Trump busca novas articulações para compor ofensiva contra Kim

Durante o G20, o presidente deve buscar o apoio do Japão e da China para colocar pressão sobre o regime de Kim Jong-Un

O presidente americano Donald Trump começa a mexer as peças no xadrez contra a Coreia do Norte. O país deverá ser o temas das conversas com o primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe e o presidente da China Xi Jinping durante a reunião dos líderes mundiais no G20, em Hamburgo, nesta semana. Trump deve solicitar o auxílio dos dois líderes da região para colocar pressão sobre o regime de Kim Jong-Un.

A cobrança deverá ser principalmente sobre a China, já que Trump já havia deixado claro, em abril, de que uma cooperação econômica entre Estados Unidos e China dependia dos chineses agindo ativamente para diminuir o poderio norte-coreano.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

A China é a maior protetora diplomática e econômica da Coreia do Norte: metade da balança comercial norte-coreana é comprometida com os vizinhos chineses, que têm vasto interesse na manutenção política e geográfica do território, a fim de evitar, entre outras questões, uma fuga de 30.000 refugiados para seu país.

No final da semana passada, Trump anunciou durante a visita do novo presidente sul-coreano, Moon Jae-In, que a paciência havia acabado com o regime de Kim Jong-Un e seu programa nuclear.

Na noite de ontem, Trump ligou para Xi e para Abe, para adiantar a conversa sobre a Coreia do Norte. Tão imprevisível quanto Trump, Kim não é do tipo que fica em silêncio e qualquer tipo de resposta é esperada esta semana vinda do ditador.

As tensões entre os dois países se tornaram ainda mais evidentes quando o estudante americano Otto Warmbier morreu depois de ter sido preso durante uma visita à Coreia do Norte — ele ficou detido por 18 meses, foi enviado aos Estados Unidos em coma e morreu poucos dias depois.

Em outros momentos, investidas contra a Coreia do Norte resultaram em novos testes nucleares ou em algum tipo de ameaça. Pyongyang se apoia no seu programa armamentício como uma forma de combater a hostilidade contra o país e regularmente ameaça “destruir os Estados Unidos” ou transformar alguma de suas grandes cidades em pó. Trump trabalha para evitar que as ameaças fiquem apenas no campo da retórica.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.