Facebook fecha trimestre com receita em alta e fatura US$ 26 bi

A empresa de Mark Zuckerberg teve altas também nos lucros e no número de usuários ativos na plataforma

O Facebook divulgou na tarde desta quarta-feira, 28, os resultados financeiros do primeiro trimestre de 2021. A empresa de Mark Zuckerberg terminou o trimestre com receita de 26,1 bilhões de dólares e lucro por ação de 3,30 dólares por papel.

A companhia de Menlo Park teve um crescimento de aproximadamente 47% da sua receita em comparação com o mesmo trimestre do ano passado, quando a empresa faturou 17,7 bilhões de dólares. Já o resultado líquido teve um crescimento de 91% em relação aos 4,9 bilhões de dólares do último ano, ficando em 9,4 bilhões de dólares.

A rede social conta com 1,8 bilhão de usuários que visitam a plataforma pelo menos uma vez por dia, mostrando um crescimento baixo de 4% em comparação com o ano anterior, quando o número de pessoas ativas diariamente ficou por volta de 1,73 bilhões.

Já os usuários mensais também não tiveram um grande aumento, alcançando 2,8 bilhões. Em comparação com o trimestre anterior, com 2,6 bilhões de usuários, houve um crescimento de 7,6%. Vale ressaltar que os números são exclusivos para quem tem conta no Facebook, não incluindo o Instagram e o WhatsApp, por exemplo.

O lucro por ação em 3,30 dólares evidencia uma alta de aproximadamente 93% em contraste com os 1,71 dólares do ano anterior.

Expectativas para o futuro

Durante o anúncio dos resultados financeiros, Mark Zuckerberg disse que a empresa irá apostar ainda mais na realidade aumentada no futuro com a sua subsdiária Oculus. "Ainda há um longo caminho a percorrer, mas o feedback que estamos recebendo de nosso produto está nos dando mais confiança de que nossas previsões acontecerão e que estamos nos concentrando nas áreas certas", afirmou.

Outro foco é o comércio eletrônico, especialmente na área de Marketplace no Facebook, que acumula 1 bilhão de usuários ativos mensais e 1 milhão de lojas ativas mensais. A ferramenta de pagamentos pelo WhatsApp, já aprovada na Índia e prestes a começar no Brasil, também foi ressaltada pelo CEO.

Por último, Zuckerberg disse que planeja "ser a melhor plataforma para criadores de conteúdo" ganharem dinheiro e que, em breve, um reprodutor de música será lançado dentro do aplicativo do Facebook graças a uma parceria com o Spotify.

Nos últimos meses, o Facebook buscou maneiras de replicar ferramentas de bate-papo em áudio para impedir a solidificação do Clubhouse como pioneiro do mercado. Um novo aplicativo da empresa, chamado de Hotline, está em fase teste e permitirá que usuários usem áudio e vídeo para conversar com o público ao criar salas de bate-papo, semelhante ao Instagram Live, também pertencente ao grupo

Em março, Mark Zuckerberg tentou acalmar o Congresso dos Estados Unidos, que discutiu o papel das plataformas digitais em disseminar desinformação na última semana, ao propor uma reforma na legislação norte-americana que cobra responsabilidade das redes sociais, mas que também antenha uma “imunidade” para as que têm mecanismos de controle corretos.

Vale lembrar que o início de 2021 foi marcado por uma invasão no Capitólio, em Washington, feita por admiradores do ex-presidente Donald Trump para tentar impedir a consolidação de Joe Biden como novo presidente do país. Uma parte da responsabilidade caiu nos ombros de redes sociais como o Facebook que, mesmo com monitoramento, ainda contava com grupos de extrema direita que ajudaram na organização do ato, assim como na rede social Parler.

Por último, outros fatores como o vazamento de dados de meio bilhão de usuários do Facebook, o fim do identificador nos smartphones da Apple, uma ferramenta essencial para a publicidade do Facebook, e também os planos de faturamento nos apps de mensagem entram em jogo.

Não perca as últimas tendências do mercado de tecnologia. Assine a EXAME.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.