Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Ainda presidente, Castello Branco defende Petrobras: "Preço não é caro e nem barato"

Em comentários após apresentação de resultados, o ainda presidente Roberto Castello Branco defendeu a política de preços que resultou em críticas por parte do governo Bolsonaro

Em apresentação na manhã desta quinta-feira sobre os resultados da Petrobras em 2020, o ainda presidente da estatal Roberto Castello Branco defendeu a política de preços com paridade internacional da empresa. 

O modelo, que levou a diversos aumentos nos preços dos combustíveis nas últimas semanas, fez com que a relação de Castello Branco e o presidente Jair Bolsonaro se desgastasse e Bolsonaro decidisse pela troca do comando da companhia. O indicado é o atual presidente da Itaipu Binacional Joaquim Silva e Luna.

Pelo menos em público, o governo não defende o fim da autonomia da Petrobras para precificar os combustíveis e decidiu agir via impostos. Tanto o diesel quanto o gás de cozinha terão impostos zerados de forma provisória, enquanto o governo procura uma alternativa definitiva.

A política de paridade internacional é defendida por analistas do mercado financeiro e pelo próprio conselho da companhia, que já afirmou estar comprometido em cobrar por essa política. 

O Conselho de Administração da Petrobras já aprovou uma assembleia que votará pela entrada de Joaquim Silva e Luna, mas o mandato de Roberto Castello Branco vai até o fim de março. 

Ainda sobre o preço dos combustíveis, o presidente da companhia disse que se surpreende pelo assunto ainda despertar tanta polêmica:

"É surpreendente no século 21 ainda falarmos disso. Os combustíveis são commodities. São cotados em dólar pela oferta e demanda. A experiência de fugir da paridade internacional a Petrobras já experimentou e viu que foi desastrosa, deu um prejuízo de 40 bilhões de reais. Preço não é caro e nem barato. Preço é preço do mercado"

Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras

O prejuízo a que o presidente se refere aconteceu durante os anos do governo da petista Dilma Rousseff, que forçou a empresa a usar seu caixa para compensar as altas nos combustíveis.

Roberto Castello Branco também defendeu a política porque a dívida da Petrobras é em dólar. Apesar de ter caído em 2020, como mostrou o balanço, ela ainda é considerada alta. Em 2019, a dívida bruta da companhia era de 87,1 bilhões de dólares e passou para 75,5 bilhões em 2020.

"Como se concilia obrigações em dólar com receita em reais se não fizermos a paridade?", questionou Castello Branco.

Sobre as críticas de que a Petrobras não é transparente na composição dos preços, o executivo afirma que a empresa já divulga o máximo do que pode ser divulgado. Além disso, é interesse da concorrência observar essa composição.

"Eu espero que chegue um dia em que o preço dos combustíveis deixe de ser relevante, como todos os outros preços da economia já são, até mesmo a taxa de juros do Banco Central".

Roberto da Cunha Castello Branc Presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco: em tom de despedia, executivo disse que torce para futuros gestores da companhia

Presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco: em tom de despedia, executivo disse que torce para futuros gestores da companhia (Patricia Monteiro/Bloomberg)

O presidente também afirmou que, na comparação com outros países, o Brasil não tem combustíveis caros.

Dados da Global Petrol Price desta quinta-feira colocam os preços da gasolina no Brasil apenas na 113º posição. Segundo o ranking, o local mais caro do mundo é Hong Kong. No caso do Diesel, dados desta quinta-feira, o país está em 130º lugar. 

Segundo o presidente, o Brasil não fica na lista dos países mais caros mesmo se o poder de compra da população entra na conta.

Com o objetivo de reduzir seu endividamento e focada na exploração de petróleo em águas profundas, a empresa vem se desfazendo de diversas frentes de negócios nos últimos dois anos, desde que o atual presidente, Roberto Castello Branco, assumiu a estatal.

Em 2019, a empresa abriu mão do controle da BR Distribuidora, uma das principais bandeiras de postos de gasolina do país. Diversos outros negócios estão na lista.

A atual gestão entende que a vocação da Petrobras é retirar petróleo de águas profundas, tecnologia que ela domina frente a outros países.

No relatório de resultados divulgado nesta quinta-feira, o presidente Castello Branco afirma que desde janeiro de 2019 foram concluídas 21 transações de vendas de ativos e 13 assinadas, que já geraram um montante de US$ 17 bilhões de entrada de caixa.

No momento, existem 50 ativos à venda em diferentes estágios em seus processos de desinvestimento, como refinarias.

Questionado sobre os planos futuros, inclusive sobre se o mercado ainda continua com interesse em comprar as refinarias, Castello Branco disse que não pode opinar sobre o que acontecerá, mas disse que torce para que as pessoas que ocuparão seu lugar façam uma boa gestão.

"Como brasileiro, cabe a mim torcer para que eles continuem num caminho virtuoso".

Resultados

A Petrobras registrou lucro de R$ 59,8 bilhões no quatro trimestre do ano passado e fechou o ano de 2020 no azul, com lucro líquido de R$ 7,1 bilhões. O resultado é contrário à expectativa de prejuízo esperado pelos especialistas. 

No ano, a receita foi de 272 bilhões de reais, com o último trimestre fechando em 74,9 bilhões.

Já o EBITDA foi de 112,8 bilhões de reais em 2020 e teve um resultado no 4º trimestre de 47 bi de reais.

A dívida líquida sobre o EBITDA caiu de 2,4 para 2,2 vezes. O indicador é importante para prever a capacidade da companhia de cumprir com seus compromissos financeiros, levando em conta seu EBITDA atual. Por ainda estar altamente endividada, o indicador é acompanhado de perto pelo mercado

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também