Os três estados do Sul têm ocupação de UTI perto de 100% e anunciam restrições

As medidas que fecham o comércio não essenciam começam a valer já a partir deste sábado, 27, e que vão até o próximo fim de semana

Os três estados do Sul do Brasil, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, vivem uma situação dramática na taxa de ocupação de leitos de UTI, que chega perto de 100%. Para tentar diminuir este cenário, os três governos adotaram medidas semelhantes, com o fechamento de serviços não essenciais, que começam a valer a partir deste sábado, 27, e que vão até o próximo fim de semana.

De acordo com o epidemiologista Pedro Curi Hallal, reitor da Universidade Federal de Pelotas, estas restrições vieram tarde. Na opinião dele, deveriam ter sido adotadas ainda em dezembro, antes das festas de fim de ano.

“Se tivessem feito lockdown quando avisamos, não estaríamos nessa situação agora. Felizmente, medidas duras estão sendo tomadas. Dentro de três a quatro semanas, elas surtirão efeito, se forem mantidas”, diz.

No Paraná a taxa de ocupação de leitos de UTI chegou a 94% na quinta-feira, 25. A marca fez o governo determinar, a partir da meia-noite de sábado, 27, o que foi chamado de uma “força-tarefa de emergência”. Até o dia 8 de março somente os serviços essenciais podem funcionar nos 399 municípios do estado. Além disso, das 20 horas às 5 horas vale um toque de recolher. As aulas nas redes privada e pública também foram suspensas.

Medida similar foi adotada pelo governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), para tentar desafogar o sistema de leitos de UTI, que chegou a 98% de ocupação. A partir deste sábado, 27, até o dia 7 de março, somente os serviços essenciais podem funcionar.

Em Santa Catarina, a taxa de ocupação de leitos UTI do Sistema Único de Saúde (SUS) está em 90% em todo o estado e na Grande Florianópolis. Mas em algumas regiões, como no Vale do Itajaí, a ocupação chega a 94%. A situação fez o governo decretar neste e no próximo fim de semana o fechamento de qualquer serviço não essencial. As consultas e exames eletivos - não urgentes - foram suspensos por 20 dias.

A situação difícil em que se encontra a região Sul foi citada pelo coordenador-executivo do Centro de Contingência do estado de São Paulo, João Gabbardo, em entrevista coletiva nesta sexta-feira. Para ele, se o governo paulista não adotasse as medidas de restrição, que também entram em vigor neste fim de semana, o estado chegaria ao mesmo cenário de Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

São Paulo atingiu o maior pico de internações em unidades de terapia intensiva desde o início da pandemia na última quinta-feira, 25, com 6.767, segundo dados da Secretaria da Saúde. A taxa de ocupação de leitos de UTI está em 70% tanto no estado quanto na capital paulista.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.