Future of Money

Quais criptos estão decepcionando no mercado de alta e o que vai acontecer com elas?

As criptomoedas enfrentam uma onda de máximas históricas e altas surpreendentes, mas algumas delas estão decepcionando investidores e especialistas; entenda

Sol é uma das criptomoedas para ficar de olho em março (Reprodução/Reprodução)

Sol é uma das criptomoedas para ficar de olho em março (Reprodução/Reprodução)

Mariana Maria Silva
Mariana Maria Silva

Repórter do Future of Money

Publicado em 4 de abril de 2024 às 17h30.

Última atualização em 4 de abril de 2024 às 18h00.

Desde o início de 2024, o bitcoin e as principais criptomoedas dispararam para novas máximas históricas. Até mesmo as inspiradas em memes voltaram a fazer sucesso e o sentimento do mercado encontrou o estado de “otimismo extremo”. No entanto, alguns ativos do setor estão decepcionando investidores e especialistas.

Seja por quedas, seja por movimentos de alta mais fracos do que o esperado, seja por falta de perspectivas otimistas no curto prazo, determinadas criptomoedas foram classificadas por especialistas ouvidos pela EXAME como as menos promissoras no momento.

  • O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

5 criptomoedas para não comprar agora

Fernando Pereira, analista da corretora cripto Bitget, apontou cinco criptomoedas para não comprar agora. Não porque sejam investimentos “ruins”, mas porque o especialista acredita em novas quedas para os criptoativos, que estão entre os maiores do mundo em valor de mercado.

“Assim como eu acredito em uma queda do bitcoin, acredito em uma queda de outras criptomoedas também, por isso neste momento não compraria nenhuma, mas esperaria para comprar após um recuo mais forte. Por isso vou indicar quais são as moedas mais atrativas e que mais devem recuar nas próximas semanas:

1. Chainlink (LINK)
2. Avalanche (AVAX)
3. Injective (INJ)
4. Polkadot (DOT)
5. Cardano (ADA)

Todas essas mostram uma divergência de preço semanal entre preço e IFR, o índice de força relativa, e podem sofrer forte desvalorização nas próximas semanas, além de serem excelentes projetos voltados para a Web3.

A divergência é o sinal vendedor mais forte do mercado, pois mostra que, conforme o preço de um ativo está subindo, mais vendedores entram no mercado, por isso vemos o gráfico de preços subindo e o gráfico de força relativa caindo.

Por terem gráficos e capitalizações de mercado parecidas, acredito que todas as moedas podem sofrer desvalorização de preço na faixa de 40% a 50% de sua máxima do ano”, explicou o analista.

O gigante que tem decepcionado no mercado de alta

O ether, criptomoeda nativa da rede Ethereum e segunda maior do mundo em valor de mercado, tem decepcionado especialistas que esperavam por uma aprovação de ETF de ether à vista nos EUA ainda neste semestre.

A criptomoeda, que tem valor de mercado de US$ 400,8 bilhões no momento e já subiu cerca de 46% desde o início de 2024, poderia ter apresentado uma performance ainda superior, segundo Lucas Osório, analista de research da Mynt, plataforma de criptoativos do BTG Pactual.

O ether vem tendo uma performance abaixo do que temos visto no resto do mercado nos últimos meses, especialmente devido à probabilidade de aprovarem os ETFs de ETH no mês de maio ser cada vez menor. Além disso, a rede da Solana vem ganhando destaque e atraindo muita liquidez com o lançamento de novos tokens e a febre das criptomoedas meme na rede”, disse Osório à EXAME.

“Enquanto isso, a Ethereum vem enfrentando um período de taxas muito altas e maior questionamento sobre as vantagens de usar sua rede versus os concorrentes. Consequentemente, obteve retornos aquém do esperado e o mercado segue com maior cautela em relação ao desempenho do ether”, acrescentou o especialista.

Em comparação, a sol, criptomoeda nativa da rede Solana, já acumula alta de 80% desde o início do ano e foi uma das criptomoedas que mais subiram em 2023 entre as maiores do mundo por valor de mercado.

Apesar disso, Osório aponta que o ether não deixa de ser uma boa opção de investimento para o longo prazo, graças aos avanços tecnológicos propostos pela rede Ethereum.

“Embora a Ethereum enfrente um período de maior insegurança em relação a seu posicionamento competitivo, a rede segue sendo a mais avançada em variedade de aplicações, número de desenvolvedores e liquidez em pares de ativos”, justificou Osório.

“Os especialistas em ETFs da Bloomberg, James Sayffart e Eric Balchunas, reduziram significativamente a probabilidade de aprovarem as ETFs agora no mês de maio, mas seguem otimistas com uma eventual aprovação. O fato de possivelmente ser postergada para o final do ano prejudica a performance do ativo no momento mas ainda deve gerar uma forte pressão compradora quando aprovado”, acrescentou.

“Assim, seguimos otimistas com o ether no médio/longo prazo, porém aproveitando o momento para aumentar os retornos de nossas carteiras recomendadas por meio de uma maior exposição a teses alternativas como Solana e Avalanche. Além de ter ganhos na diversificação através de redes e soluções alternativas, aumentamos a exposição a alpha por estarmos com maior posição em projetos mais recentes e com maior potencial de valorização, o que acreditamos ser importante durante um mercado de alta”, concluiu.

O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Acompanhe tudo sobre:CriptoativosCriptomoedasEthereum

Mais de Future of Money

Bitcoin ou ether: o que comprar após forte queda das criptomoedas?

Empresa brasileira usa tokenização para permitir investimentos em hits do piseiro

União Europeia vai apoiar projeto que usa blockchain para criar soluções de sustentabilidade

ETFs de Ethereum podem atrair US$ 10 bilhões e levar cripto à máxima histórica, diz analista

Mais na Exame