Contra isolamento, Marina faz seu próprio horário eleitoral

Assim como o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), a ex-senadora sofre para fechar acordos.

Enquanto fervem as reuniões de formação das coligações para as eleições, a ex-senadora Marina Silva (Rede), uma das líderes nas pesquisas, ainda não mostrou seu plano para fortalecer a chapa. Sem aliados, a candidatura está fadada a ter tempo mínimo na TV e poucos cabos eleitorais nos rincões do Brasil para manter os quase 15% de intenções de voto que mostrou nas pesquisas recentes. Nesta quinta-feira, ela tenta driblar os problemas com mais uma transmissão ao vivo pelas redes sociais com seu próprio “horário eleitoral gratuito”.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Assim como o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), a ex-senadora sofre para fechar acordos. Seu “diferencial” será tentar compor uma chapa  com vice-presidente estrelado. O nome dos sonhos é do doutor em economia Ricardo Paes de Barros, um dos mais renomados especialistas em desigualdade social do país. A bandeira atenderia ao desejo de “aliança programática” que Marina tanto bate na tecla, mas não lhe daria capilaridade alguma para espalhar suas ideias.

Na outra ponta — daqueles com estrutura eleitoral, mas sem grande sucesso de público —, a coligação de Geraldo Alckmin (PSDB) deve ser oficializada nesta quinta-feira sem o nome de um vice-presidente. Ontem o partido fechou com mais um aliado de peso, o DEM. Josué Alencar (PR-MG) pulou fora e o ex-ministro Mendonça Filho (DEM-PE) aparece como favorito. A esperança é de que o ex-governador de São Paulo se aproveite da estrutura do DEM no Nordeste, região que é o calcanhar de Aquiles do tucano.

O PT, que nem o cabeça de chapa tem definido, também faz ofensiva nesta quinta-feira em busca do PSB. A tentativa é de esvaziar Ciro Gomes (PDT), que estava próximo de fechar a parceria. Se perder o braço-de-ferro, o pedetista será mais um dos isolados na campanha. Terá de apelar, como Marina, aos meios criativos de campanha e torcer para dar certo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.