Mundo

Ambição espacial: sonda da China pousa com sucesso na face oculta da Lua

A sonda espacial chinesa Chang’e-6 pousou no lado oculto da Lua para coletar amostras de solo e rochas

Sonda chinesa Chang'e-6 conseguiu pousar na face oculta da Lua (AFP/AFP)

Sonda chinesa Chang'e-6 conseguiu pousar na face oculta da Lua (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 2 de junho de 2024 às 08h33.

Última atualização em 2 de junho de 2024 às 08h35.

A sonda chinesa Chang'e-6 conseguiu pousar na face oculta da Lua para recolher amostras, o avanço mais recente do programa espacial de Pequim, informou neste domingo (2, noite de sábado em Brasília) a agência estatal Xinhua.

A sonda Chang'e-6 alunissou na imensa Bacia Aitken, uma das maiores crateras de impacto conhecidas no Sistema Solar, indicou a Xinhua, citando a Agência Espacial da China. O meio estatal acrescentou que esta será a primeira vez que amostras serão recolhidas dessa área pouco explorada da Lua.

A Chang'e realiza uma missão tecnicamente complexa de 53 dias que começou em 3 de maio.

Agora que pousou, tentará coletar poeira e rochas lunares, bem como efetuar outros experimentos em suas imediações. O processo deverá ser concluído em dois dias, assinalou a Xinhua. A sonda utilizará dois métodos de coleta: uma furadeira para recolher amostras embaixo do solo e um braço robótico para pegar amostras sobre a superfície. Depois, deverá tentar um lançamento sem precedentes a partir da face oculta da Lua.

Os cientistas afirmam que a face oculta da Lua - chamada assim porque não é visível da Terra - tem grande potencial para a ciência porque suas crateras estão menos cobertas pelos antigos fluxos de lava da face visível.

O material recolhido da face oculta pode oferecer informação sobre como a Lua se formou.

Ambição espacial

A China já tinha colocado em 2019 uma nave espacial na face oculta da Lua, mas não recolheu nenhuma amostra.

Sob o comando do presidente Xi Jinping, o país tem dedicado um esforço considerável a seu "sonho espacial".

Pequim investiu uma infinidade de recursos em seu programa espacial na última década, visando uma série de iniciativas ambiciosas voltadas a reduzir a defasagem em relação às duas potências espaciais tradicionais: Estados Unidos e Rússia.

E o país asiático vem obtendo vários feitos notáveis, incluindo a construção da estação espacial Tiangong, ou "Palácio Celestial". A China também enviou sondas robóticas para Marte e Lua, e se tornou o terceiro país no mundo a colocar humanos em órbita.

Os Estados Unidos advertem que o programa espacial chinês vem sendo utilizado para ocultar objetivos militares e um esforço para alcançar o domínio do espaço.

"Acreditamos que muito de seu denominado programa espacial civil é um programa militar", afirmou em abril o administrador da Nasa, Bill Nelson, a legisladores americanos no Capitólio.

A China pretende enviar uma missão tripulada à Lua para 2030 e planeja construir uma base na superfície do satélite natural. Os Estados Unidos também planejam voltar a enviar astronautas à Lua por volta do ano de 2026, com sua missão Artemis 3.

Acompanhe tudo sobre:LuaChinaEspaço

Mais de Mundo

Exército israelense anuncia pausa diária nas operações em uma região de Gaza

Cúpula pela paz na Suíça reafirma integridade da Ucrânia, mas pede negociações com a Rússia

Brasil é 3º país mais inseguro da América do Sul, diz Global Peace Index

Candidato à presidência denuncia 'prisão arbitrária' de assistentes na Venezuela

Mais na Exame