Acompanhe:

'Tarifa Milei' e 'Tarifa Massa': bilhete de metrô gera polêmica na eleição da Argentina

Governo cria programa oficial para que eleitores da oposição deixem de receber desconto se quiserem

Modo escuro

Continua após a publicidade
Eleições na Argentina: painel em estação quer mostrar que passagem pode subir se oposição vencer (X/Captura de tela/Reprodução)

Eleições na Argentina: painel em estação quer mostrar que passagem pode subir se oposição vencer (X/Captura de tela/Reprodução)

O preço dos bilhetes de metrô e trens de Buenos Aires viraram um tema de disputa eleitoral na Argentina. A poucos dias das eleições, o Ministério dos Transportes criou uma campanha para destacar que a tarifa do transporte público é subsidiada, para tentar demonstrar que, se a oposição vencer as eleições presidenciais, o preço da passagem vai subir.

Nesta quarta, 19, anúncios em algumas estações passaram a mostrar quanto o bilhete custará se cada candidato ganhar. O primeiro turno das eleições presidenciais será realizado no domingo, 22, e a disputa se concentra entre o atual ministro da Economia, Sergio Massa, a candidata de centro-direita Patricia Bullrich e o ultraliberal Javier Milei. 

A campanha diz que a "Tarifa de trens Massa" custa 56,23 pesos, e que a "Tarifa Milei" e a "Tarifa Bullrich" custariam 1.100 pesos por viagem, querendo mostrar que o preço pode subir quase 20 vezes se os rivais do governo ganharem a eleição. O governo diz que a ação foi feita por sindicatos, que compraram espaços publicitários nos paineis das estações por conta própria.

Diego Giuliano, ministro dos Transportes, criou há poucos dias um programa oficial em que os usuários podem dizer se querem ou não pagar a tarifa com desconto. "Aquele que vota em Milei deveria se retirar do subsídio, porque se você vai votar pela eliminação do subsídio e o usa, você está tendo uma atitude de contradição", disse, em entrevista a uma rádio.

Patricia Bullrich, candidata da oposição, atacou a campanha, em uma rede social. "Passaram de todos os limites. De verdade, estão usando o dinheiro do povo para fazer esse tipo de campanha suja, ministro Massa?". Sua coligação entrou na Justiça questionando o programa do Ministério dos Transportes, por considerar a medida como um ato de campanha irregular.

"Te dói que os sindicatos contem em seus espaços a verdade ao povo? Conte, Patrícia, que retirar o subsídio coloca o bilhete neste valor", rebateu Giuliano, em uma rede social.

Na Argentina, os transportes públicos recebem subsídio do governo federal, o que faz com que os cidadãos paguem um valor abaixo do custo real de operação do sistema. No Brasil, várias cidades, como São Paulo, atuam da mesma forma, mas o dinheiro do subsídio vem dos cofres municipais.

A oposição defende que a Argentina precisa cortar gastos públicos, e parte dos vários programas de subsídio, para conseguir conter a inflação e equilibrar a economia do país, que enfrenta uma forte crise pela alta de preços, falta de dólares e forte desvalorização do peso.

Eleição na Argentina

Como funciona a eleição argentina?

    Créditos

    Últimas Notícias

    Ver mais
    Polícia reprime manifestantes em Buenos Aires e detém 8 pessoas
    Mundo

    Polícia reprime manifestantes em Buenos Aires e detém 8 pessoas

    Há 20 horas

    Justiça argentina bloqueia bens e quebra sigilo bancário de Alberto Fernández; entenda
    Mundo

    Justiça argentina bloqueia bens e quebra sigilo bancário de Alberto Fernández; entenda

    Há um dia

    Argentina enfrenta escassez de repelente em meio à epidemia de dengue
    Mundo

    Argentina enfrenta escassez de repelente em meio à epidemia de dengue

    Há um dia

    HSBC fecha venda de operações na Argentina por US$ 550 milhões
    seloMercados

    HSBC fecha venda de operações na Argentina por US$ 550 milhões

    Há 2 dias

    Continua após a publicidade
    icon

    Branded contents

    Ver mais

    Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

    Exame.com

    Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

    Leia mais