Mundo

Alemanha alerta risco de ataques terroristas semelhantes ao de Moscou

Ministra do interior e a agência de inteligência informaram sobre a possibilidade de ataque, enquanto o país sedia a Eurocopa

Primeiro-ministro da Alemanha, Olaf Scholz (Sean Gallup/Getty Images)

Primeiro-ministro da Alemanha, Olaf Scholz (Sean Gallup/Getty Images)

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 18 de junho de 2024 às 15h39.

Tudo sobreEuropa
Saiba mais

As autoridades da Alemanha alertaram nesta terça-feira, 18, para possível ameaça de um ataque terrorista semelhante ao ocorrido na casa de shows em Moscou, na Rússia, em março deste ano. O aviso é feito enquanto o país sedia a Eurocopa 2024, um evento que, para as autoridades, poderia ser um alvo atraente para jihadistas.

As informações foram divulgadas durante uma coletiva de imprensa dos principais órgãos de segurança da Alemanha para apresentar o relatório anual de segurança nacional.

“A Europa, e com ela a Alemanha, estão na mira de organizações jihadistas, especialmente Isis e Isis-K”, disse a ministra do interior alemã, Nancy Faeser. O segundo grupo mencionado pela ministra é o Estado Islâmico-Khorasan, braço afegão do grupo terrorista, que reivindicou a autoria do ataque na Rússia.

Na coletiva, o chefe da agência de inteligência da Alemanha (BfV), Thomas Haldenwang, classificou o Isis-K como o grupo terrorista "mais perigoso" atualmente. Ao destacar o relatório anual da BfV de 2023, ele explicou que a organização jihadista tem como foco "ataque contra infiéis no Ocidente, como um esforço para elevar sua relevância no Oriente Médio.

“Um possível cenário é um ataque coordenado em larga escala do tipo que vimos recentemente em Moscou”, enfatizou Haldenwang.

O chefe da inteligência alemã também afirmou que o grupo terrorista divulgou vários vídeos de propaganda que incentivam seus apoiadores a realizar ataques contra “alvos fáceis” na Europa.

Faeser e Haldenwang também salientaram que a ameaça do terrorismo islamista aumentou desde o ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro e a guerra subsequente na Faixa de Gaza, com grupos como o Isis-K incitando a violência contra Israel e judeus.

Para Faeser, o número de crimes antissemitas na Alemanha “explodiu” e há casos de pessoas com símbolos judaicos que são frequentemente insultadas ou atacadas em locais públicos.

Massacre em Moscou

Um grupo de homens armados invadiu o Crocus City Hall, um dos principais espaços de shows em Moscou, na Rússia, e abriu fogo contra os frequentadores. O ataque ocorreu na noite de 22 de março.

Ao menos 137 pessoas foram assassinadas e mais de 100 ficaram feridas, de acordo com informações da imprensa estatal russa, na época.

O braço afegão do grupo terrorista Estado Islâmico, Isis-K, reivindicou a responsabilidade pelo massacre. De acordo com a agência de notícias TASS, pessoas em uniformes táticos invadiram a casa de shows e abriram fogo antes de lançar uma granada ou uma bomba incendiária, provocando um incêndio.

Acompanhe tudo sobre:AlemanhaRússiaTerrorismoEstado Islâmico

Mais de Mundo

Cingapura é cidade mais segura para turistas; veja o ranking

A menos de uma semana das eleições, crise econômica da Venezuela é vista no interior do país

Israel, Ucrânia e Palestina vão participar das Olimpíadas de Paris?

Trump já doou para a campanha de Kamala Harris quando ela era procuradora-geral da Califórnia

Mais na Exame