Negócios

O que está por trás da visita surpresa de Elon Musk à China

Bilionário visitou maior mercado de carros elétricos do mundo neste fim de semana

Publicado em 28 de abril de 2024 às 12h44.

Última atualização em 29 de abril de 2024 às 18h55.

Tudo sobreelon-musk
Saiba mais

Neste domingo, 28, o bilionário Elon Musk desembarcou na China, marcando sua segunda viagem em menos de um ano ao maior mercado de veículos elétricos do mundo.

A visita, realizada a convite do Conselho da China para a Promoção do Comércio Internacional, acontece em meio a uma intensa disputa de preços no setor de carros elétricos — e coincidindo com o Salão do Automóvel de Pequim.

Apesar de ser considerado uma figura polêmica, Musk é bastante admirado na China. Por lá, seus veículos da Tesla ganham cada vez mais popularidade entre a classe média.

Elon Musk postou uma foto com o primeiro-ministro da China, Li Qiang, no X (@elonmusk / Captura de tela /Reprodução)

Na rede social X, antigo Twitter, Musk postou uma foto ao lado do primeiro-ministro chinês, Li Qiang, refletindo sobre seu relacionamento desde os primeiros dias da Tesla em Xangai.

Segundo a AFP, Musk também já teve conversas com Ren Hongbin, diretor do Conselho Chinês para a Promoção do Comércio Internacional, além de outros importantes líderes comerciais.

Musk precisará de aval de advogado para publicar sobre Tesla no X

Por que Elon Musk está na China?

Essa nova visita a Pequim reflete uma mudança no tom de Musk em relação aos fabricantes de automóveis chineses. Após críticas iniciais, em 2024 ele reconheceu que elas são "as mais competitivas do mundo".

A chinesa BYD tomou o lugar da Tesla como maior vendedora de carros elétricos do mundo no final de 2023, mas já foi ultrapassada pela americana no início de 2024. A empresa compete diretamente com Tesla e Jeep.

Ao mesmo tempo, a Tesla relatou uma queda de 9% na receita do primeiro trimestre na comparação anualizada - US$ 21,3 bilhões -, pior do que as estimativas dos analistas, que esperavam algo em torno de US$ 22,3 bilhões.

As ações, porém, saltaram 13% ao longo das negociações da terça-feira depois que Elon Musk disse que a montadora poderia começar a fabricar modelos elétricos mais baratos já em 2025, antes que o esperado. Musk já havia dito que tinha abandonado essa ideia.

Com esta visita surpresa, Elon Musk não só reforça as relações comerciais com a China, mas também se posiciona estrategicamente no epicentro das dinâmicas globais do mercado de veículos elétricos, em uma era marcada pela intensa concorrência e inovação.

BYD no Brasil

Segundo informações do Wall Street Journal, a gigante chinesa está considerando expandir suas fábricas para o México, em um movimento que pode aumentar os investimentos e a influência da China na América Latina.

Ainda neste ano, deve ser lançada no Brasil a primeira picape híbrida da BYD, pensada, em âmbito nacional, para concorrer com a Toyota Hilux.

(Com AFP)

Acompanhe tudo sobre:elon-muskChinaCarros elétricos

Mais de Negócios

O Brasil ainda não é um consenso para os investidores globais, afirma Bank of America

Em live relâmpago da WePink, Virgínia vende R$ 4,6 milhões em 20 minutos

Quer ser seu próprio chefe? Veja 5 dicas para começar a empreender com segurança

Tem dinheiro para receber na justiça? Esta startup levantou R$ 7,5 milhões para acelerar processos

Mais na Exame