Brasil

Dino diz que governo e Congresso não comprovaram fim do orçamento secreto e marca audiência

Ministro do Supremo Tribunal Federal marcou audiência de conciliação para discutir o caso para 1º de agosto

Flávio Dino, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) ( Andressa Anholete/SCO/STF/Divulgação)

Flávio Dino, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) ( Andressa Anholete/SCO/STF/Divulgação)

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 17 de junho de 2024 às 14h37.

Última atualização em 17 de junho de 2024 às 14h38.

Tudo sobreSupremo Tribunal Federal (STF)
Saiba mais

O ministro Flávio Dino, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta segunda-feira, 17, que o governo federal e o Congresso não conseguiram comprovar que estão cumprindo a decisão da Corte que anulou e proibiu o orçamento secreto. E agendou uma audiência de conciliação para o dia 1º de agosto, com o objetivo de discutir o possível descumprimento da decisão.

A meses das eleições municipais, o Executivo ainda distribui recursos a aliados no Congresso sem transparência, repetindo práticas que eram comuns durante a administração do ex-presidente Jair Bolsonaro, segundo informações do Estadão.

A decisão de Dino se deu após manifestação da Associação Contas Abertas, Transparência Brasil e Transparência Internacional. As entidades apontaram o descumprimento da decisão do Supremo que considerou o modelo do orçamento secreto inconstitucional. 

Audiência sobre o orçamento secreto

O ministro vai conduzir a audiência, que contará com a participação do procurador-geral da República, Paulo Gonet; do presidente do Tribunal de Contas da União, Bruno Dantas; do advogado-geral da União, Jorge Messias; dos chefes das advocacias da Câmara e do Senado; e do advogado do PSOL, partido responsável pela ação que resultou na proibição do orçamento secreto.

Ao assumir a cadeira da ministra Rosa Weber no STF, o ex-ministro da Justiça de Lula também assumiu a relatoria do processo sobre o orçamento secreto. A decisão assinada por Dino na manhã desta segunda-feira ocorreu após várias organizações apontarem a continuidade de mecanismos do orçamento secreto na distribuição de emendas parlamentares. Depois de analisar essas declarações, Dino solicitou posicionamentos do presidente Lula, e do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

Emendas Pix

Dino também notificou o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Procuradoria-Geral da República (PGR) para que tomem providências sobre as chamadas “emendas Pix”, recurso indicado por deputados e senadores para estados e municípios, sem transparência e sem vinculação com obras e serviços específicos.

Para o ministro, esse tipo de emenda não pode ser analisada na ação que declarou a inconstitucionalidade do orçamento secreto.

Acompanhe tudo sobre:Supremo Tribunal Federal (STF)Luiz Inácio Lula da SilvaOrçamento federalCongressoCâmara dos DeputadosSenado FederalRodrigo PachecoArthur Lira

Mais de Brasil

Dunga, ex-técnico da Seleção Brasileira, e sua esposa sofrem acidente de carro no Paraná

PF apreende 12 milhões de maços de cigarros em São Paulo em maior operação na história

Auxílio Reconstrução no RS: governo prorroga prazo para prefeituras cadastrarem novas famílias

Eleições municipais: 101 deputados e 2 senadores são pré-candidatos a prefeito; veja lista

Mais na Exame