O clube da igualdade de gênero em Davos

ÀS SETE - Este ano, a composição da presidência do Fórum Econômico Mundial, em Davos, foi inusitada: todas as sete cadeiras são ocupadas por mulheres

A ativista e Nobel da Paz Malala Yousafzai sobe ao palco do Fórum Econômico Mundial, em Davos, para falar sobre sua jornada de luta para que a educação seja entendida como um direito básico de todas as meninas. Sua fala abre o evento nesta quinta-feira, às 6h do horário de Brasília, e deve dar o tom para os debates do dia.

Às 8h50, Malala participa de uma mesa intitulada “Criando um futuro compartilhado a partir da educação e do empoderamento”, discutindo basicamente o valor, para o desenvolvimento do potencial humano e econômico, da diversidade e das oportunidades iguais para todos. Também serão discutidas as habilidades que serão necessárias para o trabalho do futuro.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

A discussão sobre igualdade de gênero já havia sido levantada na terça-feira pelo primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau. Ele ressaltou a importância de contratar, promover e manter mulheres nas empresas e defendeu os movimentos de luta contra o assédio sexual #MeToo e Time’s Up!. Este ano, o Canadá está na presidência do G7, e Trudeau reiterou que avançar sobre o tema dos direitos das mulheres será a prioridade de sua gestão.

Este ano, porém, a composição da presidência do Fórum foi inusitada: todas as sete cadeiras são ocupadas por mulheres. É a primeira vez que isso acontece em 48 edições do evento. São elas: a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg; a diretora do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (Cern), Fabiola Gianotti; a diretoria da multinacional Engie, Isabelle Kocher; a secretária-geral da Confederação Internacional de União pelo Comércio (ITUC), Sharon Burrow; a diretora do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde; a presidente da empresa IBM, Ginni Rometty; e a fundadora da Fundação Mann Deshi, Chetna Sinha. Certamente, um avanço simbólico, mas ainda há muito a ser feito para que a igualdade de gênero esteja refletida nos salões de Davos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.