Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:
Apresentado por BANCO PAN
seloNegócios

Não é mistério: os brasileiros estão investindo mais. Segundo uma pesquisa da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), 85% dos investidores declaram ter conta-corrente ou poupança em bancos tradicionais. O percentual cai para 59% entre os não investidores.

No caso de contas em bancos digitais, os índices ficaram em 38% para investidores e 26% para aqueles que não investem. Quando perguntados sobre corretoras, somente 7% dos investidores dizem ter conta nesse tipo de instituição e entre os não investidores, 1%.

Dos produtos financeiros disponíveis, os brasileiros conhecem mais a poupança, que apareceu em 11% das citações espontâneas, seguida das ações na bolsa de valores, com 10%. Empatados com 6% estão os fundos de investimento e os títulos públicos e títulos privados.

Mas, e conta que rende, como fica? Nos últimos anos, a modalidade tem ganhado destaque entre aqueles que não querem ter trabalho na hora de aplicar o dinheiro nem ficar com o dinheiro parado no banco.

O que é uma conta que rende?

Uma conta que rende é um tipo de conta na qual o dinheiro depositado gera juros ou dividendos ao longo do tempo. Isso significa que, à medida que você mantém seu dinheiro na conta, ele começa a crescer, graças aos juros que o banco ou a instituição financeira paga a você. Essa é uma maneira segura de fazer seu dinheiro trabalhar para você, e é uma opção popular para economizar e acumular fundos.

Essa opção está cada vez mais popular entre os bancos e cada um oferece suas vantagens para conquistar clientes. É ainda uma maneira de manter o dinheiro rendendo e sacar quando precisar, com o rendimento é diário, sem depender da data-aniversário como na poupança.

Na maioria dos bancos, para que você tenha esse benefício, é preciso permanecer com o dinheiro em conta, normalmente, por 30 dias, explica Bruno Mori, economista e sócio-fundador da consultoria Sarfin. Não é necessário aplicar o dinheiro, não precisa dar o comando ao banco ou à corretora para que esse dinheiro seja investido, a instituição faz isso automaticamente.

A conta que rende do banco PAN

Na conta que rende do PAN, o saldo em conta partindo de R$ 30,00 é investido e rende automaticamente, desde o primeiro dia. Sem que o cliente precise fazer nada, diz Maria Eduarda de Andrade Paiva, superintendente de produtos digitais do banco PAN.

Esse saldo em conta é aplicado automaticamente pelo PAN em um CDB. O rendimento começa em 10% do CDI e chega até 100%. Isso só depende do cliente, para que o cliente alcance o rendimento de 100% do CDI, ele só precisa deixar o dinheiro em conta por mais de 30 dias. A partir daí, todo o dinheiro vai passar a render o 100% do CDI.

“É uma experiência muito simples e prática, que vai ao encontro do objetivo do PAN de fazer a vida do cliente render mais”, diz Paiva. A ideia do banco é economizar tempo do cliente para que ele possa ter sempre saldo em conta para realizar compras e transferências e não tenha de ficar fazendo a gestão de colocar e tirar o dinheiro de seus investimentos.

O que é CDB

CDB significa Certificado de Depósito Bancário e é um tipo de investimento de renda fixa. É uma forma de empréstimo que um investidor faz a um banco, e, em troca, o banco paga juros sobre o valor investido. Os CDBs são emitidos por instituições financeiras e podem ter diferentes prazos de vencimento, que podem variar de alguns meses a vários anos.

A rentabilidade de um CDB pode ser prefixada, ou seja, o investidor sabe exatamente quanto irá receber no vencimento, ou pós-fixada, vinculada a algum índice financeiro, como a taxa Selic, o Certificado de Depósito Interbancário (CDI) ou o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), diz Jayme Carvalho, planejador financeiro certificado pela Planejar. Os CDBs pós-fixados geralmente oferecem rendimentos que acompanham as variações desses índices, de modo que o investidor pode obter uma rentabilidade maior se os índices subirem.

Os CDBs são considerados investimentos de baixo risco, principalmente quando emitidos por bancos sólidos, porque contam com a proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) até um determinado limite, que é de R$ 250 mil por CPF e por instituição financeira. Isso significa que, se o banco emissor do CDB entrar em falência, o investidor tem direito a receber de volta o valor investido mais os juros até esse limite garantido pelo FGC.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Black Friday fraca? Não para a Amazon e Shopee; veja os produtos mais vendidos

seloNegócios

Black Friday fraca? Não para a Amazon e Shopee; veja os produtos mais vendidos

Há 3 horas

Mercado de franquias cresce 11,4% no 3º trimestre e faturamento supera R$ 62 bilhões

seloNegócios

Mercado de franquias cresce 11,4% no 3º trimestre e faturamento supera R$ 62 bilhões

Há 4 horas

O que as lideranças devem ter no radar para 2024, segundo o CEO da Falconi

seloNegócios

O que as lideranças devem ter no radar para 2024, segundo o CEO da Falconi

Há 5 horas

Ela foi empregada doméstica e hoje lidera clínica de tratamento capilar que fatura R$ 6 milhões

seloNegócios

Ela foi empregada doméstica e hoje lidera clínica de tratamento capilar que fatura R$ 6 milhões

Há 6 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

O que as lideranças devem ter no radar para 2024, segundo o CEO da Falconi

O que as lideranças devem ter no radar para 2024, segundo o CEO da Falconi

ApexBrasil reúne investidores e governos em fórum no Itamaraty

ApexBrasil reúne investidores e governos em fórum no Itamaraty

Como a Suvinil tem reciclado o resto de tinta que você não usa

Como a Suvinil tem reciclado o resto de tinta que você não usa

Bastidores da produção sustentável do cacau viram série no Globoplay com Rodrigo Hilbert

Bastidores da produção sustentável do cacau viram série no Globoplay com Rodrigo Hilbert

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais