Jerson Zanlorenzi: conheça o mercado de commodities

Commodities possuem grande correlação com a economia, dado que muitas são utilizadas como matérias-primas para construção civil, infraestrutura e materiais básicos
Jerson Zanlorenzi, responsável pela mesa de ações e derivativos do BTG Pactual digital e colunista da EXAME Invest | Foto: Divulgação (BTG Pactual digital/Divulgação)
Jerson Zanlorenzi, responsável pela mesa de ações e derivativos do BTG Pactual digital e colunista da EXAME Invest | Foto: Divulgação (BTG Pactual digital/Divulgação)
Por Jerson Zanlorenzi*Publicado em 27/07/2021 12:09 | Última atualização em 27/07/2021 12:28Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Para investir no Brasil é fundamental entender o mercado de commodities. Somos um país reconhecido mundialmente nesse mercado e a performance dos nossos ativos está muito correlacionada com as variações desses preços.

Podemos entender commodities como materiais que são produzidos em larga escala, possuem uma relevância global e são estocados em grande quantidade.

Uma importante característica do mercado de commodities agrícolas é a volatilidade gerada por fatores como o clima e o ciclo de plantio e colheita. Começando pelo segundo ponto, a oferta dessas mercadorias, em geral, se concentra em um único período do ano, conhecido como época de colheita. Como esses produtos são demandados ao longo de todo o ano, a oferta nos demais meses tem de ser suprida apenas com estoques.

As commodities possuem uma grande correlação com o crescimento das economias, dado que muitas são utilizadas como matérias-primas para construção civil, infraestrutura e materiais básicos. O Brasil é destaque nas agrícolas, como soja, milho, laranja, café etc.

Nas ações, o impacto das commodities pode ser visto de duas maneiras. Na primeira, a redução da demanda mundial resulta, geralmente, na queda do preço da commodity. Já a alta na demanda global traz, normalmente, o efeito contrário: aumento no preço.

Outra importância das commodities é que, muitas vezes, elas conseguem assegurar que o Brasil receba mais fluxo em dólares ao exportar do que a quantia gasta para importar. Isso resulta no superávit na balança comercial.

E como você investidor consegue acessar esse mercado?

É preciso entender que esses ativos são negociados na modalidade “Mercado Futuro” (e as principais commodities da B3 estão disponíveis no site da Bolsa de Valores).

O Mercado Futuro é um ambiente que ajuda a proteger produtores e compradores contra as oscilações – em operações conhecidas como hedge. Em uma explicação simples, o que ele faz é travar a cotação das commodities para o futuro.

Na prática, todos os dias ou no vencimento do contrato, se o preço estiver abaixo do contratado, o vendedor é que sai ganhando, pois terá lucrado com a venda. Se o preço estiver acima, quem ganha é quem comprou a commodity.

O investidor pode ainda comprar ações de empresas listadas que possuem como atividade explorar esse tipo de mercado, como Vale, Petrobras, JBS etc.

Uma dica é que os investimentos em commodities podem ser uma boa alternativa para se proteger da inflação, pois estão ligados ao nível de atividade econômica.

*Jerson Zanlorenzi é o responsável pela mesa de ações e derivativos do BTG Pactual Digital. Já foi estrategista de ações e trabalhou em fundos exclusivos. Com mais de dez anos de experiência no mercado financeiro, se especializou em renda variável e atuou em mesas relevantes no mercado local. Possui dupla graduação em Administração e Ciências Contábeis pelo IBMEC-RJ.