CSLL reduz expectativa, mas oferta compensará, diz Bradesco

Segundo o diretor gerente do Bradesco, o aumento da CSLL reduz a expectativa de resultado para o banco

São Paulo - O aumento da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) das instituições financeiras que entra em vigor em setembro próximo reduz a expectativa de resultado para o Bradesco, de acordo com Luiz Calos Angelotti, diretor gerente e de Relações com Investidores da instituição.

"Vamos compensar o aumento da CSLL trabalhando mais, vendendo mais produto e trabalhando mais o custo de uma forma geral", afirmou ele, em teleconferência com a imprensa, realizada nesta quinta-feira, 30.

De acordo com Angelotti, o aumento da CSLL deve impactar o resultado do último trimestre, já que a nova porcentagem entra em vigor no dia 1º de setembro e também em todo o exercício de 2016.

Ele disse ainda que uma nova segmentação vai ajudar na venda de mais produtos. Isso porque o banco conseguirá ter mais proximidade com uma base de clientes que não tinha antes.

Sobre a possibilidade de o Bradesco também ter uma reversão de Cofins que pudesse beneficiar o banco assim como o espanhol Santander, ele disse que não há nada no passivo que possa gerar um efeito positivo para o banco.

"A tese não foi totalmente julgada. Há discussões de recuperação, mas não se sabe como a tese será julgada no futuro. Só será recuperado no futuro se tiver decisão favorável", afirmou, sem precisar números.

Sete Brasil

Um pouco antes, o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, fez comentários sobre a Sete Brasil, empresa envolvida na Operação lava Jato, que investiga corrupção na Petrobras.

"Evidentemente, a empresa vive momentos de ambiguidades derivadas das notícias que vemos na mídia. Existe a expectativa da entrada de novos sócios na Sete Brasil", disse Trabuco, na teleconferência.

O executivo afirmou não ter informação de quem serão os novos sócios da Sete Brasil. De acordo com ele, a gestão busca alternativas para a empresa, que é "importante para a Petrobras e estaleiros".

A Sete Brasil atravessa uma crise após ter sido citada na Lava Jato.

Ao ter sido envolvida, a companhia não conseguiu obter a liberação de financiamento pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) apesar de ter linha de US$ 3,1 bilhões. Inadimplente desde o primeiro trimestre, suas dívidas são estimadas em R$ 4 bilhões.

A Sete Brasil foi criada para construir 29 sondas, das quais 28 seriam para a Petrobras. A entrada de um novo sócio ajudaria a empresa a sair da crise que enfrenta.

O Bradesco juntamente com o Santander, Itaú Unibanco, Banco do Brasil e Caixa participam do empréstimo-ponte de R$ 12 bilhões para a Sete Brasil. Além deles, o Standard Chartered tem uma fatia menor na operação, de cerca de US$ 250 milhões.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também