Voyager 1: espaçonave da Nasa está "perdida" no espaço; entenda

A equipe de engenheiros da Nasa está tentando resolver o mistério por trás da espaçonave mais distante da Terra
 (NASA/JPL-Caltech/Reprodução)
(NASA/JPL-Caltech/Reprodução)
Por Laura PanciniPublicado em 20/05/2022 14:38 | Última atualização em 20/05/2022 14:38Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A equipe de engenharia da Nasa está tentando resolver um mistério. A espaçonave Voyager 1 está operando normalmente, mas o sistema que controla a orientação da espaçonave (conhecido pela sigla AACS) não mostra o que realmente está acontecendo a bordo.

"Todos os sinais sugerem que o AACS ainda está funcionando, mas os dados de telemetria que ele está retornando são inválidos", escreveu a Nasa em comunicado. "Por exemplo, os dados podem parecer gerados aleatoriamente ou não refletem nenhum estado possível em que o AACS possa estar."

O que é a espaçonave Voyager 1?

Da Nasa, a Voyager 1 é a espaçonave mais distante da Terra.

Ela está a mais de 23,3 bilhões de quilômetros daqui, e a luz leva 20 horas e 33 minutos para percorrer essa diferença. Isso significa que leva cerca de dois dias para enviar uma mensagem à Voyager 1 e obter uma resposta.

Já com 45 anos de idade, a Voyager está no espaço interestelar desde 1977 e, de acordo com a Nasa, se encontra em "um ambiente de alta radiação que nenhuma espaçonave voou antes". Portanto, é difícil prever o que está dando de errado com os sinais do AACS.

LEIA TAMBÉM: Óvnis nos Estados Unidos? Pentágono relata aumento nos últimos 20 anos

Para resolver o mistério, os engenheiros da Nasa terão que continuar monitorando o sinal de perto. "Até que a natureza do problema seja melhor compreendida, a equipe não pode prever se isso pode afetar por quanto tempo a espaçonave pode coletar e transmitir dados científicos", escreveu a agência espacial.

"É possível que a equipe não encontre a fonte da anomalia e se adapte a ela", disse um dos engenheiros da Nasa.

A gêmea da Voyager 1, a Voyager 2 (atualmente a 19,5 bilhões de quilômetros da Terra), continua operando normalmente.

LEIA TAMBÉM: