Um conteúdo Bússola

Três perguntas de ESG para Milca Tavares, da Petlove

Head de sustentabilidade da empresa fala de metas de curto e médio prazo e reforça o propósito de democratizar e simplificar o cuidado com pets
Milca Tavares, head de sustentabilidade da Petlove (Bússola/Reprodução)
Milca Tavares, head de sustentabilidade da Petlove (Bússola/Reprodução)
Por Renato KrauszPublicado em 23/06/2022 18:17 | Última atualização em 24/06/2022 08:46Tempo de Leitura: 4 min de leitura

1. O que já foi feito pela Petlove para engajamento dos diferentes stakeholders da empresa? 

Milca Tavares: As vozes dos nossos públicos de relacionamento direcionam e integram nossa estratégia de negócio desde o princípio, por meio da escuta e diálogo constante que estabelecemos com clientes, empreendedores da indústria pet, fornecedores e colaboradores​, usando todos os nossos canais de diálogo. Em 2021, reforçamos esse processo construindo, por uma série de diálogos multistakeholder, a nossa primeira matriz de materialidade​, o ​que nos ajudou a definir os temas prioritários em sustentabilidade para nós. Nosso plano é que essa prática se expanda para a construção conjunta de outras estratégias e iniciativas relevantes para a companhia e também para os públicos que impactam sendo impactados pelo nosso negócio.  

Aliás, 2021 marcou ainda mais a aproximação da Petlove de seu propósito de democratizar e simplificar o cuidado com o pet por meio da oferta da melhor experiência para os tutores e empoderamento de médicos-veterinários e empreendedores do universo pet. Fizemos isso incluindo as vozes de todos esses públicos que são parte de nosso negócio. Conseguimos, além de levar alimentos, medicamentos, outros produtos e serviços essenciais para mais de 1 milhão de tutores e pets, permitir que os tutores economizassem em média R$ 180 no ano, disponibilizar para todos e de forma gratuita a possibilidade de tirar dúvidas com médicos-veterinários e reforçar nosso compromisso com a democratização do acesso à medicina-veterinária com a incorporação da Porto.Pet, o principal plano de saúde para pets do Brasil  

2. Qual é o objetivo com o lançamento do primeiro relatório de sustentabilidade da marca e o que ele traz de principal? 

Milca Tavares: O Relatório de Sustentabilidade foi construído — como tradicionalmente também acontece em outras organizações — para dar transparência aos nossos resultados e impactos sociais, ambientais, financeiros e de governança no ano anterior e, a partir de então, deverá ser lançado anualmente. O documento marca a evolução e a integração da agenda ESG ao negócio da empresa.   

Nessa primeira edição​, também trazemos os nossos compromissos públicos até 2025 para a agenda de sustentabilidade, detalhando nossos três pilares de atuação: 1) operação responsável, que engloba o compromisso com a neutralização de gases de efeito estufa, com a geração de zero lixo e com a valorização de cada pessoa que forma nosso time de colaboradores; 2) promoção da saúde e bem​-estar humano e dos pets, que engloba o compromisso com a comercialização de produtos de excelência, levando aspectos socioambientais em consideração, com o suporte e incentivo ao empreendedorismo e com a causa animal; e 3) governança ESG.   

3. Há metas de ESG para 2022?

Milca Tavares: Sim, a cada compromisso de sustentabilidade assumido pela Petlove foram definidos os indicadores relacionados para o médio prazo [até 2025] e para o curto prazo [2022]. No total, mais de 50 indicadores ligados aos nossos compromissos são acompanhados e geridos pela empresa.   

Para 2022, um plano de evoluções em diversos processos prevê a redução de 5% das emissões de gases de efeito estufa gerados pela frota e de 10% do impacto das embalagens dos produtos vendidos, a estruturação de um programa de diversidade, o início de um processo de mapeamento de cadeias de fornecimento e a ampliação dos impactos positivos gerados para pets e empreendedores da indústria pet.   

Essas metas nos desafiam, no curto prazo, a evoluir o que está no coração de nosso negócio, mas também a ampliar o impacto para o que está além, como estamos fazendo ao colocar em prática uma importante iniciativa, por meio da parceria com a Alicerce Educação. O projeto irá levar educação de qualidade para os filhos dos nossos colaboradores de Extrema (MG), Itapeva (MG) e Bragança Paulista (SP), cidades com altos índices de vulnerabilidade social e onde 80% do nosso time operacional reside.  

Acreditamos que a educação é a base de tudo, por isso ela é um dos pilares que sustentam a nossa estratégia de impacto social, e a Alicerce é uma empresa de impacto social que busca transformar a educação no Brasil, por isso unimos forças para estruturar a turma piloto que terá início em julho.   

Nesta primeira etapa, serão atendidos 80 alunos que terão aulas três vezes na semana em um programa de contraturno escolar, com direito a material didático físico e digitai gratuito e uma equipe educacional altamente qualificada para acompanhar o desenvolvimento das crianças. Além das matérias-base (português e matemática), o sistema de aprendizagem também inclui aulas de iniciação tecnológica e qualificação em competências socioemocionais, necessárias para o melhor desenvolvimento acadêmico e expansão do repertório cultural dos alunos.   

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Unicórnios verdes: Impacto real na vida do planeta 

Cães, pássaros, gatos e unicórnios: por que investir em uma PetTech? 

ESG: Como colocar em prática o capitalismo de stakeholders