Menino é mordido por tubarão e perde parte da perna nos EUA

O garoto estava em um bote com seus pais e outros três irmãos quando mergulhou em um arrecife pouco profundo
Menino é mordido por tubarão e perde parte da perna nos EUA (AFP/AFP)
Menino é mordido por tubarão e perde parte da perna nos EUA (AFP/AFP)
A
AFP

Publicado em 17/08/2022 às 12:24.

Última atualização em 17/08/2022 às 13:07.

Um menino de 10 anos perdeu parte de uma perna após ser mordido por um tubarão enquanto mergulhava no fim de semana no arquipélago de Florida Keys, no sudeste dos Estados Unidos, informou sua família.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Jameson Reeder Jr. foi atacado pelo animal no sábado, 13, no arrecife de Looe Key, afirmou a Comissão de Conservação de Pesca e Vida Silvestre da Flórida em um comunicado.

De acordo com uma postagem no Facebook de seu tio Joshua Reeder, o menino havia se deslocado em um bote com seus pais e outros três irmãos, e estava mergulhando em um arrecife pouco profundo quando "recebeu uma forte mordida abaixo do joelho". Acredita-se que o ataque foi cometido por um tubarão-cabeça-chata de 2 metros e meio de comprimento.

O menino conseguiu se segurar em um flutuador e foi resgatado por seu pai, que fez um torniquete na perna ferida e sinalizou para outro barco mais rápido, que levou a família para terra firme.

Em seguida, Jameson foi levado de avião ao Miami Children's Hospital, onde uma equipe médica salvou sua vida, mas se viu obrigada a amputar sua perna abaixo do joelho.

"Ele já saiu da cirurgia e está descansando", escreveu o tio do menino.

LEIA TAMBÉM: Macaco é principal suspeito em caso envolvendo a polícia dos EUA; entenda

Embora chame a atenção o número mais alto de encontros com tubarões no litoral de Nova York neste verão boreal, o risco geral de ser mordido pelo animal continua sendo baixo.

As tendências globais se mantêm estáveis após um leve aumento de ataques nos últimos 30 anos, em parte devido ao aumento das atividades recreativas dos humanos e à recuperação das populações vulneráveis de tubarões.

Segundo o Museu da Flórida, no ano passado houve 73 ataques não provocados em todo o mundo, quase todos causados porque os tubarões confundiram os humanos com suas presas.

A maioria dos ataques nos Estados Unidos ocorre na costa atlântica da Flórida, lugar de águas agitadas e peixes dos quais diversas espécies de tubarões se alimentam.

LEIA TAMBÉM:

Elon Musk diz que vai comprar Manchester United e volta atrás; entenda

Anne Heche: vídeo mostra como ficou casa em que atriz bateu o carro; assista