Diretora da Meta é acusada de usar influência para impedir reportagem

A COO Sheryl Sandberg está sendo investigada por tentar impedir duas publicações sobre o então namorado, Bobby Kotick, CEO da Activision Blizzard
 (DAVID PAUL MORRIS/Bloomberg)
(DAVID PAUL MORRIS/Bloomberg)
Por Laura PanciniPublicado em 22/04/2022 09:41 | Última atualização em 22/04/2022 09:42Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A diretora da Meta (antiga Facebook), Sheryl Sandberg, está sendo acusada de tentar impedir duas histórias de circularem sobre o namorado dela da época, o CEO da Activision Blizzard, Bobby Kotick. As informações são do jornal The Wall Street Journal.

O WSJ relata que, em 2016 e novamente em 2019, Sandberg entrou em contato com o MailOnline, a versão online do tabloide Daily Mail do Reino Unido, na tentativa de impedir que o veículo informasse sobre uma ordem de restrição impetrada contra Kotick por sua ex-namorada.

Em ambas as ocasiões, a história não foi ao ar. Sandberg é acusada de falar ao veículo que a matéria poderia prejudicar o relacionamento da publicação com o Facebook, o que a diretora nega.

O mesmo aconteceu em 2019 após uma troca de e-mails entre o presidente da empresa controladora do Mail, que encaminhou as mensagens para o editor-chefe da publicação.

É importante ressaltar que, segundo o WSJ, as fontes do Mail que conversaram com Sandberg afirmaram não terem se sentido ameaçadas.

VEJA TAMBÉM

25% da população passará 1 hora por dia no metaverso em 2026, diz pesquisa

Netflix (NFLX34) perde assinantes: as 5 causas da crise da plataforma

A nova era da SAGA: curso para streamers, sala gamer e unidade em shopping

Bobby Kotick e o assédio na Activision Blizzard

Nos últimos anos, a empresa de Kotick, recentemente comprada pela Microsoft, passou por escândalos de assédio sexual que, de acordo com documentos, envolvem até o suicídio de uma ex-funcionária. 

De acordo com o processo, era “quase universal” o sentimento entre funcionárias de que trabalhar na Blizzard era como “estar em uma casa de fraternidade”, com funcionários bebendo e submetendo as mulheres da empresa a assédio sexual “sem qualquer repercussão”. 

Já nos documentos judiciais relacionados à ordem de restrição, o WSJ relata que Kotick supostamente apareceu na casa da sua namorada na época, em março de 2014, e tentou entrar sem o consentimento dela.

A mulher, que não teve o nome divulgado, afirma em documento que terminou o relacionamento por causa da “natureza intimidadora e controladora” de Kotick.

Agora, o Facebook está investigando o problema para ver se Sandberg potencialmente violou a política da empresa.

Em uma declaração ao WSJ, uma porta-voz da Meta disse: “Sheryl Sandberg nunca ameaçou o relacionamento comercial do MailOnline com o Facebook para influenciar uma decisão editorial”.