Trump muda; A fila anti-Maduro…

Trump: chefe de campanha demitido

O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira a demissão do coordenador-chefe de sua campanha, Corey Lewandowski. Criador do slogan “Deixe Trump ser Trump”, Lewandowski era uma figura controversa como o chefe e criticado por nunca ter trabalhado numa campanha antes. O motivo da demissão não foi divulgado, mas membros da própria equipe de Trump afirmaram que o gesto foi inesperado. Pessoas próximas ao republicano argumentam que a demissão pode ser o início de mudanças em sua campanha — em vez de se aproximar da democrata Hillary Clinton, ele continua 6 pontos percentuais atrás na corrida.

Menos armas, mais armas 

O Senado americano vota na noite desta segunda-feira quatro medidas que restringem a compra de armas nos Estados Unidos. A primeira, defendida pelos democratas, impede a aquisição de armas por pessoas que apareçam em listas de terrorismo. Argumentando que a proibição seria muito ampla, os republicanos oferecem uma contrapartida, que obriga o governo a analisar cada situação especificamente. Espera-se que ambas as medidas sejam rejeitadas. Já o democrata Christopher Murphy sugere uma lei que dificulta a compra de armas em exposições e pela internet — também contestada pelos republicanos.

A fila do “fora, Maduro” 

Eleitores venezuelanos fizeram fila nesta segunda-feira para validar suas assinaturas a favor da abertura de um referendo sobre a permanência do presidente Nicolás Maduro no poder. O CNE, órgão eleitoral venezuelano, já rejeitou 600.000 dos 2 milhões de assinaturas coletadas pelos oposicionistas. Durante essa fase do processo, são necessárias 200.000 assinaturas — o equivalente a 1% dos eleitores venezuelanos. Em seguida, a oposição deve angariar 4 milhões de pessoas favoráveis a um referendo sobre a permanência de Maduro. Se Maduro perder uma votação desse tipo, o conselho eleitoral é obrigado a convocar novas eleições ainda neste ano.

Walmart se reforça na China

A rede varejista Walmart anunciou nesta segunda-feira que vai adquirir 5% das ações da chinesa JD.com — segunda maior companhia de comércio online do país, atrás apenas do Alibaba. Em nota, o presidente do Walmart, Doug McMillon, disse que a operação vai possibilitar uma “poderosa combinação entre o e-commerce e o varejo”. Por meio do acordo, Walmart e JD unirão suas cadeias de fornecimento. Além disso, a companhia chinesa passará a ser proprietária do Yihaodian, plataforma de comércio online comprada pelo Walmart. A rede americana estima que a China será origem de 25% do mercado de varejo nos próximos anos.

Apple sem volatilidade  

Depois de gerar 200 bilhões de dólares a seus acionistas em 2015, as ações da empresa de tecnologia Apple, segundo a avaliação de analistas, podem perder seu peso na classificação do respeitado índice Russell, que mede o valor das ações de companhias americanas. Um dos principais motivos é que o número de ações da Apple disponíveis no mercado vem diminuindo devido à política da empresa de comprar os próprios títulos.

Twitter compra empresa de inteligência artificial 

A empresa de tecnologia Twitter anunciou a compra de uma startup londrina de inteligência artificial chamada Magic Pony Technology. O sistema da Pony Technology funciona aprendendo padrões de comportamento em imagens, podendo facilitar o compartilhamento de fotos e vídeos no Twitter. O negócio está estimado em 150 milhões de dólares, embora os valores oficiais não tenham sido divulgados. Essa é a terceira empresa de inteligência artificial que o Twitter adquire desde 2014.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.