Gigantes de tecnologia dos EUA perdem status de apostas seguras

O tempo de crescimento de vendas acelerado, aumento sem limites de emprego e preços de ações sempre em alta chegou ao fim no Vale do Silício
Elon Musk, fundador da SpaceX e CEO da Tesla: expoente do boom da tecnologia, Musk pode enfrentar, em breve, uma estagnação em seus negócios (JIM WATSON/Getty Images)
Elon Musk, fundador da SpaceX e CEO da Tesla: expoente do boom da tecnologia, Musk pode enfrentar, em breve, uma estagnação em seus negócios (JIM WATSON/Getty Images)
B
Bloomberg

Publicado em 06/06/2022 às 10:37.

Última atualização em 06/06/2022 às 10:55.

De Seattle ao Vale do Silício, emerge uma dura nova realidade no setor de tecnologia dos EUA: a era vertiginosa de crescimento de vendas acelerado, aumento sem limites de emprego e preços de ações sempre em alta chegou ao fim. 

O que surge em seu lugar é uma era de expectativas reduzidas, marcada por cortes de força de trabalho e queda nas contratações, projeções de crescimento menores e planos de expansão engavetados. O mal-estar prejudica o moral, afeta a capacidade do setor de atrair talentos e tem amplas implicações para o crescimento econômico e a inovação nos EUA.

Exemplos de um novo clima de negócios austero surgem diariamente no contexto de uma desaceleração econômica prolongada, uma guerra que se arrasta na Europa, taxas de juros e inflação crescentes e uma pandemia que se estende para seu terceiro ano.

Nas últimas duas semanas, uma série de grandes nomes se juntou aos anúncios negativos do setor.

VEJA TAMBÉM:

Fornecedora da Apple na China enfrenta protestos durante lockdown
Apple manterá produção de iPhone estável em mercado mais difícil
Como será o novo iPhone? Evento da Apple pode antecipar novidades
Mês do orgulho LGBTQIA+: Apple lança pulseiras em apoio à causa

O aplicativo de mídia social Snap em 23 de maio cortou previsões de vendas e lucro e disse que vai desacelerar as contratações. No dia seguinte, a Lyft disse que vai contratar menos pessoas e buscar outros cortes de custos. Dias depois, a Microsoft pisou no freio de contratações em várias divisões, e o aplicativo de entrega de compras Instacart disse que reduzirá os planos de contratação para reduzir os custos antes de uma oferta pública inicial.

Na semana passada, o CEO da Tesla, Elon Musk, disse a funcionários da fabricante de veículos elétricos que precisa reduzir sua força de trabalho assalariada em 10% e interromper as contratações em todo o mundo. A bolsa de criptomoedas Coinbase também disse que vai estender um congelamento de contratações e rescindir uma série de ofertas de emprego aceitas, citando condições de mercado.

Pronunciamentos igualmente sombrios já vinham sendo feitos há semanas. A Amazon disse que tem trabalhadores e espaço de armazenamento demais, e seus negócios estão sendo prejudicados por causa do rápido aumento dos custos. A Meta, controladora do Facebook, está diminuindo as despesas de contratação e redução, e o Twitter instituiu um congelamento de contratações e retirou algumas ofertas de emprego diante da aquisição planejada por Musk. A Apple alertou em abril que as restrições relacionadas a Covid na China reduzirão em até US$ 8 bilhões a receita no trimestre atual.

Essas ambições corporativas modestas representam uma mudança drástica de tom em um setor que parecia invulnerável e que oferecia a trabalhadores e investidores proteção contra a instabilidade da economia mais ampla.

“Já não são apostas seguras”, disse Tom Forte, analista de tecnologia da D.A. Davidson, sobre as gigantes de tecnologia. “Não são apostas seguras porque há uma série de coisas fundamentais trabalhando contra elas.”

O índice Nasdaq Composite perdeu um quarto de seu valor desde 19 de novembro, quando atingiu um recorde histórico. Isso mesmo levando em conta a recuperação de 5,8% do índice nas últimas duas semanas.