Após fracasso nas urnas, PSDB tem reunião para repensar futuro

Expulsão de 17 tucanos, anunciada ontem, transforma reunião sobre posicionamento no segundo turno num fórum sobre o futuro da sigla

Depois de amargar seu pior desempenho na história em uma eleição presidencial, o PSDB se reúne nesta terça-feira (9), em Brasília, para definir o que fazer no segundo turno do qual o partido, pela primeira vez desde 2002, foi alijado (o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso venceu no primeiro turno em 1994 e 1998).

O candidato tucano Geraldo Alckmin ficou em quarto lugar na disputa pelo Palácio do Planalto, com menos de 5% dos votos válidos. Até aqui a pior votação tucana foi com Mário Covas, que também ficou em quarto lugar, em 1989, mas com 11,5% dos votos.

“A Executiva Nacional vai se reunir para fazer uma avaliação do processo eleitoral e tomar uma posição em relação ao segundo turno”, afirmou Alckmin na noite de domingo, após a apuração.

O partido não conquistou nenhum governo estadual já em primeiro turno e registrou uma das suas piores votações para o Congresso Nacional. Foram eleitos apenas 29 deputados tucanos, a nona maior bancada atrás de PT, PSL, PP, PSD, PSB, entre outros. Em 2014, o PSDB elegeu a terceira maior bancada da Câmara. No Senado, os números são um pouco melhores: o partido elegeu quatro candidatos e terá a segunda maior bancada no início da legislatura de 2019 com oito senadores, contando os que foram eleitos em 2014 e ainda têm mais quatro anos de mandato.

Apesar do fraco desempenho nacional, o PSDB é o partido com o maior número de candidatos ainda disputando um segundo turno: seis tucanos vão estar nas urnas no dia 28 de outubro —ante quatro do PDT, PSB e PSL— em São Paulo e Minas Gerais (os dois maiores colégios eleitorais do país) e ainda em Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Roraima e Rondônia. Vários desses tucanos já expressaram apoio a Bolsonaro, o que torna ainda mais urgente a decisão da Executiva.

A perspectiva, desde a semana passada, é que o partido libere seus quadros para apoiarem quem quiserem no segundo turno entre o petista Fernando Haddad e o capitão reformado Jair Bolsonaro (PSL). Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, Alckmin deve ficar neutro. Nesta segunda (8), citando nominalmente Alckmin, além de Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede), Haddad afirmou que quer “conversar com as forças democráticas do país”.

O tucano, que hoje preside a sigla, também já sofre pressão para deixar a presidência do PSDB. Segundo o jornal, uma ala do partido, ligada a João Doria, que disputa o segundo turno pelo governo de São Paulo com o ex-vice governador de Alckmin, Márcio França, prega que Alckmin coloque o cargo à disposição. Na avaliação dos aliados do ex-governador, se Doria vencer, o PSDB dará uma guinada à direita.

Ontem, o PSDB anunciou a expulsão do ex-governador paulista Alberto Goldman, crítico declarado do ex-prefeito de São Paulo, e de outros 16 integrantes por infidelidade partidária ao supostamente apoiarem Márcio França (PSB) na disputa com Doria pelo governo paulistano. A atitude transforma o encontro de hoje numa tensa reunião sobre o futuro da sigla.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.