Acompanhe:

Pior momento da pandemia: Lockdown 2.0 é a única saída para o Brasil?

Um ano após o primeiro fechamento generalizado do comércio não essencial no Brasil, governos voltam a adotar a medida no pior momento da pandemia

Modo escuro

 (Buda Mendes/Getty Images)

(Buda Mendes/Getty Images)

Por Laura Pancini, Gilson Garrett Jr

Publicado em 4 de março de 2021, 07h30.

Última atualização em 5 de março de 2021, 09h40.

Rio de Janeiro: prefeitura considera implementar o lockdown. (Buda Mendes/Getty Images)

Poucos dias após o marco de um ano do registro do primeiro caso de covid-19 no Brasil, estados e municípios voltam a fechar estabelecimentos comerciais, restringir atividades, implementar toque de recolher e até mesmo o lockdown, medida mais restritiva de circulação de pessoas. O objetivo é frear o avanço da doença que está no pior momento e atingiu um novo recorde na quarta-feira, 3 de março: 1.910, segundo o Ministério da Saúde.

No primeiro fechamento generalizado da economia, em 2020, o motivo era diferente. No Brasil e no mundo, as incertezas que rondavam a covid-19 causavam temor: pouco se sabia sobre a doença, como ela impactaria os sistemas de saúde e como governos deveriam lidar com uma pandemia, algo que não acontecia em escala global há um século.

Passado um ano, é justamente o conhecimento que adquirimos nesse período que faz com que os gestores públicos adotem medidas de restrição. Sabemos da alta capacidade de transmissão, principalmente com as novas variantes, como a doença afeta nossa capacidade de atendimento hospitalar, e por quanto tempo as medidas mais extremas precisam ser adotadas.

Também temos 11 vacinas aprovadas e sendo amplamente aplicadas em todo o mundo. Isso faz com que a experiência de países, como Estados Unidos e Israel, que demonstraram que a imunização em massa é capaz de reduzir em 70% o número de novos casos em apenas um mês, tragam experiência para uma solução mais rápida da crise sanitária global.

O problema é que no Brasil a pandemia ganhou uma outra dinâmica no início de 2021. A vacinação por aqui ainda está lenta, com 3,36% da população imunizada com pelo menos a primeira dose. Por enquanto, só temos duas opções disponíveis de vacinas: do Instituto Butantan/Sinovac e da Fiocruz/AstraZeneca. O Ministério da Saúde prometeu comprar mais doses, inclusive da Pfzier e da Janssen, e imunizar todos os grupos vulneráveis até o fim do ano. Até lá, uma quarentena mais restrita é de fato a medida mais eficaz para reduzir a transmissão?

A falta de um lockdown nacional

Natalia Pasternak, microbiologista e presidente do Instituto Questão de Ciência, explica que o ideal seria aplicar um lockdown nacional por duas a três semanas para impedir a circulação do vírus e dar fôlego aos hospitais terem mais capacidade de atendimento.

"O ideal sempre foi que a gente tivesse uma coordenação nacional. E a falta disso contribuiu para chegar aonde a gente está. Infelizmente a gente nunca teve esse lockdown e ainda temos um governo que diz que o uso de máscara faz mal para crianças. Além de ser omisso, o governo federal atrapalha e os governadores ficam à deriva. Isso dificulta muito", afirma.

No fim do ano passado, como se sabe, houve uma polarização em torno do início da vacinação, uma disputa política para saber quem era o "culpado" pela recessão econômica causada pelo fechamento de atividades econômicas, sobretudo no setor de serviços. 

Ainda sem uma diretriz unitária e federal, governos locais adiaram o quanto puderam as medidas impopulares de fechamento. A conta chegou, com a capacidade dos leitos de UTI beirando os 100%.

Na quarta-feira, 3, o governo de São Paulo se juntou aos do Distrito Federal e de Goiás e determinou que somente os serviços essenciais podem funcionar a partir da meia-noite deste sábado, 6. A medida vale por duas semanas. O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), não descarta o lockdown na cidade. 

