Dados de meio bilhão de usuários do Facebook são vazados na internet

Dados como nomes, endereços de e-mail e números de telefone foram publicados na web; pesquisador diz que quem tem conta na rede social tem grandes chances de ter tido dados vazados

Dados de mais de meio bilhão de usuários do Facebook, como números de telefone, nomes, endereços de e-mail, localização e informações biográficas, como status de relacionamento, foram vazados na internet. Em alguns casos, a data de nascimento também foi vazada. As informações pessoais são de usuários da rede social em 106 países.

O vazamento foi descoberto pelo pesquisador de segurança digital israelense Alon Gal. Para ele, quem possui uma conta no Facebook tem grandes chances de ter tido dados vazados na web. O vazamento contém informações de 533 milhões de usuários da rede social.

O Brasil aparece na lista de países afetados no novo vazamento de informações pessoais de usuários do Facebook. Segundo o pesquisador, 8 milhões de contas tiveram dados compartilhados na internet.

Em nota para a EXAME, o Facebook Brasil informou o seguinte: “Estes dados são antigos e foram reportados em 2019, fruto de uma vulnerabilidade que encontramos e corrigimos em agosto daquele ano”.

Em 2019, um vazamento de informações do Facebook expôs dados de mais de 400 milhões de usuários do site.

Arthur Igreja, especialista em tecnologia, inovação e segurança digital, autor do livro “Conveniência é o Nome do Negócio” e professor convidado da FGV, diz que a rede social não aprendeu com os erros do passado, apesar de sempre se comprometer em melhorar. "Sempre se manifesta sobre que ‘será a última vez que ocorre’, porém, os fatos têm mostrado ao contrário. Claro, a empresa é líder, tem uma capacidade notável de coletar informações e, óbvio, que é muito visada, mas justamente por isso é que deveria ter mais responsabilidade em torno desse tema, que está em uma escala de prioridade muito alta tanto por parte dos anunciantes quanto usuário", afirmou Igreja para a EXAME. "Todo mundo está ciente de que o tema da segurança digital é crítico e tudo indica que o Facebook não está fazendo um trabalho adequado nesse aspecto."

Para o especialista, as pessoas precisam ficar atentas a golpes nos próximos meses e buscar reduzir a quantidade de informações fornecidas para redes sociais como o Facebook. "Imediatamente, os usuários devem verificar quais informações eles podem ocultar ou deixar de registrar. O cadastro do Facebook solicita muita informação. E na medida do possível, o usuário deve preencher o mínimo necessário", diz.

Podcast: Chegou a hora de sair das redes sociais?

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.