Governo enfrenta desafio no Congresso por reforma trabalhista

Um pedido de urgência para que a proposta de reforma trabalhista tramite mais rápido no Senado Federal será votado na terça-feira

Enquanto se defende das denúncias da Procuradoria-Geral da República, o presidente Michel Temer tem mais um desafio no Congresso nesta semana.

Na terça-feira será votado um pedido de urgência para que tramite mais rápido no Senado Federal a proposta de reforma trabalhista. Caso seja aceita a urgência, o projeto pode ser votado na quarta-feira, como quer o governo.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

A aprovação da trabalhista célere dá um respiro à agenda negativa e reforça o apoio do empresariado ao peemedebista. Mais forte, cresce a chance de que seja preservado pela Câmara em sua ação penal, que chega à Comissão de Constituição e Justiça também nesta semana.

Na semana passada, o projeto concluiu sua tramitação nas comissões, de sessões longuíssimas. Um acordo entre o governo e oposição fez com que o texto aprovado na Câmara passasse pela Comissão de Assuntos Econômicos, Assuntos Sociais e Constituição e Justiça antes de ir a Plenário.

O governo foi derrotado na de Assuntos Sociais, que trará um relatório contrário à proposta, assinado pelo senador Paulo Paim (PT-RS). Se o pedido de urgência for aprovado, o caminho será mais simples: a votação acontece depois de duas sessões ordinárias, com falas de cinco senadores a favor e cinco contrários e máximo de 10 minutos.

A incerteza com o calendário fica por conta do clima de guerra nos debates. O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), indicou que a aprovação pode acontecer até dia 12 de julho e que a reforma pede “amplo debate” por parte dos parlamentares.

“A reforma trabalhista pode ser votada na semana que vem, mas meu compromisso com a Casa é de votar até 10 ou 12 de julho. Vou seguir o regimento e respeitar a oposição”, disse.

A oposição critica a pressa em aprovar a medida com a manobra de urgência e lembra que no acordo prévio constava uma promessa do governo de que não haveria tentativa de acelerar.

“Não vamos aceitar que o governo convoque duas ou três sessões num mesmo dia para cumprir prazo. Queremos que se cumpra o prazo regimental, com as sessões ordinárias a cada dia”, disse a senadora Gleisi Hoffmann à Agência Senado. Tudo indica que a guerra está em seus últimos dias, mas um grande combate está só por começar.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.