Como vender mais na Black Friday? Conheça 5 recomendações do Google

Google anuncia novo site para apoiar clientes e parceiros na Black Friday. Além disso, divulga pesquisa sobre perfil dos consumidores:
 (Google/Divulgação)
(Google/Divulgação)
I
Isabela Rovaroto

Publicado em 29/09/2022 às 12:00.

Última atualização em 29/09/2022 às 12:27.

Faltam menos de dois meses para a Black Friday e o Google lançou nesta quinta-feira, 29, um site com informações e recomendações para apoiar clientes e parceiros nesse momento intenso de preparação.

Assine a EMPREENDA, a nova newsletter semanal da EXAME para quem faz acontecer nas empresas brasileiras

O site foi lançado hoje durante o Black Friday Connections Store, evento realizado em São Paulo, que marca o início da preparação para a temporada de compras.

O objetivo é apoiar os clientes no desenvolvimento e implementação de suas estratégias de campanha durante a jornada até a Black Friday.

Site do Google para Black Friday

A página traz uma série de guias sobre como usar os produtos da empresa para alavancar os resultados de vendas na temporada — que, neste ano, coincidirá com o período de disputa da Copa do Mundo, no Catar.

Na página, é possível encontrar, por exemplo, artigos com recomendações de como gerar melhores resultados com campanhas Performance Max.

Quais são os lanches temáticos do McDonald's para a Copa 2022?

Os anunciantes também encontrarão dicas sobre o que fazer com as campanhas quando o estoque de um produto acabar, qual caminho tomar quando o preço de um produto mudar ou como aumentar o engajamento dos clientes, entre outros.

Confira abaixo alguns dos destaques dentre os artigos e recomendações do novo site do Google:

1. Página de Recomendações

A página analisa o histórico de desempenho do anunciante, as configurações da sua campanha e as tendências em todo o Google para gerar automaticamente sugestões que podem melhorar seu desempenho. A dica para empresas e agências é acompanhar a Página de Recomendações diariamente para obter novos insights.

2. Performance Planner

A ferramenta do Google Ads que permite acompanhar o desempenho das campanhas e descobrir oportunidades de mudanças nas campanhas para aproveitar períodos sazonais, além de simular como otimizações nas campanhas podem afetar os resultados.

Fintech de crédito consignado recebe investimento de R$ 135 milhões liderado pelo BTG Pactual

3. SA360

A página traz um playbook completo do Search Ads 360 para Black Friday, incluindo uma área para simular os lances de suas estratégias, recomendações de como configurar o ajuste de sazonalidade e dicas para acompanhar os resultados da Black Friday.

4. Materiais de suporte e mais

O site também conta uma área que reúne materiais de suporte e treinamentos sobre ferramentas como Google Ads e SA 360, além de checklists para a preparação dos times. Também há um FAQ disponível com informações e dicas sobre utilização do Google Ads na Black Friday.

5. Guia de Commerce

O site também traz um link para o guia, lançado em agosto deste ano, que traz informações que ajudam empresas de todos os tamanhos a aumentar as vendas e alcançar novos clientes usando as plataformas do Google.

Black Friday 2022: 50% dos consumidores brasileiros pretendem fazer compras

Pesquisa do Google sobre a Black Friday

Pesquisa encomendada pelo Google ao Instituto Ipsos mostra um número maior de consumidores pretende ir às compras que antecede o Natal.

A pesquisa foi realizada no mês de agosto por meio de um painel on-line com mil brasileiros conectados, das classes A, B e C e residentes em todo o Brasil.

Entre os mil entrevistados na pesquisa, 71% declarou que pretende comprar nesta Black Friday, 29% de crescimento em relação a 2021. Uma das razões é o aumento da confiança da classe C, cuja intenção de compra aumentou 32% em relação a 2021, enquanto na classe A e B  o aumento foi de 23%.

A pesquisa também mostra que, em média, cada consumidor pretende adquirir produtos de cinco categorias neste ano:

  • Roupas e Acessórios (47%)
  • Livros e Itens de Papelaria (43%)
  • Calçados (38%)
  • Celulares (36%)
  • Eletroportáteis (33%)

“A Black Friday deste ano recebe um consumidor que, apesar de estar em uma situação econômica desafiadora, não está esvaziado de desejos”, afirma Gleidys Salvanha, diretora de negócios para o segmento de Varejo do Google Brasil.

“O aumento da intenção de compra é reflexo do aumento da confiança do consumidor, que acredita que sua capacidade de compra vai melhorar até o final do ano.”

