Coronavírus e a busca por futuros necessários

Especialista em comunicação digital alerta para a necessidade de olhar com cuidado para o futuro das relações pessoais, tão impactadas pela pandemia

Passados existentes e os futuros prospectáveis foram conceitos provocativos de uma master class em talk recente que tivemos na FSB com Silvio Meira, cientista chefe da TDS. E me trouxeram uma série de perguntas necessárias para estes dias. Embora estejamos no olho do furacão, é esta, sem sombra de dúvida, a hora de olhar com cuidado para nossas possibilidades de futuros.

Disse Silvio: “temos uma ideia, na nossa própria vida, que chegamos até aqui por conta de um conjunto de coisas que fizemos no passado. Estamos no presente e, a partir daqui, vamos pro futuro, como uma coisa contínua. Porém, em qualquer ponto do presente, tem um conjunto muito grande de alternativas de futuro que a gente pode consumir agora. Como se fossemos uma máquina de consumir futuros.”

Temos mesmo que consumir agora, e correndo, nosso futuro pós-coronavírus.

Mas como fazer isto nesses tempos “coronials”, quando mal conseguimos nos manter com foco em necessidades básicas deste cenário distópico? Como avançar para o futuro se mal achamos tempo e razões para compreender porque as curvas de segunda onda do coronavírus europeu não sensibilizam os “inocentes” do Leblon,  de Ipanema,  de Madureira, do país, enfim? Fingir (ou não ver mesmo) a Europa do presente já é consumir nosso futuro agorinha mesmo.

Enquanto muitos se contaminam pela miopia (já estabelecida como uma epidemia paralela real, não?), há que se achar ânimo para pensar e  prospectar futuros. Então, deixo eu aqui a minha provocação. Quantas vezes você já ouviu falar, nestes 8 meses, sobre quais modelos de negócios serão os melhores quando a ciência nos der a vacina? Você já ouviu falar de social commerce, de high tech/low tech, mercado de influência e saúde como prioridades, por exemplo. Tendências reais e comprovadas. Mas minha provocação está em outra linha: na gestão e resoluções dos novos “contratos” familiares estabelecidos pelos rígidos padrões que o home office impôs às famílias.

Vivemos sim uma troca de era (Meira, Silvio). Na saúde, nas empresas, no mercado. E ela traz fortíssimos impactos nas relações familiares. Uma nova fronteira permeada por cansaços de rotina, dores de perdas, divórcios, desempregos, deterioração de saúde mental e estapafúrdios aumentos de violência doméstica e feminicídio.

“Magazines Luizas”, Pix, carros autônomos, menos abundância/mais escassez e a “pandemia” do clima? São fatos dados também. Mas seria bom se a gente começasse a forçar o olhar para prospectar o futuro nas relações familiares e parentais. Independente do futuro que a gente construa, são as nossas relações pessoais que levaremos para lá. É o modelo que sustenta todos os outros. Urge achar tempo para vivê-lo desde já, agora, disfarçado de presente.

*Sócia-diretora Digital&Inovação da FSB Comunicação

Siga Bússola nas redes:  InstagramLinkedin  | Twitter  |   Facebook   |  Youtube 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.