Com covid-19 em alta, Brasil se fecha em quarentena neste fim de semana

Do Nordeste ao Sul do país, governos estaduais e municipais implementam quarentenas e toques de recolher

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

A partir desta sexta-feira, 5, o Brasil intensifica o processo de fechar as atividades consideradas não essenciais e diminuir a circulação de pessoas, principalmente à noite. Do Nordeste ao Sul do país, governos estaduais e municipais implementam quarentenas e toques de recolher. A restrição é maior justamente aos finais de semana, com o objetivo de conter aglomerações. Medidas não têm coordenação ou apoio do governo federal.

O motivo é o colapso generalizado dos sistemas de saúde. Pelo Brasil, a capacidade de atendimento de leitos de UTI é quase de 100% em pelo menos 20 capitais, segundo dados da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Na quarta-feira, 3, o país bateu o recorde no número de mortes por covid-19 confirmadas em 24 horas: 1.910, segundo o Ministério da Saúde.

Reportagem de EXAME, publicada na quinta-feira, 4, mostra o que a ciência diz sobre a eficácia do lockdown, e como o país chegou neste segundo fechamento nacional. O grupo de pesquisadores do Observatório Covid-19 BR publicou um manifesto pedindo um lockdown imediato em todo o Brasil para evitar o que chamaram de “catástrofe”.

A partir da meia-noite de sábado, 6, todo o estado de São Paulo entra na fase vermelha da quarentena, a mais restrita em que somente os serviços essenciais podem funcionar. Tudo o que estiver fora desta lista, como shoppings, comércio de rua, bares, salões de beleza e academia, deve ficar fechado por duas semanas.

Em Fortaleza, no Ceará, os governos estadual e municipal determinaram um isolamento social rígido, que começa já nesta sexta-feira e tem validade de 14 dias. Em Minas Gerais, desde a quinta-feira, 4, entrou em vigor um toque de recolher das 20h às 5h em 60 cidades do estado, incluindo a capital Belo Horizonte.

Na cidade do Rio de de Janeiro, o prefeito Eduardo Paes (DEM) decidiu restringir o horário do comércio para até 20 horas. Das 23h até as 5h, passa a valer um toque de recolher. A circulação é permitida, mas não a permanência em ruas, praças e espaços públicos. As praias ficam abertas, mas sem atividade comercial. A regra vale já nesta sexta-feira e vai até o dia 11 de março.

Distrito Federal e Goiás determinaram que somente os serviços essenciais podem funcionar a partir da meia-noite deste sábado, 6. A medida vale por duas semanas.

Desde o último fim de semana, os três estados do Sul do Brasil adotaram medidas semelhantes, com o fechamento de serviços não essenciais. No Paraná e no Rio Grande do Sul somente os serviços essenciais podem funcionar até o próximo domingo, 7. O governo de Santa Catarina foi menos restritivo e decidiu fechar o comércio somente aos finais de semana.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.