Desde o último fim de semana, os três estados do Sul do Brasil adotaram medidas semelhantes, com o fechamento de serviços não essenciais. No Paraná e no Rio Grande do Sul somente os serviços essenciais podem funcionar até o próximo domingo, 7. O governo de Santa Catarina foi menos restritivo e decidiu fechar o comércio somente aos finais de semana.

O toque de recolher é a restrição que mais foi adotada por vários governadores. Além dos três estados do Sul, Pernambuco e Mato Grosso também optaram pela medida. Em São Paulo, apesar de não ter multa, a Polícia Militar faz blitze das 23h às 5h, com o objetivo de verificar se os deslocamentos das pessoas são necessários e coibir aglomerações.

Todos os governadores e secretários de Saúde que restringiram a circulação de pessoas são unânimes ao afirmar que o Brasil vive o pior momento da pandemia de covid-19. Há 41 dias a média diária de mortes está acima de mil. Nos últimos dez dias foram batidos 6 recordes de número de vítimas da doença em 24h, sendo o último na terça-feira, 2, com 1.726.

A taxa de ocupação de leitos de UTI está em colapso ou muito próximo disso em pelo menos 20 capitais, segundo dados da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Em Santa Catarina, a situação já é considerada colapso, após a ocupação passar de 100%, e pelo menos 35 pessoas morrem à espera de uma vaga. Em São Paulo a ocupação está em 75%, mas chegou ao mais alto patamar desde o início da pandemia, com 7.415. O valor é 18,6% maior que o pico, registrado em junho do ano passado. 

O que dizem os especialistas sobre o lockdown?

Fernando Rosado Spilki, infectologista e presidente da Sociedade Brasileira de Virologia, diz que a dispersão das variantes do novo coronavírus indica que não há outra alternativa além do lockdown.

A variante brasileira P1 foi encontrada em Manaus entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021, quando uma alta nos casos fez com que pesquisadores testassem amostras e descobrissem a presença da cepa em 42% delas. Anteriormente, um estudo havia estimado que até 76% da cidade já havia sido contaminada, sugerindo uma probabilidade de imunidade alta na população.

Os pesquisadores descobriram que a cepa contém "uma constelação única de mutações definidoras de linhagem" que poderia estar associada a "um aumento na transmissibilidade ou propensão para reinfecção de indivíduos". A P1 foi um dos fatores para o colapso do sistema de saúde em Manaus no meio de janeiro, com falta de leitos e até mesmo de oxigênio hospitalar.

As variantes sul-africana (B1351) e britânica (B117) também já foram identificadas em solo brasileiro. As três têm em comum a mutação N501Y (também apelidada de “Nelly”), que faz com que as cepas sejam mais contagiosas.

A biomédica e idealizadora do Rede Análise Covid-19, Mellanie Fontes-Dutra, destaca, porém, que não há como saber até que ponto as variantes estão impactando o número de casos. “É importante entendermos que as variantes podem ter contribuído para esse cenário, mas elas não são as únicas culpadas. Muito do que estamos vivendo é fruto da irresponsabilidade de muitas pessoas que desrespeitam as medidas de segurança”, afirma.

Para tentar conter o aumento de novos casos, o virologista Fernando Spilki acredita na restrição de movimentação pelas e entre cidades como medida principal. “Só que isso tem que ser algo coordenado e aplicado de maneira estratégica em diversas regiões. Infelizmente, não há muitas outras alternativas para evitar a disseminação destas variantes”, diz.

Isaac Schrarstzhaupt, cientista de dados e coordenador na Rede Análise Covid-19, grupo que vem fazendo um conjunto de análises desde o início da pandemia no Brasil, diz que começou a notar uma correlação forte entre aumento de mobilidade e crescimento no número de casos.

“Houve uma queda de mobilidade em janeiro por conta do esvaziamento das cidades. Quando as coisas começaram a se normalizar, em fevereiro, começou o estouro”, diz Schrarstzhaupt, que atribui o “estouro” a eventos como a volta às aulas, que já estava previsto, mas também um fenômeno anual que ocorre toda sétima semana do ano. 

