Beto Albuquerque deixa disputa pelo governo do RS; PSB manterá candidatura

Segundo a sigla, Albuquerque decidiu declinar o convite para concorrer ao governo "em decisão de fórum íntimo e pessoalíssimo"
Beto Albuquerque: ex-deputado federal deixa disputa pelo governo do RS (Câmara dos Deputados/Reprodução)
Beto Albuquerque: ex-deputado federal deixa disputa pelo governo do RS (Câmara dos Deputados/Reprodução)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 01/08/2022 às 18:22.

Última atualização em 08/08/2022 às 14:54.

Após uma série de atritos entre PT e PSB no Rio Grande do Sul, socialistas anunciaram nesta segunda-feira, 1º, a saída do ex-deputado federal Beto Albuquerque da disputa pelo Executivo estadual. O PSB, no entanto, deve anunciar um novo candidato na quarta-feira, 3, e manter chapa própria.

Quer saber tudo sobre a corrida eleitoral? Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia e fique por dentro.

"A Executiva Estadual do PSB reafirma decisão do Congresso Estadual do partido, realizado no dia 23 de julho, em Porto Alegre, de ter candidato próprio ao governo do Estado, oportunidade em que o novo nome de candidato a governador, vice e senador for referendado por esta direção e será anunciado oficialmente nesta quarta-feira", afirmou em nota a legenda.

Segundo a sigla, Albuquerque decidiu declinar o convite para concorrer ao governo "em decisão de fórum íntimo e pessoalíssimo", mas pontuou que as dificuldades de construção de alianças com o PT e com o PDT no Estado tiveram peso na decisão do ex-deputado.

LEIA TAMBÉM: Partidos têm até sexta-feira para fazer convenções e lançar candidatos

O desgaste na aliança entre PT e PSB tomou maiores proporções na quarta-feira, 27, quando a cúpula do PT deu como certa a saída de Albuquerque da disputa. Em resposta a notícia, o diretório estadual do PSB publicou nota para desmentir a informação e criticar o "gesto arrogante" da presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann.

O PT lançou o deputado estadual Edegar Pretto, em aliança com PCdoB, PV, PSOL e Rede, para concorrer ao Estado. O ex-ministro Onyx Lorenzoni (PL) e o senador Luís Carlos Heinze (PP) devem concorrer com o apoio do presidente Jair Bolsonaro. O ex-governador Eduardo Leite (PSDB), por sua vez, deve disputar uma nova eleição, depois de ter renunciado ao cargo e tentado, sem sucesso, concorrer à Presidência.

(Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM:

Após intervenção de Bolsonaro, Ibaneis Rocha e Flávia Arruda oficializam chapa no DF

Luciano Bivar desiste de candidatura à Presidência e concorrerá a vaga na Câmara