• AALR3 R$ 20,07 0.00
  • AAPL34 R$ 70,26 2.69
  • ABCB4 R$ 16,68 0.12
  • ABEV3 R$ 14,29 0.56
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,93 0.09
  • AGRO3 R$ 31,70 0.83
  • ALPA4 R$ 22,79 2.80
  • ALSO3 R$ 19,47 3.29
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,54 -1.93
  • AMBP3 R$ 31,96 -1.21
  • AMER3 R$ 21,44 -0.28
  • AMZO34 R$ 3,42 1.18
  • ANIM3 R$ 5,48 -1.26
  • ARZZ3 R$ 82,90 2.01
  • ASAI3 R$ 15,88 -1.31
  • AZUL4 R$ 20,93 -0.10
  • B3SA3 R$ 12,76 2.82
  • BBAS3 R$ 37,03 -1.15
  • AALR3 R$ 20,07 0.00
  • AAPL34 R$ 70,26 2.69
  • ABCB4 R$ 16,68 0.12
  • ABEV3 R$ 14,29 0.56
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,93 0.09
  • AGRO3 R$ 31,70 0.83
  • ALPA4 R$ 22,79 2.80
  • ALSO3 R$ 19,47 3.29
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,54 -1.93
  • AMBP3 R$ 31,96 -1.21
  • AMER3 R$ 21,44 -0.28
  • AMZO34 R$ 3,42 1.18
  • ANIM3 R$ 5,48 -1.26
  • ARZZ3 R$ 82,90 2.01
  • ASAI3 R$ 15,88 -1.31
  • AZUL4 R$ 20,93 -0.10
  • B3SA3 R$ 12,76 2.82
  • BBAS3 R$ 37,03 -1.15
Abra sua conta no BTG

Como estes pesquisadores transformaram plástico em alimento

Acadêmicos da Michigan Tech University e da Universidade de Illinois ganharam o Future Insight Prize ao usar micróbios e calor para transformar um dos maiores poluentes da atualidade
Pesquisadores afirmam que comida é altamente nutritiva e pode ser personalizada (Getty Images/Yegor Aleyev)
Pesquisadores afirmam que comida é altamente nutritiva e pode ser personalizada (Getty Images/Yegor Aleyev)
Por Karina SouzaPublicado em 06/08/2021 09:30 | Última atualização em 06/08/2021 13:21Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Em meio às discussões sobre sustentabilidade e redução de uso do plástico, dois professores da Michigan Tech University (MTU) propõem a transformação desse material em proteínas. Parece impossível, mas eles conseguiram -- e ganharam até um renomado prêmio pelo projeto, denominado BioPROTEIN.

A pandemia mostrou que a inovação será cada dia mais decisiva para seu negócio. Encurte caminhos, e vá direto ao ponto com o curso Inovação na Prática

Steve Techtmann, professor de ciências biológicas na MTU e co-autor do estudo, diz que uma combinação de micróbios e calor foi capaz de trazer esse resultado. “Usamos organismos naturais projetados para quebrar os plásticos e a biomassa vegetal não comestível para convertê-los em alimentos”, afirmou.

Em detalhes, são três etapas, de forma simples: a primeira delas usa um processo químico para quebrar a molécula que compõe o plástico em pequenos componentes. Depois, é usado calor para transformar as partes desmembradas numa espécie de óleo, até que, por fim, essa substância em contato com bactérias modificadas em laboratório e produz células comestíveis.

O resultado é proteína em pó, um conceito bastante discutido por empresas que estão de olho na "alimentação do futuro". A Foodz, por exemplo, já desenvolve uma solução sem glúten e sem lactose nesse formato.

Ao realizar a descoberta num tema tão debatido, a pesquisa ganhou o Future Insight Prize, concedido pela Merck, gigante da indústria química, farmacêutica e de ciências biológicas que se destaca em tecnologia. Em dinheiro, o prêmio foi de um milhão de euros.

Para a Merck, esses novos alimentos "não são tóxicos, trazem benefícios para a saúde das pessoas e permitirão até a personalização, de acordo com as necessidades de cada um".

Chegar a esse resultado não foi um processo barato -- e tampouco o esforço de uma única pessoa. Ao todo, foram investidos US$ 7,2 milhões no projeto, em quatro anos de pesquisa. O principal investidor foi a Agência de Projetos de PEsquisa Avançada de Defesa (ou DARPA, na sigla em inglês).

Em relação à pesquisa, pelo menos mais três pessoas trabalharam no projeto: Ting Lu, professor de bioengenharia na Universidade de Illinois, os engenheiros químicos Rebecca Ong e David Shonnard, da MTU, e Joshua Pearce, engenheiro de materiais.

Diante da conquista e da premiação, os pesquisadores afirmam que seguem motivados para continuar estudando a transformação do plástico em comida -- e tentar diminuir o problema global da alimentação.

O futuro do Agro está na tecnologia. Quer saber como? Assine a EXAME.