• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Carta de Exame | Os desafios de hoje, e os de sempre

O ano começou, infelizmente, com indicadores que impedem grandes doses de euforia. Melhorar o cenário depende do governo, mas também das empresas
 (Exame/Germano Lüders)
(Exame/Germano Lüders)
Por Redação EXAMEPublicado em 27/02/2020 05:00 | Última atualização em 12/02/2021 15:40Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O ano começou, infelizmente, com indicadores que impedem grandes doses de euforia nas empresas, no governo e na sociedade. O avanço econômico segue lento no varejo e na indústria e, por consequência, o produto interno bruto continua avançando em ritmo lento. O Brasil cresceu apenas 0,9% em 2019, ante previsões iniciais de 2,5%. Para 2020, o impacto do coronavírus no comércio e na produção global e as conhecidas dificuldades de articulação política em Brasília já levaram a revisões para baixo antes mesmo do Carnaval — segundo a projeção mais recente, vamos crescer 2,2% neste ano.

O desemprego, em queda lenta, segue perto dos 12%. Sair do lamaçal em que o país se encontra vai demandar mudanças de curto e de longo prazo que vão além das pautas óbvias. Uma boa notícia pode vir de um novo marco legal para as startups, com medidas para acelerar a criação de empresas de tecnologia, tema de uma reportagem desta edição. Mesmo na 124a posição entre os melhores países para fazer negócios, o Brasil tem 12.700 startups, das quais 11 estão avaliadas em mais de 1 bilhão de dólares.

É a força do mercado contra as burocracias e ineficiências do dia a dia. Para ir além da nova lei, podemos aprender com países também tradicionalmente refratários à inovação, como a França. Visitamos em Paris o maior campus para startups do mundo, trunfo francês numa competição global por talentos e por investimento. Mas talvez o maior gargalo do Brasil para se tornar um país competitivo no longo prazo esteja no mercado de trabalho. Como mostra a reportagem de capa desta edição, o Brasil terá uma carência de 264.000 desenvolvedores de software até 2024, numa conta que tende a aumentar com o avanço da digitalização de produtos e serviços. Bem pagos e disputados, os devs (como são conhecidos) são um exemplo da pujança do mercado de tecnologia. Mas também retratam a carência de mão de obra qualificada num país com 209 milhões de habitantes e um histórico de abandono à educação.

Melhorar o cenário depende do governo, mas também das empresas. O mercado vem dando suas respostas — com escolas de programação, por exemplo, surgindo aos borbotões ou com negócios como o da subsidiária da companhia dinamarquesa Specialisterne, que auxilia na contratação de autistas com alto desempenho (tema de outra reportagem desta edição). Bem preparados, eles chegam a produzir o dobro de um funcionário médio em tarefas que exigem atenção a detalhes. Estima-se que o Brasil tenha 2 milhões de pessoas com autismo — muitas delas engrossando a lista de desempregados. Passa pelo avanço das reformas, mas também pela atenção aos autistas e pela formação de desenvolvedores o caminho que nos leva a um futuro mais próspero.