de infecção viral", disse.

 

Acompanhe ao vivo:

 

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também