66 franquias baratas para empreender a partir de R$ 6 mil em 2022

De acordo com a pesquisa do Google e da Ipsos, 88% dos consumidores acreditam que sua capacidade financeira de comprar produtos continuará igual ou deve melhorar até o final do ano, enquanto apenas 11% acreditam que sua situação financeira vai piorar.

A pesquisa também mostra que 89% pretendem comprar algo para si na Black Friday.

Consumidor mais exigente

Além de preços vantajosos, os brasileiros estão mais atentos à qualidade, como o Google já vem antecipando em outras pesquisas realizadas nos últimos meses.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Offerwise a pedido do Google em maio, quase metade (45%) dos consumidores entende que, passadas as restrições da pandemia da COVID-19, eles agora podem decidir de forma mais consciente quais produtos, marcas e serviços comprar.

Além disso, a pesquisa mostrou que 8 em cada 10 pessoas estariam dispostas a trocar de marca caso entenda que ela não está conectada à sua identidade ou suas necessidades.

Empreender sem funcionários: conheça 10 franquias baratas e com menos burocracias

Na Busca do Google, o interesse por produtos das categorias de Varejo, associados às palavras “barato” ou “melhor”, se inverteu na comparação entre 2020 e 2022. Entre abril e junho de 2020, as buscas associadas a “barato” eram 53% maiores que o volume de buscas associadas a “melhor”.

Porém, em 2022, as buscas por “melhor” já superam as buscas por “barato” em 27%. Isso significa que o consumidor valorizou o preço baixo como pré-requisito para atender suas necessidades mais imediatas durante a pandemia, mas agora volta a dar mais peso ao quesito qualidade.

“Essa será a Black Friday das melhores escolhas para cada consumidor, de acordo com suas necessidades e contexto econômico”, diz Fernanda Bromfman, líder de Commerce para médias empresas do Google Brasil.

“Itens com ticket médio mais alto, como TVs, celulares ou itens de informática, ou menos essenciais, como moda esportiva, devem estar na lista dos consumidores de classes A e B. Neste ano, a Black Friday para a classe C deve incluir mais produtos nas categorias de alimentos e eletroportáteis.”

Médica cria residencial sênior para avô com Alzheimer e hoje rede fatura R$ 43 milhões

Um dos destaques apontados pela pesquisa do Google com a Ipsos é o aumento da confiança dos consumidores da classe C.

Quase 7 em cada 10 brasileiros nesta faixa (68%) declarou que pretende comprar algum item nesta Black Friday, elevando a intenção de compra a um nível mais próximo do observado nas classes A e B (78%). Em 2021, 64% das pessoas da classe A e B afirmavam que comprariam algum item, enquanto a mesma afirmação foi feita por 51% dos entrevistados da classe C.

Neste ano, a pesquisa também registrou um crescimento de pessoas de classe C que declararam que com certeza vão comprar na Black Friday: o dado passou de 13% em 2021 para 22% em 2022, num crescimento de 73%. Já na classe A e B, esse crescimento foi de 31% (passando de 26% dos entrevistados para 34%).

Dos 20 itens analisados, apenas dois tiveram maior intenção de compras da classe C:

  • Alimentos (30%, contra 27% das classes A e B)
  • Eletroportáteis (35%, contra 30% das classes A e B)

No geral, o desejo de compras da classe C segue a média dos brasileiros, sendo liderado por Roupas e Acessórios (46%), Livros e Itens de Papelaria (42%) e Calçados (37%). Os Celulares ficaram em quinto lugar, com 34%, atrás dos Eletroportáteis que ocupam a quarta posição.

Consumidor multicanal

A pesquisa realizada pelo Google e Ipsos também revela que o brasileiro consolidou seus hábitos de compra adquiridos ao longo dos últimos anos e cada vez mais compra por meio de diferentes canais, sejam de e-commerce ou lojas físicas.

No total, 72% dos entrevistados na pesquisa afirmaram que compraram tanto em canais on-line quanto offline nos últimos seis meses, em um crescimento de 10 pontos percentuais em relação ao ano passado.

Para a Black Friday de 2022, os entrevistados pretendem fazer suas compras:

  • 57% por meio de sites
  • 51% por meio de aplicativos
  • 45% por meio de lojas físicas

Veja Também

TRENDS: Depois da Black Friday, o Natal
Um conteúdo Bússola
Há 5 dias • 5 min de leitura

TRENDS: Depois da Black Friday, o Natal