Com Lula em liberdade, PT realiza seu primeiro Congresso da era Bolsonaro

A reunião do partido vai durar até domingo, quando será realizada a votação para o novo líder, cargo atualmente ocupado pela deputada Gleisi Hoffmann

O Partido dos Trabalhadores (PT) inicia seu 7º Congresso em São Paulo nesta sexta-feira (22), com a presença de seu líder histórico, o ex-presidente Lula, recentemente libertado, para discutir sua resposta à onda conservadora que levou Jair Bolsonaro ao poder.

A reunião do partido cofundado por Lula em 1980 vai durar até domingo, quando será realizada a votação para designar sua nova liderança, atualmente ocupada pela deputada federal Gleisi Hoffmann, que tenta a reeleição.

Depois de vencer quatro eleições presidenciais consecutivas (2002, 2006, 2010, 2014), o PT entrou em uma fase de desgaste com o impeachment da presidente Dilma Rousseff em 2016 e a operação 'Lava Jato', cujas investigações condenaram Lula a 8 anos e 10 meses de prisão.

Após 19 meses preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Lula, de 74 anos, foi libertado em 8 de novembro, graças a uma alteração pelo Supremo Tribunal Federal (STF) das regras de cumprimento de penas, o que lhe permitirá esgotar todos os recursos judiciais em liberdade.

Assim que saiu da prisão, o ex-presidente (2003-2010) atacou Bolsonaro e suas políticas pró-mercado e chamou o ex-juiz e atual ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro de "canalha", acusando-o novamente de tê-lo condenado sem provas para tirá-lo da eleição presidencial do ano passado.

Ele também pediu a seus seguidores para recuperar o poder em 2022, dando a entender que está pronto para a briga, embora em entrevista publicada nesta sexta-feira pelo jornal britânico The Guardian tenha insinuado que pode passar o bastão. "A Igreja católica, com 2 mil anos de experiência, aposenta os bispos aos 75", afirmou.

Mas, antes, o PT, que conseguiu eleger apenas 256 prefeitos em 2016 (menos da metade dos 630 eleitos em 2012), deve definir sua estratégia para o pleito municipal de 2020.

Entre as cidades perdidas está São Paulo e os municípios de seu cinturão industrial, onde Lula iniciou as greves do fim dos anos 70, durante a ditadura militar (1964-85).

Segundo o cientista político Claudio Couto, da Fundação Getúlio Vargas, nos últimos anos, no Brasil, "consolidou-se um antipetismo que será um obstáculo para [o PT] conseguir uma posição de destaque em cidades como São Paulo" nas eleições municipais de 2020.

O PT conservou, apesar de tudo, o papel de maior partido na fragmentada Câmara dos Deputados, com 54 assentos, de um total de 513. Em 2014, tinha conseguido eleger 69. Em 2010, a bancada tinha 88 legisladores.

O PT ainda tem seis senadores, de um total de 81, e governa quatro dos 27 estados brasileiros, todos no Nordeste, seu bastião histórico.

Sem autocrítica

Algumas das nove teses que serão submetidas à votação dos delegados do PT reforçam a necessidade de mudanças e uma reorientação de posições e de uma nova direção.

Couto, no entanto, vê pouco espaço para um discurso que busque ser ouvido além do eleitorado tradicional petista, fortemente ligado à figura de Lula. "Há pessoas no partido que têm uma boa leitura do país, mas quem o controla, não", disse Couto. "Desde as eleições de 2018, o personalismo [no PT] se fortaleceu", acrescentou.

O próprio Lula rejeitou qualquer perspectiva de autocrítica. "Quem quiser que o PT faça autocrítica, faça a crítica você", disse na semana passada em Salvador, referindo-se a reclamos de outros partidos da esquerda.

No plano internacional, Lula denunciou, na entrevista ao The Guardian, o "golpe de Estado" contra o presidente boliviano Evo Morales, embora tenha admitido que ele "cometeu um erro quando buscou um quarto mandato".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também