Mundo

Sonda chinesa retorna à Terra com amostras do lado oculto da Lua

A terra e as rochas extraídas pela sonda Chang'e-6 são muito promissoras para pesquisas

Autoridades se preparam para recuperar módulo Chang’e-6 depois de pouso no norte da China

Autoridades se preparam para recuperar módulo Chang’e-6 depois de pouso no norte da China

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 26 de junho de 2024 às 10h09.

Após 53 dias de missão, a sonda chinesa Chang'e-6 retornou nesta terça-feira, 25, à Terra com as primeiras amostras da história do lado oculto da Lua, uma conquista que permitirá uma compreensão melhor da história do satélite.

A missão, marcada por uma grande complexidade técnica, em particular pelas questões de comunicação, é uma das mais ambiciosas executadas pela China no espaço.

Às 14H07 (3H07 de Brasília), o módulo de retorno Chang'e-6 pousou em uma área do deserto na região da Mongólia Interior, norte de China, e "tudo funciona de maneira normal", anunciou a agência espacial chinesa CNSA em um comunicado.

"Isto marca o sucesso completo da missão e é, sobretudo, o primeiro retorno à Terra de amostras do lado oculto da Lua", celebrou a agência.

Dois métodos de coleta

A cápsula desceu lentamente graças a um paraquedas vermelho e branco, antes de pousar suavemente ao lado de uma bandeira chinesa, segundo imagens exibidas pela televisão estatal CCTV.

A face oculta da Lua é uma zona pouco explorada, chamada assim porque não é visível da Terra. A área tem grande potencial para a ciência porque suas crateras estão menos cobertas pelos antigos fluxos de lava da face visível.

A terra e as rochas extraídas pela sonda Chang'e-6 são muito promissoras para a pesquisa, pois permitirão mais conhecimentos sobre a formação e a história do satélite da Terra.

A sonda foi lançada em 3 de maio da base de Wenchang, na província de Hainan, sul da China. Quase um mês depois, o aparelho pousou na bacia do Polo Sul-Aitken, uma das maiores crateras de impacto conhecidas no sistema solar, localizada no lado oculto da Lua.

Em 4 de junho, a sonda decolou com sucesso da Lua com as amostras coletadas. O dispositivo utilizou dois métodos de coleta: uma broca para extrair amostras abaixo da superfície e um braço robótico para retirar mais material, desta vez na superfície.

Também fez fotografias da superfície lunar e fincou uma bandeira da China no lado oculto do satélite.

Rivalidade com EUA

A China desenvolveu consideravelmente os seus programas espaciais nas últimas três décadas, injetando bilhões de dólares no setor para alcançar Estados Unidos, Rússia e Europa.

O país asiático colocou um dispositivo no lado oculto da Lua em 2019, o que na época foi algo inédito. Em 2020, o programa espacial chinês trouxe amostras do lado visível da Lua e completou o seu sistema de navegação por satélite Beidou.

Em 2021, Pequim também enviou um pequeno robô a Marte. A China espera enviar a primeira missão tripulada à Lua até 2030 e pretende construir uma base lunar.

O governo dos Estados Unidos está em um momento de rivalidade aberta com a China nos programas lunares. Washington pretende enviar astronautas à Luna até 2026 com a missão Artemis 3.

Acompanhe tudo sobre:EspaçoChinaLua

Mais de Mundo

Com esgotamento do chavismo, Maduro enfrenta desafio mais difícil nas urnas desde 2013

Dinastia Trump S.A.: Influência de família em campanha sinaliza papel central em possível governo

Após mais de 100 mortes em protestos, Bangladesh desliga internet e decreta toque de recolher

Opinião: A hegemonia do dólar deve ser terminada

Mais na Exame