Grupo de pesquisadores pede lockdown nacional para evitar “catástrofe”

Na terça-feira, 3, o Brasil bateu o recorde de número de mortes registradas em 24 horas: 1.910. Vacinação é urgente, mas ainda lenta

O grupo de pesquisadores do Observatório Covid-19 BR publicou um manifesto na noite de quarta-feira, 3, pedindo um lockdown imediato em todo o Brasil de pelo menos 14 dias para frear o avanço da doença no país, que atingiu um novo recorde de mortes em 24 horas na quarta-feira: 1.910, segundo o Ministério da Saúde.

Além de parar os serviços não essenciais e restringir a circulação de pessoas, o grupo pede  “a aprovação imediata de um auxílio emergencial no valor de 600 reais até, no mínimo, que os indicadores da epidemia tenham se reduzido para possibilitar a reabertura da economia”.

O Observatório Covid-19 BR reúne pesquisadores que estão nas maiores instituições de ensino do país e também no exterior. Segundo o grupo, são vários os motivos da situação de crise que vivemos no momento, mas a variante encontrada em Manaus, potencialmente mais transmissível, precisa ser combatida com medidas mais “firmes e restritivas”.

“Termos chegado a esta situação foi, sem dúvida, devido à falta de senso de urgência dos governantes, de compromisso com a vida como prioridade e, sobretudo, à inexistência de ações e de coordenação do governo federal visando mitigar a epidemia. Agora é a hora de mudarmos isso e evitarmos uma catástrofe ainda maior”, diz o manifesto.

Outra medida apontada, seria implementar uma testagem em massa da população, para identificar onde estão os principais focos da covid-19. Apesar do Ministério da Saúde prometer testar o maior número de pessoas, isso nunca, de fato, foi implementado no país.

Na visão do grupo, acelerar a vacinação também seria mais do que necessário. Atualmente temos 11 vacinas aprovadas e sendo amplamente aplicadas em todo o mundo. A imunização por aqui ainda está lenta, com 3,36% da população vacinadas com pelo menos a primeira dose.

Por enquanto, só temos duas opções disponíveis de vacinas: do Instituto Butantan/Sinovac e da Fiocruz/AstraZeneca. O Ministério da Saúde prometeu comprar mais doses, inclusive da Pfzier e da Janssen, e imunizar todos os grupos vulneráveis até o fim do ano.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.