Governos de São Paulo e Bahia buscam amortecer efeitos da saída da Ford

Metalúrgicos vão fazer manifestações enquanto negociam a extensão de benefícios dos trabalhadores demitidos

Pegos de surpresa pela decisão da Ford de deixar o país, anunciada na segunda-feira (11), os governos de São Paulo e da Bahia começam hoje uma empreitada para tentar amortecer os efeitos do encerramento das operações da montadora americana.

Quer saber como investir em um mundo que muda cada vez mais rápido? Leia as análises da EXAME Research

A secretária de Desenvolvimento Econômico de São Paulo, Patricia Ellen, vai se reunir hoje com o prefeito de Taubaté, João Saud, para discutir medidas de apoio aos metalúrgicos que estão perdendo o emprego e maneiras de reduzir o impacto da saída da Ford na economia da cidade. A cinquentenária fábrica da Ford em Taubaté produzia motores, transmissões e outros componentes. O campo de provas de Tatuí, também no interior paulista, vai ser mantido, mas com a equipe reduzida. Cerca de 1.700 trabalhadores atuavam nas unidades da montadora no estado.

Para os metalúrgicos, a ideia é oferecer cursos de qualificação que os ajude a se recolocar no mercado. Para a fábrica de Taubaté, o governo estadual vai tentar encontrar um comprador. Pode não ser fácil. Levou mais de um ano para vender o terreno da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo, desativada em outubro de 2019.

Na Bahia, o governador Rui Costa já anunciou a criação de um grupo de trabalho para tentar atrair outra montadora que preencha o vazio a ser deixado pela Ford na cidade de Camaçari, 50 quilômetros ao norte de Salvador. Inaugurada em 1997, a fábrica pioneira no Nordeste empregava mais de 4 mil trabalhadores que montavam o Ka e o EcoSport. Apenas um centro de desenvolvimento de produtos será mantido. Costa disse que já fez contato com embaixadas de países asiáticos para convidar montadoras a se instalar na região.

Os sindicatos dos metalúrgicos de São Paulo e da Bahia também marcaram para esta terça-feira (12) manifestações em frente às fábricas da Ford. Em Camaçari, cuja fábrica fechou ontem, os funcionários pretendem marchar até o centro da cidade. Os empregados da unidade de Taubaté, que será desativada ao longo do ano, vão se mobilizar a partir das 8h30. Tentam negociar o pagamento de benefícios aos que forem desligados.

Cerca de 5 mil funcionários devem ser demitidos. Ao todo, a Ford Brasil tem 6.171 funcionários, sendo 1.652 em Taubaté, São Paulo e Tatuí; 4.059 na Bahia e 460 no Ceará. Algumas centenas de trabalhadores devem ser mantidos na sede da companhia, no estado de São Paulo.

“A Ford encerrará a produção à medida em que a pandemia de covid-19 amplia a persistente capacidade ociosa da indústria e da redução das vendas, resultando em anos de perdas significativas”, disse a montadora em nota.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.