Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Fim da rivalidade? Rússia pode ir ao espaço com empresa americana SpaceX

Dmitry Rogozin, o chefe da agência espacial russa, afirmou que a nave Crew Dragon já pode ser considerada segura para os cosmonautas

Será possível uma parceria entre a Rocosmos, agência espacial russa, e a SpaceX, empresa de exploração espacial fundada por Elon Musk? De acordo com declarações recentes do chefe da agência russa, sim. Em uma coletiva de imprensa realizada no fim de outubro, Dmitry Rogozin afirmou que "na visão da agência, a SpaceX já adquiriu experiência suficiente para podermos colocar nossos cosmonautas no Crew Dragon”, segundo informações do portal SpaceNews.

  • Não perca as últimas tendências do mercado de tecnologia. Assine a EXAME.

Recentemente, a companhia fundada por Musk já realizou pelo menos quatro missões bem-sucedidas ao espaço: a Demo-2 em 2020 e as Crew-1 e Crew-2 em 2021 -- isso tudo sem contar a missão comercial Inspiration4, que levou quatro pessoas.

Ainda segundo as informações da coletiva, Rogozin afirmou que levaria esse tópico para discussão em uma reunião com a NASA, em que cosmonautas russos e astronautas norte-americanos iriam, juntos, à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). O portal Futurism chegou a comparar a fala do executivo a "assumir a derrota" russa no quesito de exploração espacial.

É uma mudança completa de postura da Rússia em relação às ações que os Estados Unidos tomaram no ritmo de exploração espacial. Se, antes, Rogozin tinha um relacionamento conturbado com Musk e com a NASA, recentemente tem mostrado provas de que quer estreitar laços. Em outubro, o chefe da agência espacial russa chegou a convidar o fundador da SpaceX para um chá em sua casa, como um gesto de aproximação.

Caso tudo dê certo e ambos os países consigam entrar em um acordo, a previsão mostrada pelo SpaceNews é a de que a missão escolhida para irem juntos seria a Crew-5, que tem previsão para ser realizada no segundo semestre de 2022.

Mais do que uma simples missão em conjunto, a ação pode dar margem a duas interpretações: a primeira é a de que a Rússia poderia estar "cedendo" diante dos avanços constantes e investimentos feitos por bilionários norte-americanos para conquistar o espaço -- em meio a um cenário de orçamento restrito na Rússia -- ou realmente de tentar obter alguma vantagem a partir da situação.

Não custa lembrar que, recentemente, a agência espacial russa enviou atores ao espaço para filmar um filme de ficção na órbita da Terra e sem gravidade. Anunciado em setembro de 2020, quatro meses após o projeto de Hollywood, o filme russo Vyzov ("O desafio" ou "A chamada" em russo) pretende superar os Estados Unidos em um de seus campos favoritos. 

É o fim da rivalidade ou apenas um ponto a mais para acirrar a disputa? Só o tempo vai dizer.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também