4 consequências da derrota da Samsung para a Apple

A Samsung e o Android vão sobreviver à derrota, mas o mercado de smartphones nunca mais será o mesmo

São Paulo — A Apple impôs uma derrota humilhante à sua rival Samsung na justiça da Califórnia. E o prejuízo da empresa coreana não se limita ao 1,05 bilhão de dólares que ela deve pagar à Apple. Veja quatro consequências da briga para o mercado, o consumidor e a evolução da tecnologia. 

1 Alguns aparelhos podem ser proibidos nos EUA

Nas próximas semanas, a justiça americana deve decidir se a Samsung pode continuar vendendo, nos Estados Unidos, os produtos envolvidos na briga. Alguns dos aparelhos citados no processo são antigos e já saíram de linha. Um outro, o tablet Galaxy Tab 10.1, já está proibido por causa de um processo anterior. Agora, a Apple quer proibir oito smartphones que ainda estão à venda: duas variantes do Galaxy S, quatro do Galaxy S2 e mais os modelos Droid Charge e Galaxy Prevail.

As chances de que a empresa da maçã consiga a proibição são grandes. Mas os modelos mais recentes da Samsung, como o Galaxy S III e o Galaxy Note 10.1, não entraram nesse processo e vão continuar sendo vendidos normalmente – ao menos por enquanto. 

2 Certas características, agora, serão só da Apple

Obviamente, a menos que haja um acordo de licenciamento entre as empresas, a Samsung não vai mais poder incluir, em seus produtos, as seis características que, segundo o júri da Califórnia, infringem patentes da Apple. E isso vale também para outros fabricantes. Três dessas características são funcionais: 

  • Ampliação de documentos por meio de toque na tela
  • Movimento de vai e vem quando o usuário rola a página além do final
  • Distinção entre toque simples e múltiplo

Outras três características que a Samsung supostamente copiou da Apple são de design:

  • Formato geral do iPhone 4S branco 
  • Formato do iPhone 4/4S preto
  • Ícones quadrados com cantos arredondados

3 A indústria vai andar num campo minado

Empresas que têm um grande acervo de patentes, como a Microsoft e a própria Apple, devem se sentir fortalecidas com a decisão judicial. Elas podem ser encorajadas a manter seus altos investimentos em pesquisa e desenvolvimento, e isso é bom, é claro.

Mas talvez a consequência mais ampla da briga Apple versus Samsung seja espalhar o medo no mercado. Fabricantes de dispositivos móveis e desenvolvedores de software tendem a se tornar mais cautelosos pelo temor de ser processados. Eles também devem ficar mais criativos já que, em vez de imitar o iPhone e o iPad, terão de desenvolver soluções próprias.

Não há certeza, porém, de que isso traga benefícios práticos para o consumidor. Quando um padrão está firmemente estabelecido no mercado, uma solução que se afasta dele tende, muitas vezes, a ser rejeitada pelo usuário. É mais ou menos como se alguém tivesse patenteado o volante redondo para carros. As outras montadoras talvez tivessem de adotar volantes quadrados ou triangulares. E é improvável que isso agradasse aos consumidores.


4 O Google também perdeu

O Google tem procurado se distanciar da briga da Apple contra a Samsung. Mas não há dúvida de que a decisão judicial a favor da Apple também provoca tremores no Googleplex. Ela enfraquece todos os fabricantes que usam Android em seus smartphones, incluindo a Motorola, que agora pertence ao Google.

A Apple não pode processar todos esses fabricantes em todos os países. Por isso, a briga na justiça não deve encerrar a liderança global do Android no mercado de smartphones. Mas a Apple tem ido atrás dos concorrentes mais fortes no mercado americano e europeu, onde ela tem chances melhores de sair vencedora.

HTC e Motorola são os próximos alvos. As duas já têm disputas judiciais contra a Apple. E, se a Samsung – que é o maior fabricante do mundo – perdeu, que chance tem a HTC? A vitória da Apple contra a Samsung não é o ataque termonuclear que Steve Jobs prometeu contra o Android. Mas é um golpe duro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também