[A sétima semana] é quando começa a aumentar os casos de síndrome respiratória aguda grave, causada por vírus respiratórios. O comportamento das pessoas muda de acordo com as épocas do ano e alguns deles são mais favoráveis ao aumento do vírus”, afirma.

O aumento de casos, ao mesmo tempo que já há uma preocupação em torno das variantes, foi a receita para os piores dias de pandemia já registrados no Brasil.

“A grande preocupação é a adesão da população. A queda de mobilidade não é tão acentuada quanto foi no início da pandemia. É muito necessário, se tivermos um lockdown, que as pessoas aderem a ele. As próximas semanas vão ser complicadas, com o possível colapso do sistema funerário vamos acabar vendo situações trágicas como as de Manaus. Ainda não estamos vendo o pico desta onda, ela só está subindo em um paredão crescente”, diz Mellanie Fontes-Dutra, que enfatiza a a importância de continuar fazendo o uso de máscara, álcool gel e medidas de distanciamento social.

O que diz a ciência sobre o lockdown?

Um estudo do International Journal of Infectious Diseases analisou as medidas de 190 países entre 23 de janeiro e 13 de abril de 2020, durante a primeira onda da covid-19 pelo mundo. Ele levou em consideração quatro tipos de intervenções não-farmacêuticas (NPI, na sua sigla em inglês) para a redução do coronavírus: o uso obrigatório de máscara em público; isolamento social ou quarentena; distanciamento social e restrição na mobilidade urbana.

Qualquer intervenção realizada isoladamente levou a uma redução significativa na transmissão do coronavírus: máscaras (-15,14%); quarentena (-11,40%); distanciamento social (-42,94%) e mobilidade urbana (-9,26%).

Porém, as intervenções mais efetivas foram aquelas feitas com mais de um NPI, especialmente as que incluíram distanciamento social, prática recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) desde o início da pandemia. Já a intervenção mais comum nos países analisados foi a restrição na mobilidade urbana. 

Levando em consideração apenas a quarentena, houve uma diminuição de 10,6% na transmissão da covid-19. Quando combinada com outros NPIs, a redução se intensifica: -17,83% com restrição ao transporte público, -38.58% com distanciamento social e -54.12% juntando os três.

Com a adição do último NPI, máscara obrigatória, o número chega a -62.81% na redução no número de novas infecções. “As combinações com mais tipos de NPIs pareceram estar associadas a uma maior diminuição na transmissão da covid-19”, conclui o estudo. 

Apesar dos dados comprovarem a eficácia de uma ou mais intervenções não-farmacêuticas, o conceito de “quarentena” aplicado em alguns países, inclusive no Brasil, se difere do lockdown. Enquanto o último implica obrigatoriedade, a quarentena seria uma recomendação, o que leva a um menor impacto na taxa de transmissão.

Um segundo estudo, publicado pela revista Science, analisa mais a fundo o impacto do lockdown definitivo em 41 países durante a primeira onda da pandemia. Ele analisou os seguintes NPIs: limitar reuniões a 1.000 pessoas ou menos (-23% de redução das infecções); limitar a 100 pessoas ou menos (-34%); limitar a 10 pessoas ou menos (-42%); fechar alguns negócios (-18%); fechar a maioria dos negócios não essenciais (-27%); fechar escolas e universidades (-38%).

Já o lockdown foi analisado como um efeito adicional sobre todos os outros NPIs, partindo da ideia de que o decreto já engloba as outras restrições mencionadas. Sua diminuição na transmissão, portanto, foi “apenas” -13%.

“Nós descobrimos que emitir um pedido de permanência em casa teve um pequeno efeito quando um país já havia fechado instituições educacionais e negócios não essenciais e havia proibido reuniões”, explicam os pesquisadores. “Sempre que os países introduziram pedidos de permanência em casa, eles essencialmente sempre implementaram, ou já haviam implementado, todos os outros NPIs neste estudo.”